quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A retirada da Cruz nos ambientes públicos

Esses dias estava lendo o jornal, e vi em uma coluna sobre a retirada símbolos religiosos de ambientes públicos, porque o Estado é laico, (significa que cada um é livre para escolher o que quer) e que algum símbolo religioso poderia ofender as pessoas que tem outra crença, e por isso querem retirar as cruzes de diversos locais.
Esta é  opinião de um Padre:
Sou Padre católico e concordo plenamente com o Ministério Público de São Paulo, por querer retirar os símbolos religiosos das repartições públicas…
Nosso Estado é laico e não deve favorecer esta ou aquela religião.
A Cruz deve ser retirada!
Aliás, nunca gostei de ver a Cruz em Tribunais, onde os pobres têm menos direitos que os ricos e onde sentenças são barganhadas, vendidas e compradas.
Não quero mais ver a Cruz nas Câmaras legislativas, onde a corrupção é a moeda mais forte.
Não quero ver, também, a Cruz em delegacias, cadeias e quartéis, onde os pequenos são constrangidos e torturados.
Não quero ver, muito menos, a Cruz em prontos-socorros e hospitais, onde pessoas pobres morrem sem atendimento.
É preciso retirar a Cruz das repartições públicas, porque Cristo não abençoa a sórdida política brasileira, causa das desgraças, das misérias e sofrimentos dos pequenos, dos pobres e dos menos favorecidos.”
Mas depois que retirarem as cruzes ficaram os pregos, e vão saber que ali havia um crucifixo, não significa que ali tem uma cruz, e por isso é um lugar de culto, é por que o povo é católico, nosso país é católico, e como os muçulmanos devemos proteger a nossa cultura de fé.
E como fica as escolas com nome de santos? Vão fechar as escolas?Então os feriados como Natal e Ano Novo deveram ser abolidos, o Cristo Redentor será arrancado com crueldade do corcovado, e apenas restaram memórias de tudo isso. 
Por que tirar a cruz dos hospitais, das repartições públicas, das delegacias, cadeias, dos quartéis, dos tribunais, e de outros lugares citados pelo padre, a cruz nestes lugares significa amor a Deus e ao próximo mesmo se inimigo, solidariedade, justiça, misericórdia, paz.
Mas nós como Católicos devemos continuar a mostrar o rosto de Cristo, devemos lutar pela nossa fé até o fim. Tirem o crucifixo, e ficará o prego.
Postado por: Maurilia

Dom Remídio José Bohn é o novo bispo da Diocese de Cachoeira do Sul


Pe. Rudinei recepcionando Dom Remídio

Nesta quarta-feira, 28, o papa Bento XVI nomeou o novo bispo da Diocese de Cachoeira do Sul. Dom Remídio José Bohn vai substituir Dom Irineu Silvio Wilges, de 75 anos, que teve a renúncia aceita pelo papa devido à idade e de acordo com o código  de direito canônico.

O novo bispo já está em Cachoeira do Sul acertando com detalhes com Dom Irineu. A data de posse ainda não foi definida.

Saiba um pouco mais sobre o novo bispo

Dom Remídio José Bohn tem 61 anos e é natural da cidade de Feliz. Estudou filosofia no seminário de Viamão e teologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Foi nomeado Bispo Auxiliar de Porto Alegre, em 18 de janeiro de 2006, pelo Papa Bento XVI. A ordenação episcopal ocorreu na Catedral Metropolitana de Porto Alegre, em 17 de março de 2006.

No dia 20 de abril de 2011 foi empossado por Dom Dadeus Grings como vigário episcopal do Vicariato de Guaíba. Durante a 49ª Assembleia dos Bispos do Brasil em Aparecida do Norte, no dia 10 de maio de 2011, foi eleito secretário do Regional Sul-3 da CNBB.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Semear





Dona Angélica era professora. Residia em uma pequena cidade e dava aulas numa vila próxima.
Não era considerada uma pessoa equilibrada em razão do seu comportamento, que parecia um tanto esquisito.
 Os alunos da escola de primeiro grau tinham-na como uma pessoa muito estranha.
Eles observavam que a professora, nas suas viagens de ida e volta do lar à escola, fazia gestos e movimentos com as mãos, que não conseguiam entender, e por esse motivo, pensavam que ela era meio fora do juízo.
Pela janela do trem, dona Angélica fazia acenos como se estivesse dizendo adeus a alguém invisível aos olhos de todos.
As crianças faziam zombarias, criticavam-na, mas ela não sabia, pois os comentários eram feitos às escondidas.
Todos, inclusive os pais e demais professores, achavam que ela era maluca, embora reconhecessem que era uma excelente educadora.                                                                                   
Os anos se passavam e a situação continuava a mesma.
Várias gerações receberam, da bondosa e dedicada professora, ensinamentos valiosos e abençoados.
Dona Angélica era uma pessoa de boas maneiras, calma e gentil, mas não muito bem compreendida.
Envelhecia no exercício do dever de preparar as crianças para um futuro melhor, com espírito de abnegação e devotamento quase maternal.
Certo dia em que viajava para sua querida escola, com diversas crianças na mesma classe do trem, movimentava, como sempre, as mãos para fora da janela.
Os alunos sentados na parte de traz sorriam maliciosamente quando Alberto, seu aluno de dez anos, sentou-se ao seu lado e, com ternura lhe perguntou:
- Professora, porque você insiste em continuar com essas atitudes loucas?
- Que deseja dizer, filho? Interrogou surpresa, a bondosa senhora.
- Ora, professora - continuou ele, - você fica abanando as mãos para os animais ou... Isso não é loucura?
A mestra amiga compreendeu e sorriu. Sinceramente emocionada, chamou a atenção do aluno, dizendo:
- Veja minha bolsa - e apontou para a intimidade do objeto de couro forrado.
- Nota o que há aí dentro?
- Sim - respondeu Alberto.
- Eu vejo que há algo aí, mas o que é isso?
A professora respondeu calmamente:
- É pólen de flores. São pequenas sementes...
- Há quase vinte anos eu passo por este caminho, indo e vindo da escola.
A estrada, antes, era feia, árida, desagradável.
- Eu tive a idéia de embelezá-la, semeando flores.
Desse modo, de quando em quando, reúno sementes de
belas e delicadas flores do campo e as atiro pela janela...
- Sei que cairão em terra amiga e, acarinhadas pela primavera, se transformarão em plantas a produzirem flores, dando cor e alegria à paisagem.
- Como você pode perceber a paisagem já não é mais árida.
Há flores de diversos tipos e suave perfume que a brisa se encarrega de espalhar por 
todos os lados.                                                                                                                   
(Retirado e adptado do livro infantil "O Semeador")
                                                                                                                   
