terça-feira, 31 de agosto de 2010

“ESSA TAL FELICIDADE!”

Praticamente todos os dias e por toda a nossa vida, estamos em busca desta “tal felicidade”. Mas ao contrário do que parece, ao contrário do que a sociedade contemporânea nos diz, quem só se preocupa com a diversão, com o ter, o poder e o prazer não tem a encontra, talvez até tenha e viva alguns momentos “alegres” ou alguns momentos “felizes”, mas isso não é felicidade.

Inclusive a Felicidade ensinada por Aristóteles, não se esgota no prazer, ou seja, na “eudaimonia” (transliteração da palavra grega felicidade). A felicidade é entendida como o maior bem do homem e identifica-se com o viver bem e o fazer o bem.

Observe! “Fazer o bem” nos torna mais feliz... E prova disso nos temos nas quintas-feiras quando vamos ao hospital (HCB) com o“Projeto Sorriso Grátis” coordenado pelos jovens do CLJ e constatamos que os jovens fazem as crianças, os funcionários e os pacientes muito mais felizes e isso também os deixa felizes, afinal “fizeram o bem”.

Para se entender melhor o que é a felicidade, importa saber o que é uma vida feliz. Para Aristóteles, "a vida feliz parece ser uma vida que se exprime em virtude (que representa a disposição geral e constante do espírito para a prática do bem), a qual é uma vida que envolve ações sérias e não consiste só na diversão (totalmente ao contrário do que a sociedade contemporânea nos oferece). Para, além disso, dizemos que as coisas sérias são melhores do que as que proporcionam divertimento, e que, em qualquer caso, a atividade da melhor parte e da melhor pessoa é mais séria e excelente; e a atividade que é melhor é superior, e por isso tem mais o caráter de felicidade".

Certamente nós precisamos ser sempre felizes, mas não precisamos estar sempre felizes. Sim, uma coisa é estar feliz (o que não acontece sempre), outra, sê-lo feliz. Na filosofia constatamos que desde a Grécia Antiga, os filósofos estabeleceram essa diferença entre ser e estar feliz. Nós podemos ficar felizes com uma nota boa na escola, ficar felizes com uma surpresa inesperada ou ficarmos felizes com uma mensagem de superação.

Agora, sermos felizes é diferente de ficarmos felizes. Para sermos felizes nós precisamos fortalecer nossa “teia” (conjunto de vinculações e relações que enriquecem o nosso ambiente, conforme nos ensinou o educador João Henrique Pestalozzi, lá pelos anos 1750). Nesse sentido entra a família e principalmente os amigos. Sim, os amigos... Se tu quiseres ser feliz assegure para ti muitos amigos (diferente de conhecidos, parcerias, relações artificiais,...). Conquistem amigos do peito, aqueles em que vocês podem confiar na alegria e tristeza, na saúde e na doença... Mas não esqueçam que para essas conquistas também são necessárias ações práticas... Às vezes até de mudanças radicais em nossas vidas, quando temos que literalmente abandonar tudo aquilo que nos afasta “dessa tal felicidade”... Às vezes se faz necessário jogar muito coisa fora, é preciso limpar as gavetas do coração... Tirar tudo aquilo que nos afasta de Deus... Não esqueça, isso é passado, não nos interessa mais... Se foi interessante por um momento, foi por um momento, agora já não nos interessa mais. Para sermos felizes precisamos de coragem, precisamos deixar o medo para trás e começarmos a transformarmos nossa realidade, começar a aceitar que ela está dentro da gente e em mais nenhum lugar.

Sim! Precisamos começar tendo a certeza de que não queremos mais nossos monstros... (lembram-se daqueles que comentamos na semana passada – DECIDI! QUERO ME LIVRAR DOS MEUS MONSTROS... se não lembra, releia no blog do CLJ). Se quisermos ser felizes temos que ter a coragem de nos afastar de tudo o que nos lembra deles (os monstros)... Todas nossas práticas que nos aproximavam deles, fotos, artigos, depoimentos, cartas, até mesmo hábitos pessoais que adquirimos em função deles, volto-lhes a afirmar, uma boa forma é de juntos os sepultarmos na Capela do Santíssimo Sacramento. Com uma boa orientação podemos deixá-los todos lá para sempre... Sem medos, sem receios, sem pudores, vergonhas... Sim, se quisermos ser felizes não podemos alimentá-los ou conduzi-los pela cordinha... chegou a hora de abandoná-los.

