segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Após a dor vem a ALEGRIA



O Evangelho deste final de semana nos mergulhou em abençoadas reflexões a respeito das pessoas que realmente são felizes em Deus, e que muitas vezes enxergam-se apenas como criaturas infelizes e castigadas pela Providência Divina.
O capítulo 5, versículo 4 de São Matheus nos chamou a atenção para o que realmente Jesus quis dizer com “Felizes os que sofrem porque serão consolados”, se na realidade todas as pessoas sofrem, estando sobre o trono ou sobre a palha. Mas observando melhor as palavras do Mestre é possível compreender que Ele não se referia a todas as pessoas sofredoras e sim aquelas pessoas que sabem sofrer, no qual, infelizmente bem poucos o sabem. Pois são poucos os que compreendem que somente as provações bem suportadas podem conduzir-nos ao Reino de Deus.
Assim, muitas vezes recorremos à oração para que sejam atenuados os nossos sacrifícios. Sim, a prece é um sustentáculo para a alma, porém ela não basta: é preciso que esteja apoiada sobre uma fé viva na bondade de Deus. Pois Ele nos esclareceu que não coloca fardos pesados em ombros fracos; o fardo é proporcional às forças, como a recompensa é proporcional à resignação e à coragem; maior será a recompensa quando a aflição for mais penosa.
“O militar que não é enviado ao campo de batalha não fica contente, porque o repouso na retaguarda do acampamento não lhe proporciona promoção; sejamos, pois, como o militar e não desejamos um repouso em que o nosso corpo se enfraqueceria e a nossa alma se entorpeceria. Estejamos satisfeitos quando Deus nos envia à luta. Essa luta não é o fogo da batalha, mas as amarguras da vida, onde é preciso, algumas vezes, mais coragem do que num combate sangrento, porque aquele que ficaria firme diante do inimigo, se dobrará sob o constrangimento de uma pena moral. Quando nos atingir um motivo de inquietação ou de contrariedade, esforçamo-nos por superá-lo, e quando chegarmos a dominar os ímpetos da impaciência, da cólera ou do desespero, poderemos dizer com justa satisfação: “Eu fui mais forte.”
Com isso, ‘Felizes os que sofrem’ pode, pois, ser traduzido assim: felizes aqueles que têm oportunidades de provarem sua fé, sua firmeza, sua perseverança e sua submissão à vontade de Deus, porque terão em cêntuplo a alegria que lhes falta na Terra”, e nunca nos esqueçamos que, “...ainda se vier noites traiçoeiras, se a cruz pesada for, Cristo estará contigo.”

Postado por Juninho

Um comentário:

  1. Parabéns pelo texto! Muito confortantes estas palavras. Afinal, "a fé remove montanhas!".

    ResponderExcluir