Na vida, todos somos semeadores... Uns semeiam flores e descobrem belezas, perfumes e frutos. Outros semeiam espinhos e se ferem nas suas pontas agudas. Ninguém vive sem semear, seja o bem, seja o mal... Felizes são aqueles que, por onde passam, deixam sementes de amor, de bondade, de afeto... Por isso comece hoje mesmo a semear o bem, o amor... Pois, quem planta coisas boas receberá frutos melhores ainda. Mas lembre-se, não adianta somente plantar e esperar os frutos, é preciso regar os cultivos e assim desfrutar das belas flores e frutos que você plantou!


Fonte: catolicos.em.rede.vilabol.uol.com.br

Postado por: Bruno Trindade

Véspera de Natal para celebrar o verdadeiro sentido da data



Quem teve a oportunidade de ir até o Lar Transitório de Cachoeira do Sul na tarde do último sábado, 24, pode valorizar a importância que gestos simples representam para as pessoas. Os jovens do CLJ São José foram até o local para levar as doações que foram arrecadas durante a Serenata de Natal. 

Os bens materiais, no entanto, não foram tão significativos para as crianças que habitam o Lar. O que mais deram valor foi à atenção dispensada a eles durante a uma hora em que o jovens estiveram lá. Músicas do CLJ e outros hits do momento foram tocadas. Os habitantes do Lar ficaram radiantes. O sorriso deles, sem dúvida, foi um presente de Natal para todos.

À noite foi o momento de comemorar o aniversário de Jesus. Pelo segundo ano consecutivo, o movimento foi responsável pela liturgia e animação da missa de Natal da paróquia. A harmonia dos instrumentos em conjuntos com as vozes deixou a noite um tanto emocionante.





Além da música, o pessoal também ficou responsável pela encenação. O teatro do evangelho fugiu do habitual pois foi atualizado. Dessa forma, foi possível fazer com que as pessoas reflitam que a história do nascimento de Jesus Cristo ocorre todos os dias nas favelas de nossa sociedade.


domingo, 25 de dezembro de 2011

Mensagem de Natal do Papa


Cidade do Vaticano, 25 dez (EFE).- O papa Bento XVI disse neste domingo que o "grande pecado" dos homens é agir de maneira presunçosa e competir com Deus, ao tentar ocupar seu lugar e decidir o que é bom e o que é ruim.
Diante de milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro em uma manhã ensolarada e fria, o pontífice pronunciou a tradicional mensagem de Natal, na qual repassou a situação no mundo e pediu o fim da violência na Síria, "onde já se derramou muito sangue".
Neste dia de Natal, o papa, de 84 anos, afirmou que Jesus veio ao mundo para salvar o homem de todos os tempos.
"Jesus foi enviado por Deus para nos salvar desse mal profundo, enraizado no homem e na história, que é a separação de Deus, o pretensioso orgulho de agir por si só, tentar competir com Deus e ocupar seu lugar, decidir o que é bom e o que é ruim e ser o dono da vida e da morte", afirmou.
Bento XVI acrescentou que esse é "o grande mal, o grande pecado", do qual os homens não podem se salvar de outra maneira senão se aproximando de Deus.
Essa salvação também foi pedida para todas aquelas pessoas que vivem em situações difíceis e para os "que não têm voz".
"Que o Senhor socorra a humanidade afligida por tantos conflitos que ainda hoje ensanguentam o planeta. Que conceda a paz e a estabilidade à terra (o Oriente Médio) na qual escolheu para entrar no mundo, estimulando o reatamento do diálogo entre israelenses e palestinos", ressaltou.
Nesse percurso pelo mundo implorou a Deus a cessação da violência na Síria, "onde já se derramou muito sangue", que favoreça a plena reconciliação e a estabilidade no Iraque e no Afeganistão e que dê um renovado vigor à construção do bem comum em todos os setores da sociedade nos países do norte da África e o Oriente Médio.
Bento XVI também pediu auxílio para os povos do Chifre da África, "que sofrem pela fome e a carestia, às vezes agravada por um persistente estado de insegurança" e exortou a comunidade internacional a ajudar os muitos refugiados desta região, "tão duramente afetados em sua dignidade".
O papa implorou consolo para a população do sudeste asiático, especialmente da Tailândia e Filipinas, que se encontram ainda em graves situações devido às recentes inundações.
Também defendeu o diálogo e a colaboração em Mianmar, a estabilidade política nos países da região africana dos Grandes Lagos e o fortalecimento do compromisso dos habitantes do Sudão do Sul para proteger os direitos de todos.
"Voltemos nosso olhar à gruta de Belém: o menino que contemplamos é nossa salvação. Ele trouxe ao mundo uma mensagem universal de reconciliação e de paz. Abramos nossos corações a ele e demos as boas-vindas à sua presença em nossas vidas", afirmou Bento XVI.
A mensagem seguiu a mesma linha da homilia pronunciada na noite passada durante a Missa do Galo, na qual pediu a paz no mundo e implorou a Deus que "demonstre seu poder" e atire ao fogo "as varas do opressor, as túnicas cheias de sangue e a botas dos soldados".
O pontífice avaliou que o Natal se transformou em um uma "festa do comércio", cujas luzes escondem o mistério da humildade de Deus, que nos convida à humildade e à sutileza.
O papa exortou os fiéis a celebrar o Natal renunciando à obsessão "pelo que é material, mensurável e tangível" e pediu por todos aqueles que "têm que viver o Natal na pobreza, na dor, na condição de emigrantes, para que apareça diante deles um raio da bondade de Deus".
Após a mensagem deste domingo, o papa deu a bênção "Urbi et Orbi" (à Roma e a todo o mundo) em 65 idiomas, entre eles espanhol, português e guarani.