Atente que a “felicidade” que buscamos é no final conseguirmos conjugar o verbo SER muito mais vezes do que o verbo TER. Precisamos entender que as conquistas que nos fazem felizes são aquelas que nos permitem crescer enquanto seres humanos... Para um bom cristão, inclusive, relembra a prática ensinada por Jesus Cristo no Evangelho de São Mateus, no capítulo 25 (onde Ela fala dos que estão com fome, frio, sede, excluído, doente... e tudo que fizermos a eles foi ao próprio Cristo que o fizemos).

Portanto, a felicidade faz parte de nossa essência, podemos transmiti-la a todos que nos cercam e assim desfrutar com maior alegria nossa existência. Então você está esperando o que para fazer o outro mais feliz... de um abraço, mande um depoimento, faça um carinho, um afago, diga-lhe: TU É MUITO IMPORTANTE PARA MIM!

Devemos compreender que a Felicidade é longa para quem consegue entender as pequenas felicidades... Só para exemplificar-lhes no final de semana que passou, os jovens do folclore do CLJ fizeram um “posão” aqui em casa, o cardápio era sem requinte algum (pão com carne e linguiça) as acomodações também (a maioria dormiu em colchões pelo chão), mas foi regado de muita alegria, de oração, de muito carinho, de muito amor, de comprometimento da situação de um e de outro. Eu asseguro a vocês, o nosso final de semana foi muito mais feliz, o qual me faz entender melhor a felicidade. Por isso eu lhes afirmo que são pequenos momentos assim que nos faz muito, mas muito, mais feliz.

É certo que cada um tem que buscar a sua própria felicidade, mas eu lhes garanto que ela está no “SER”, e também lhes digo que ela é possível, e não está longe, está bem dentro de nós (comece livrando-se daquilo que te afasta dela e terás um caminho aberto para alcançá-la).

Volto a Aristóteles, o qual nos assegura que a felicidade é a maior meta do homem. O problema que acontece com a maioria das pessoas e com a nossa sociedade atual (principalmente os jovens) é eles acreditarem que a felicidade tem os roteiros das novelas (sexo, droga, prostituição, promiscuidade, homossexualidade, relações descartáveis...). E com isso passam a vida toda buscando coisas que os deixem felizes... É por isso que temos tantos jovens frustrados, tristes, machucados e infelizes... Eles acreditaram no que a novela (que é ficção e das piores) os propunha... Ficam sem amigos, com o corpo maculado, machucado, tristes, infelizes e com sinais dessa busca infeliz... Olhem para os colegas de vocês e me digam se o que estou escrevendo é algum absurdo, uma mentira... Se eles não confundem “momentos de alegria, de muita bebedeira, orgias e perversão com felicidade”?

Caríssimos, eu lhes asseguro a felicidade está nas coisas mais simples, costumamos muitas vezes ler isso nos textos de reflexão, e é a mais pura verdade. Verifiquem se depois do curso (CLJ) quando vocês fizeram “verdadeiros” amigos, se a sua vida não mudou (para melhor – pois agora você É mais feliz). Observem também, se os que não conseguiram concretizar ou efetivar essas amizades não são aqueles que não perseveraram ou que ainda estão meio perdidos e estão buscando isso em outros lugares.

É obvio que a nossa vida não é sempre um comercial de margarina (tudo maravilhoso, tudo cremoso e tudo de bom), também temos nossos momentos de raiva, de dor, de tristeza, de angustia, de medo... Mas superamos isso tudo, com a presença do outro, no exercício da escuta carinhosa, do ombro amigo, do momento de Capela, nos momentos de reflexão e oração ou em momentos como os que os jovens nos brindaram neste final de semana que passou, durante o “posão”. Foi muito riso, muita amizade, muito carinho, oração e comunhão fraterna, troca de sentimentos e palavras e, eu posso lhes afirmar por mim: “eu estou muito mais feliz”.

Concluindo nossa reflexão de hoje, lembro-lhes ainda do que nos afirma Aristóteles em uma de suas obras: “O homem solitário ou é uma besta ou é um deus.” Por isso é que eu particularmente não gosto da solidão, eu confesso-lhes que preciso de gente perto de mim: gente que sorri, gente que me escuta, gente que me repreende, gente que canta, gente que brinca, enfim, gente que me encanta e me faz feliz.