Texto extraído do site do Yahoo.


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Mensagem de Natal do CLJ São José




Natal é tempo de reflexão, de oração, de solidariedade, e acima de tudo de esperança. Esperança porque é tempo de vida nova, vida essa que vem da inocência de uma criança que nasceu há mais de dois mil anos e marcou para sempre a humanidade.

Apesar de sabermos de tudo isso, muitas vezes nesta época do ano ficamos tão preocupados com as compras, tão ansiosos com as reformas, tão inquietos em escolher os presentes que nos esquecemos do verdadeiro sentido do Natal. O mundo que transformou a data cristã em comércio tenta nos afastar do menino Jesus e nos faz venerar uma figura barbuda que costumamos chamar de Papai Noel. Mas que pai é esse que não nos dá nada? Valorizamos tanto esse homem que esquecemos o nosso verdadeiro pai. Aquele que nos deu vários presentes. O maior deles, o seu próprio filho, veio salvar a humanidade.

Entretanto, o que fazemos com esse presente? Nada. No dia do aniversário dele, o trocamos pelo Papai Noel, pela fartura nas mesas, pelas bebidas. Nosso pai deve ficar muito triste com tudo isso. Mas tu podes mudar essa realidade. Reflita, reze, ajude seus irmãos.  Se reúna com a família, abrace e beije seus filhos, paisE amigos... Deixe um pouco os presentes de lado. O maior presente que tu podes dar aos que ama, é demonstrar esse amor. Sentimento esse que não é substituído por bens materiais.  Dessa forma singela, tu vais alegrar o nosso pai e presentear Jesus Cristo. Ele mesmo que nos ordenou: “Amai-vos uns outros assim como eu vos amei”.

Os jovens do CLJ São José desejam que neste Natal tu demonstres o amor que sentes pelos teus irmãos. Que Deus derrame benções sobre tua família. Que 2012 seja um ano de muito amor, pois o amor supera todas as dificuldades.

Feliz Natal!
Feliz Ano Novo!

São os mais sinceros votos do jovens do CLJ São José, SHALOM!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Serenata de Natal movimenta jovens na noite de domingo





Levar o verdadeiro sentido do Natal às famílias dos jovens do CLJ São José. Esse foi o objetivo da serenata de  Natal realizada pelos membros do movimento no último domingo, dia 18. A caravana pelas casas do pessoal iniciou por volta das 19 horas e se estendeu até as 23h30 percorrendo diversos pontos de Cachoeira do Sul.

Acompanhados de José, representado pelo Taylor, e Maria, representada pela Bibiana, os jovens cantavam duas músicas em casa residência e, além disso, pediam doações de alimentos, brinquedos ou roupas que serão revertidas para o Lar Transitório de Cachoeira do Sul.

A maior recompensa do trabalho realizado foi, sem dúvida, a satisfação das famílias em receber o pessoal. Em sua maioria, as visitas foram surpresa.

Essa foi a segunda vez que o CLJ São José realiza uma serenata. A primeira ocorreu no Dia das Mães.

Confira abaixo o registro de uma das visitas:



Postado por Emilin Grings

Levar Cristo à Internet

Diretor de comunicação do Patriarcado de Lisboa falou aos bispos no Rio de Janeiro

“A internet faz com que bilhões de imagens apareçam em milhões de écrans de computadores no planeta inteiro. Desta galáxia de imagens e sons emergirá o rosto de Cristo e ouvir-se-á a sua voz?”
Essa questão foi colocada pelo diretor do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais da Conferência Episcopal Portuguesa, padre António Rego, que nessa quarta-feira apresentou o tema “Pessoa digital: transformações antropológicas na sociedade da informação”, no I Seminário de Comunicação para os Bispos do Brasil (SECOBB), que acontece até este sábado no Rio de Janeiro.
Segundo o sacerdote, promover que se veja o rosto e ouça a voz de Cristo na internet favorecerá fazer deste espaço algo autenticamente humano, “porque se não houver lugar para Cristo não haverá lugar para o homem”, disse.
Durante sua conferência aos 62 bispos presentes no evento no Rio de Janeiro, padre António destacou que já o Concílio Vaticano II quis imprimir à comunicação um tom humano, o único que se enquadra na nossa dignidade e vocação.
Por isso o Concílio utilizou a expressão “meios de comunicação social”. Com o homem no centro. É o homem que se comunica, enfatizou.
O sacerdote recordou que Bento XVI, em 2010, afirmou que a tarefa de quem opera nas mídias, como consagrado, é aplainar a estrada para novos encontros.
É preciso assegurar sempre a qualidade do contato humano, e a atenção às pessoas e às suas verdadeiras necessidades espirituais, oferecendo às mesmas, nessa nova era digital, os sinais necessários para reconhecerem o Senhor, comentou.

Postado por: Maurilia
Fonte: http://www.zenit.org/

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

HORÓSCOPO: Qual é o seu signo?


   [...] Primeiramente temos que diferenciar Astrologia de Astronomia, pois muitos pensam que é a mesma coisa. Astronomia é ciência e muito antiga por sinal. Já nos tempos antes de Cristo se estudava os movimentos dos corpos celestes com finalidades práticas ou religiosas. No século XVI, Kepler, Galileu e Copérnico estabeleceram as bases da Astronomia clássica e graças a essa ciência, hoje sabemos a distância precisa e a relação entre a Terra e outros planetas do sistema solar. Sabemos também da existência de outras galáxias, da ocorrência de eclipses, passagens de cometas, enfim de tudo que acontece no espaço sideral. Isto é Astronomia e é ciência.
   Vejamos agora a Astrologia. A Astrologia propõe-se em particular, a predizer o futuro de cada pessoa em função da posição dos astros no momento do seu nascimento. Só que já começa errado, pois os signos do Zodíaco correspondem aos nomes das constelações com as quais coincidiam há mais de 2000 anos. Como todo o universo está em constante movimento, a posição dos planetas hoje já não é a mesma daquela época. Segundo cálculos atuais, existe uma defasagem entre um signo e outro de pelo menos uma unidade. Sendo assim, quem nasce hoje sob o signo de Áries, na verdade seria de Peixes, quem nasce na de Gêmeos seria Touro e assim por diante. Isto sem falar que existe ainda uma décima terceira constelação localizada entre Escorpião e Sagitário batizada de Ofícuo ou serpentário e que não é levada em conta no Zodíaco.De qualquer forma, Astrologia seria o estudo das influências dos astros nos acontecimentos da Terra, sobretudo no destino das pessoas, grupos ou nações. Isto começou a acontecer porque os antigos perceberam que os ciclos naturais dos dias e das noites até das estações do ano estavam associados a acontecimentos no céu. Como os antigos tinham uma visão de mundo mítica, acreditavam que o destino do homem também estava sujeito a estes acontecimentos.É exatamente aí que a Astrologia deixa de ser ciência e passa a ser apenas arte divinatória sem o menor fundamento. Pois, se não vejamos:
   Se o pressuposto da Astrologia é a influência dos astros sobre as pessoas, por que essas influências só acontecem a partir do nascimento? Lembrem-se, o signo de cada pessoa é determinado conforme a data do seu nascimento. Não deveria ser a da concepção? Ou será que o ventre materno funcionaria como uma espécie de proteção impedindo essas forças de agirem? Seria ridículo pensar isto, pois sabemos que o feto sente desde os primeiros meses, os estímulos externos. Isto derruba completamente a base teórica da Astrologia. [...]       
   Deveríamos sim, resgatar o verdadeiro signo que recebemos de Deus, desde o dia em que fomos convidados a existir neste mundo. Estou falando do signo da Santíssima Trindade ou seja, eu existo por obra e influência do Pai, do Filho e do Espírito Santo. E basta.

 Texto de: Romildo Ribeiro de Almeida
Psicólogo e parapsicólogo



se alguém perguntar, este é o signo: Santíssima Trindade

Fonte: catolicos.em.rede.vilabol.uol.com.br

Postado por: Bruno Trindade

sábado, 17 de dezembro de 2011

O Menino Jesus e o Papai Noel

                                              
  

    Papai Noel, nossas crianças precisam de símbolos, de histórias, do “faz-de-conta”, além de contos de fada, etc. Você, Papai Noel, veio do norte europeu, tinha o nome de São Nicolau, andava distribuindo presentes. Todavia você sabe que as coisas mudaram, na verdade, no passado você representou o Pai que nos deu seu Filho. Precisamos da paternidade. 
     Hoje, Papai Noel, você não representa mais nada disso. Sei que esta conversa não vai lhe agradar e, por isso, peço desculpas já antecipadamente. Sim, no Natal, o centro é uma criança pobre, humilde, sem teto, desalojada, na periferia, cheirando esterco. “Um Menino nos foi dado” (Is 9,5). O aniversariante, o dono da festa é Jesus nascido em Belém, “cidade do pão”, ou seja, da partilha, da solidariedade.
    Você, Papai Noel, veio do comércio, do mercado, é um marqueteiro do consumismo, um sedutor de crianças, porta-voz das vitrines e compras. Ninguém, Papai Noel, é contra a festa, os presentes, a alegria. Mas nossas crianças acabam esquecendo o Menino que colocou a criança no centro de seu reino. Elas, hoje, são fascinadas pelo consumismo e com voracidade viverão seu futuro como escravas da moda, das compras e do desperdício. Jesus foi desalojado e as lojas endeusadas. Desde aquele tempo até hoje, Deus foi despejado, excluído, abandonado: “Não havia lugar para eles.” (Lc 2,7)
   Que pena! Muita gente não acredita mais em nada, nem no Menino e muito menos em você, Papai Noel. Nosso Natal cristão virou feriadão. Apagam-se as luzes da fé e acendem-se as do comércio. O Velho matou o Menino. É verdade que temos gestos lindos de solidariedade, encontros familiares, celebrações litúrgicas. Eis o Natal com Jesus, com o aniversariante, com Maria, José, os anjos, os pastores, os magos. Estes últimos abandonaram suas riquezas, horóscopos e adoraram Jesus. Encontraram o verdadeiro caminho: o Menino e sua Mãe. 
    Papai Noel, você não precisa desaparecer. Mas precisa mudar. Reconhecemos que você faz gestos humanitários nos hospitais, nas fábricas, etc. Faça como o velho Simeão no templo e ajude-nos a dar o Menino Jesus para as crianças. Que o Menino seja conhecido, amado e seguido. Natal é a historia de uma gravidez não abortada, é uma festa de fé, esperança e amor que todos os domingos é celebrada na liturgia.
    Natal é festa da encarnação, da salvação, da partilha, da solidariedade. Nasceu o Príncipe da Paz. Seu trono é fundado na justiça e no direito. O Menino de Belém, com Maria e José, abençoem e nos confirmem no verdadeiro espírito de Natal. Com hinos de glória a Deus nas alturas e com gestos de paz, nos tornaremos mais humanos, alegres, verdadeiros, sensíveis, solícitos e bons. Depois que Jesus veio não podemos viver num mundo sem Jesus e numa sociedade pós-humana. Vamos renascer neste Natal, recuperar o que foi perdido e reencantar-nos pelo Menino.

 Dom Orlando Brandes Arcebispo de Londrina 
 Retirado de : Catequisar.com.br

Postado por : Gustavo

  

Aproxima-se o Natal

     Aproxima-se a festa do Natal. Para os que têm fé, Natal é a chegada feliz de Deus que vem a nosso encontro para nos fazer irmãos e nos ensinar os caminhos do bem. Veio na frieza da noite para acender em nós o fogo do amor e nos fazer irmãos. Veio pobre para nos dar a riqueza de Deus. Os anjos iluminaram a noite e trouxeram a mensagem do céu: “Nasceu hoje para vós o Salvador” (Lc 2, 10). Isto era  o Natal...
    Infelizmente hoje o Natal é festa comercial: vende-se muito e desperta-se a necessidade de comprar. A festa atual é do comércio. Perdeu-se o clima da reunião da família, em que as crianças se alegravam com seus pequenos presentes: bolas, bonecas, carrinhos. Tudo simples e familiar, recordando a chegada de Deus-Menino nos braços de Maria.
     Entre as cenas tão lindas da chegada de Jesus, de que São Lucas nos dá noticia, uma tem especial sentido para as pessoas idosas. A lei mosaica determinava que o primogênito recém-nascido fosse levado ao templo de Jerusalém para ser resgatado por um casal de pombos. José e Maria levaram o Menino ao templo, cumprindo o preceito da lei antiga.
   Ali, no momento da oferta, estava providencialmente presente um ancião a quem Deus prometera que haveria de contemplar, na altura de seus vividos anos, o esperado Salvador da humanidade. Por isto tomou nos braços cansados o Menino de quarenta dias e louvou a Deus por terem seus olhos tido a alegria de contemplar o rosto dAquele  que era esperado já há séculos.
   Sob a brancura dos cabelos, olhos úmidos de alegria incontida, os braços se erguem com a Criança e dos lábios brota o hino de ação de graças: “Agora podes deixar partir este teu servo porque meus olhos já cansados puderam contemplar nesta Criança a salvação que vem de Deus.
   É assim que se espera o Natal e assim que se celebra esta festa. É no encontro com o Salvador que sentimos a felicidade de nossa vida. Natal é festa de amor para todos: para os velhos cansados da vida, há um reconforto de esperança; para os adultos, a certeza da presença de Deus que veio para ficar conosco; para os jovens, uma ocasião para escolher certo o rumo de seus passos; para os que ainda vão nascer a alegria de ter Deus bem perto de suas vidas inocentes.
     Restabelecer pois a verdade do Natal. Na azáfama das compras, não perder o sentido real da festa da chegada de Deus entre nós.  Moços e velhos, crianças e adultos, temos de preparar-nos para este encontro de salvação, de alegria e de graça com o Menino que nos foi dado na noite de Belém.

Dom Benedicto de Ulhôa Vieira
Retirado de: Catequisar.com.br

Postado por: Gustavo

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Natal


Natal, época maravilhosa, a semana mais esperada do ano pelo comércio, onde é arrecadada uma quantia de dinheiro inimaginável, pois afinal a educação que recebemos foi a de doar presentes no Natal, essa é nossa cultura.
Tenho a certeza de que desde pequenos somos ensinados o verdadeiro sentido do Natal que é o nascimento de Jesus, mas isso deixa de ser importante para muitos quando vêem um Papai Noel à sua frente distribuindo presentes, esse que é inspirado em um velhinho que viveu a muitos anos atrás, São Nicolau, que saia pela rua distribuindo moedas de ouros em forma de presentes, mas isso todos nós já sabemos. Então onde entra o comércio em uma época tão linda?Afinal há nesse período de Natal um aniversário e uma homenagem a uma pessoa que foi muito marcante em sua época, São Nicolau.
Convictamente afirmo de que se o Natal se resumisse a “apenas” o nascimento de Jesus, nosso salvador que não recebe seu devido respeito e valor em época de Natal, o mundo todo não iria parar visando comemorar essa data senão houvesse dinheiro envolvido, pois o mundo gira apenas em torno disso, esse mundo capitalista que vivemos não dá espaços para nós meros cristãos comemorarmos o aniversário de Jesus.
Visando promover algum comércio nessa época a Coca-Cola em uma de suas jogadas de Marketing, cria à algumas décadas atrás o Papai Noel que conhecemos hoje em dia:um velhinho gordo de roupas vermelhas, que se utiliza de um trenó para sobrevoar os céus com suas henas, visando entregar os presentes das crianças (principalmente)  na véspera de Natal.
Você tinha conhecimento desse fato?
Aposto que não, creio que até hoje o seu verdadeiro sentido de Natal era receber e doar presentes, incentivar seu filho a pedir mais e mais presentes para o velhinho da Coca-Cola e ceiar um belo peru da Perdigão.
Não julgo as pessoas que um dia acreditaram que Natal era isso, pois por muito tempo essa era a visão que eu tinha de Natal e essa visão não é errada, se perguntares para alguém qual é a visão mais correta de Natal ela lhe dirá que é esta, por que o mundo lá fora tem essa visão e as pessoas se deixam influenciar e se perdem pelo caminho, perdem a essência do Natal, o mundo quer que nos esqueçamos do homem que nos amou, mais do que tudo, mais do que a própria vida, seu nome: JESUS CRISTO, a verdadeira essência do Natal

O mundo é consumo, é dinheiro, mas lhe peço, por favor, após ler este breve texto, pare um pouco e reflita o verdadeiro sentido do Natal em sua vida, pois Natal também é temo de refletir.

Em quem vale à pena acreditar? Em que você hoje acredita? De quem você lembra quando falamos em Natal?


   




SHALOM

                                                                   Postado por: Douglas Monteiro

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

NO TEMPO CERTO


Um pai que muito amava seus dois filhos, disse:
"Tudo que vocês me pedirem e eu tiver condições lhes darei".
    Os dias passaram, o mais novo vendo seus amigos jogarem
futebol, pediu ao pai uma bola e, poucos dias depois, o pai lhe
dava o presente tão desejado.
    O mais velho vendo alguns de seus amigos de mais condição
usando um relógio, um dia pediu um relógio de ouro. Os dias
passaram, nada de receber o pedido. Ele pensou: "Nem sempre o
pai atende ao que pedimos, só algumas vezes."
    Semanas se passaram ... meses se passaram ... enfim, anos.
O menino já era um rapaz, não se lembrava mais do pedido de
infância. O pai chegava como de costume em casa, mas naquela
tarde chegou com um embrulho embaixo do braço. Chamou o rapaz e
disse: "Meu filho, há muito tempo você me pediu um relógio de
ouro, mas você era muito jovem. Iria perdê-lo, ou quem sabe
seria roubado. Agora você já pode ter um." O pai entregou um
embrulho com uma caixa e dentro tinha um relógio ... de ouro.
    Como este pai, o Deus Eterno da mesma forma sabe o momento
que podemos e temos condições de usar nosso "relógio de ouro",
o momento que podemos ter o que pedimos, para que o nossos
pedido não se transforme em algo para nos separar dele.
(Autor Desconhecido)

Mateus 21:22  "Se crerem, receberão o que pedirem em oração"

João 15:7 "Se permanecerdes em mim e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito."

Todos os dia, temos a sensação de que por mais que tentemos, por mais que lutemos, nossos objetivos nem sempre são alcançados. As vezes fica aquela sensação de que Deus não escutou aquilo que pedimos.
Mas será que é assim mesmo?
Deus sempre escuta seus filhos, onde quer que eles estejam, o que quer que peçamos ele sempre responde ao que pedimos, o problema é que nem sempre temos a disposição de procurar a resposta de Deus na Sua Palavra, simplesmente usamos a oração como um modo de pedir a Deus aquilo que necessitamos. Lembre-se sempre de Agradecer a Deus pelas suas bênçãos, e sempre que pedir a Deus, procurar as respostas que ele nos da através da Sua Palavra.

Fonte:catolicos.em.rede.vilabol.uol.com.br
Postado por: Bruno Trindade                                                                                                                                                        

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Definida data de realização da Jornada Mundial da Juventude

Última edição do evento ocorreu em Madrid neste ano
Confirmada para ocorrer entre os dias 23 a 28 de julho de 2013, a Joranda Mundial da Juventude (JMJ) vai reunir cerca de 4 milhões de fiéis no Rio de Janeiro. O papa Bento XVI confirmou que ficará hospedado na cidade durante o evento. Essas informações foram divulgadas nesta terça-feira pelo Arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, que participa do Pontifício Conselho para os Leigos, em Roma, na Itália.
O Papa Bento XVI ficará no Rio de Janeiro entre os dias 23 a 28 de julho de 2013 durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). A data foi confirmada nesta terça-feira, 13, pelo Arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, que participa do Pontifício Conselho para os Leigos, em Roma, na Itália.
Segundo a Arquidiocese do Rio, Bento XVI terá uma série de atividades programadas na cidade, entre elas, uma missa que ele vai celebrar especialmente para os jovens. O local da jornada ainda não foi escolhido pela arquidiocese.
LOGOMARCA
O arcebispo também divulgou nesta terça-feira, por meio de seu twitter, que já foi escolhida a logomarca da Jornada Mundial da Juventude 2013. Ainda de acordo com Dom Orani Tempesta, no final de fevereiro de 2012, uma comissão do Pontifício Conselho para Leigos virá ao Rio de Janeiro, para conhecer os possíveis locais onde poderão ser realizadas as atividades do Papa Bento XVI.


Fonte: G1

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Fim de ano repleto de atividades no CLJ São José

Momentos engraçados da reunião: Taylor fazendo embaixadinhas deitado

Há vezes que tenho impressão que o mundo vai acabar a cada fim de ano. Isso porque as pessoas enlouquecem neste período. É um corre-corre atrás de presentes, de comida. Tem gente que pinta ou faz reforma na casa. É confraternização pra cá, festa pra lá.

Entretanto, o mais importante desta época muita gente não vive. Poder refletir o que o advento simboliza, qual a mensagem que o menino Jesus quer nos trazer é privilégio para poucos já que muitos não se deixar pensar sobre isso. No CLJ São José as últimas atividades do ano priorizam o verdadeiro sentido do Natal.

Mais momentos engraçados: Léo e André dançando valsa
No último sábado já começamos a nossa reflexão. Tivemos uma tarde abençoada por Deus. Um momento que começou divertido e terminou com muita paz de espírito. O início da reunião foi de pagação de micos e no final fizemos uma meditação com raízes do Tai chi chuan em que todos puderam se desligar do mundo. Sem dúvida, foi uma das melhores reuniões que já participei.
O Tio Hilton mobilizou todo mundo a rezar o Pai Nosso ajoelhado

E tem mais momentos especiais no próximo fim de semana. No sábado, 17, para além de reflexão haverá muita confraternização também. Serão revelados os amigos secretos. Por isso, cada um deve levar o presente, obviamente, e um prato de doce ou salgado. No domingo, terá serenata de Natal, semelhante a que foi realizada para as mães em maio, que vai passar pelas casas do pessoal do CLJ e do ECC levando a mensagem do menino Jesus e recolhendo alimentos.

Na véspera de Natal, a missa será do CLJ e contará com animação especial e teatro do evangelho. Como eu disse, o fim de ano será de muitas emoções.



Postado por Emilin Grings

sábado, 10 de dezembro de 2011

João Batista, o profeta do Advento

     Uma das grandes estrelas das narrações do Advento e do Natal, João Batista. Consideremos juntos alguns detalhes da vida de João e vejamos por que é tão bom modelo para nós. João Batista não tem travas na língua. Dizia o que pensava e o que precisava. Hoje nos dirigirá palavras igualmente cruas: tocarão diretamente os pontos fracos das nossas vidas. João Batista pregava o arrependimento com credibilidade porque antes amava a Palavra de Deus, que havia escutado no coração de seu próprio deserto.
      Escutou, experimentou e viveu a palavra libertadora de Deus no deserto. Sua eficácia no anúncio desta palavra se devia ao fato de que sua vida e sua mensagem eram uma só coisa. A incoerência é uma das coisas mais desalentadoras que temos de enfrentar em nossas vidas. Quantas vezes nossas palavras, nossos pensamentos e nossos gestos não são coerentes! Os verdadeiros profetas de Israel nos ajudam a lutar contra toda forma de incoerência. 
     Ao longo de toda a história bíblica, os líderes e visionários foram ao deserto para ver com mais clareza, para escutar com atenção a voz de Deus e descobrir outras maneiras de viver. A palavra hebraica para dizer deserto, «midvar», deriva de uma raiz semítica que significa «levar o rebanho ao pasto». «Eremos», a palavra grega utilizada para traduzir «midvar», indica um lugar desolado, pouco povoado, e em seu sentido mais estrito, um terreno abandonado ou deserto.
     O termo «deserto» tem dois significados diferentes, mas ligados, que fazem referência a algo selvagem e intrigante. Foi precisamente esta dimensão de desconhecido (intrigante) e descontrolado (selvagem) que levaram ao atual termo «deserto». 
     Mas há também outra maneira de compreender o sentido da palavra «deserto». Uma análise atenta da raiz da palavra «midvar» revela a palavra «davar», que significa palavra ou mensagem. A noção hebraica de deserto é, portanto, um lugar santo, no qual é possível escutar, experimentar, viver em liberdade a Palavra de Deus. Vamos ao deserto para escutar a Palavra de Deus, de uma maneira desapegada e completamente livre.
      O Espírito de Deus permitiu que os profetas experimentassem a presença de Deus. Deste modo, eram capazes de compartilhar as atitudes, os valores, os sentimentos e as emoções de Deus. Este dom lhes permitia ver os acontecimentos de sua época como Deus os via e ter os mesmos sentimentos de Deus diante deles. Compartilham a cólera de Deus, sua compaixão, sua pena, sua decepção, sua repulsa, sua sensibilidade pelas pessoas e sua seriedade. Não viviam estas experiências de maneira abstrata, mas animados pelos mesmos sentimentos de Deus diante dos acontecimentos concretos de sua época.
     João Batista é o profeta do Advento. Com freqüência é representado apontando com o dedo Aquele que deve vir, Jesus Cristo. Se, seguindo o exemplo de João, preparamos o caminho do Senhor no mundo de hoje, nossas vidas se converterão também em dedos de testemunhas vivas que mostram que é possível encontrar Jesus, e que está perto. João ofereceu às pessoas de sua época uma experiência de perdão e de salvação, sabendo muito bem que não era o Messias, o que podia salvar. Permitimos aos demais que façam a experiência de Deus, do perdão e da salvação?
      João Batista veio para ensinar-nos que há um caminho que nos tira das trevas, da tristeza do mundo e da condição humana, e este caminho é o próprio Jesus. O Messias vem para salvar-nos das forças das trevas e da morte, e nos leva pelo caminho da paz e da reconciliação para que voltemos a encontrar nosso caminho para Deus. 
      O teólogo jesuíta Karl Rahner, hoje falecido, escreveu em uma ocasião: «Temos de escutar a voz do que nos chama no deserto, ainda que reconheça: não sou o Messias. Não podeis deixar de escutar esta voz ‘porque não é mais que a voz de um homem’. Do mesmo modo, vós tampouco podeis deixar de lado a mensagem da Igreja porque a Igreja ‘não é diga de desatar a correia das sandálias de seu Senhor, que a precede’. Nós nos encontramos, de fato, ainda no Advento».
        Talvez não tenhamos o luxo de viajar ao deserto da Judéia, nem o privilégio de fazer um retiro de Advento no deserto do Sinai. De qualquer forma, podemos certamente encontrar um pequeno deserto no meio das nossas atividades e do barulho da semana. Vamos a esse lugar sagrado e deixemos que a Palavra de Deus nos interpele, que nos cure, que volte a orientar-nos, a levar-nos ao coração de Cristo, de quem esperamos a vinda neste Advento.

Retirado do site: http://www.catequisar.com.br/texto/materia/celebracoes/advento

Postado por : Gustavo

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Os fracos condenam, os fortes perdoam

Depois de Jesus ter exaltado a pessoa de João Batista, agora Ele se volta para a multidão e lhe dirige uma pequena e rústica parábola das crianças nas praças. O Senhor reconhecia nesse santo um profeta que abria novos caminhos em face da rígida e opressora religião do Templo de Jerusalém e das sinagogas. Jesus se fez discípulo de João, recebendo seu batismo e, depois, Ele próprio inicia Seu ministério com o mesmo anúncio do Batista: “Arrependei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”.
Na elementar parábola narrada por Cristo, um grupo de crianças tenta se comunicar com outro [grupo] com brincadeiras de alegria ou tristeza, porém, o outro grupo as rejeita. Então, o próprio Jesus passa a explicá-la.
João Batista fez seu anúncio da conversão de maneira austera, nas regiões desérticas do Jordão, e foi acusado de “ter um demônio”. Jesus, por sua vez, anunciando a chegada do Reino dos Céus de maneira simples e comum, no meio do povo, comendo com os pecadores e publicanos, é chamado de “comilão e beberrão”.
Os chefes religiosos, que veem em João e em Jesus uma ameaça ao seu poder, procuram difamá-los diante do povo. Porém, o povo excluído e oprimido reconhece a sabedoria da mensagem de Jesus e a recebe com alegria e esperança.
Mas que gente difícil aquela, a quem Jesus fora enviado! Eles haviam recusado a sabedoria de Deus, que primeiro se apresentara no ascetismo de João e depois a condescendência do Senhor para com os pecadores e excluídos de Seu tempo. Corremos o risco de afirmar isso sobre aquela gente do tempo de Jesus. Não será que Cristo nos está dirigindo também a mesmíssima mensagem?

Vivemos tempos muito fortes em críticas, muitas vezes, infundadas, sem pé nem cabeça. E, como ontem, Jesus continua insistentemente nos dizendo: “Com quem vou comparar esta geração?” Ele se apresentou aos homens com uma nova mensagem: mensagem do amor, da paz, da justiça, da partilha, da solidariedade, da reconciliação e, sobretudo, da misericórdia. Mas não foi compreendido e acolhido.
Só os simples, os humildes, os disponíveis, os amigos da verdade a Ele aderiram, reconhecendo n’Ele o ponto de chegada de toda a Lei e os profetas. Os outros, principalmente os chefes do povo, puseram-se contra Ele e O rejeitaram. Todavia, por ser forte, soube compreender os fracos e os reerguer, dando-lhes uma nova dignidade de viver entre os irmãos. Se, quando fracos, condenavam os outros, agora, fortalecidos por Cristo e com Cristo, eles devem perdoar para que permaneçam sempre fortes. Já que os fracos condenam e os fortes perdoam.
Peçamos a Jesus que nos ensine a perdoar para sermos a geração dos fortes, a fim de suportarmos as fraquezas dos mais débeis, como nos ensina São Paulo. Que saibamos suportar os sofrimentos e, neles, descubramos o mistério da cruz de Cristo, que é a fonte da nossa salvação.
Padre Bantu Mendonça

Postado por: Maurilia

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sorteio do amigo secreto do CLJ São José será neste sábado


De praxe nesta época, a brincadeira do amigo secreto é uma maneira barata de confraternizar em que ninguém sai de mão abanando. Por isso, faz parte da programação de fim de ano do CLJ São José a realização da troca de presentes.

O sorteio dos nomes ocorrerá neste sábado, 10. Portanto é imprescindível que todos compareçam para poder participar da brincadeira. A troca de presentes será na festa de encerramento do CLJ. A data e o local onde será realizada a confraternização também serão definidas no sábado.

Dia de Nossa Senhora da Conceição


D. João IV, Rei de Portugal, declarou, no ano de 1646, Nossa Senhora da Conceição como padroeira de seu reino, tornando o seu culto permanente.
O dogma da Imaculada Conceição foi definido pelo Papa Pio IX em 8 de dezembro de 1854 pela bula Ineffabilis. Pelo dogma, foi consolidada formalmente a pureza da mãe de Jesus e a sua concepção sem pecado.
No Brasil é tradição montar a árvore de Natal e enfeitar a casa no dia 8 de dezembro. Em Cachoeira do Sul, Nossa Senhora da Conceição é padroeira do Município (o que remete às suas origens portuguesas), motivo do feriado municipal de 8 de dezembro, sendo por isto o primeiro dia de atividades da Semana de Cachoeira.


 RETIRADO DE: http://historiadecachoeiradosul.blogspot.com
                                                                     
                                                                POSTADO POR: Douglas Monteiro