Pense nisso e SEJA FELIZ!

SHALOM!

· O que eu estou fazendo em busca da minha felicidade?

· Que atos concretos tomei ou devo tomar a partir dessa reflexão?

· O que devo deixar na Capela do Santíssimo Sacramento?

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Más Companhias

"Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes" I Coríntios 15, 33

Tem uma história bem interessante que fala de um fazendeiro, enfrentando problemas com corvos em suas plantações de milho, carregou sua espingarda e rastejou sem ser visto pelo canto da cerca determinado a atirar contra os pássaros em sua plantação. O fazendeiro possuía um papagaio muito "sociável", que fazia amizade com todo mundo. Vendo o bando de corvos, o papagaio voou e juntou-se a eles (apenas sendo sociável, é claro). O fazendeiro viu os corvos mas não viu o papagaio. Ele fez cuidadosa pontaria e atirou! O fazendeiro se levantou por trás da cerca para pegar os corvos caídos, e lá estava seu papagaio, arrepiado, com uma asa quebrada, mas ainda vivo. Ternamente, o fazendeiro levou o papagaio para casa, onde seus filhos o encontraram. Vendo que seu bicho de estimação estava ferido, chorando, perguntaram: "O que aconteceu, Papai?" Antes que ele respondesse, o papagaio falou mais alto: "MÁS COMPANHIAS!"

Um dos grandes motivos de crise no seio de nossas famílias consiste na falta de cuidado em relação às companhias às quais nos associamos... (más companhias) as quais não raramente se transformam ou nos trazem aqueles “monstros” que mais adiante teremos grandes dificuldades de nos livrarmos.

Também, não raramente jovens se enveredam pelas estradas tortuosas desse mundo, adquirindo vícios, doenças, más condutas, que afligem e destroem a vida tranquila do lar justamente pelas más companhias. Existem jovens que pela sua opção equivocada conseguem acabar com a estrutura de sua família. Pense nisso!

É claro que devemos viver em perfeita comunhão com todos. Fazer amigos e amar ao próximo é condição indispensável para uma vida plena e agradável. Mas é preciso que compreendamos que estamos no mundo, mas não somos do mundo. Amamos aqueles que estão no mundo, mas não precisamos fazer tudo que eles fazem.

Lembram? “Jovens sejam do mundo, mas não sejam mundanos!”

A Palavra de Deus nos diz que “nem todas as coisas convêm”. O Senhor nos mandou iluminar o mundo e não deixar-nos apagar por ele. Devemos ser exemplos para melhorar o mundo e não um mau testemunho para levá-lo à perdição.

E você jovem líder cristÃo tem tomado cuidado com suas companhias?

"Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes" I Coríntios 15, 33

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Superação do Sofrimento

Mensagem enviado pelo Diácono Carlinhos aos Jovens do CLJ de Cachoeira do Sul


“Vinde a mim todos que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mt 11, 28-30)

Veja bem! O convite é para todos, indistintamente, sim o convite é para mim, é para você, na verdade ele é principalmente para aquele que está cansado, sobrecarregado, para quem está infeliz e sofrendo. Agora, observe que a expressão é “VINDE A MIM!”, ou seja, existe uma parte que depende da gente: o querer – o aderir – o aceitar – o ir...

Nós recebemos o convite que é “vinde a mim” e, para nós irmos até Ele, precisamos querer, temos que tomar a iniciativa, abrir o nosso coração (Eis que estou à porta e bato. Se abrirdes entrarei e cearei contigo!).

De nada adianta apenas culparmos Deus de nossa angustia, pelo nosso sofrimento, Ele está ali, nos dizendo... “vinde a mim”... Ele aguarda pela tua decisão quando então tornará o teu jugo suave e o fardo leve... lembra da música: “abre bem a porta do teu coração... e deixa a luz do Céu entrar...”

Se você está sofrendo, com ansiedade, irritado, inquieto, infeliz, com dúvidas...

Quer acabar com isso? Deus te dá a resposta e o remédio. Abra o seu coração, mude a direção, basta um passo para o lado, estenda a mão, pegue na mão de quem está perto, daquele que caminha contigo, abandone o sofrimento e venha a Ele... (enquanto isso não ocorrer, a incerteza, a dúvida, a tristeza, será nossa companheira).

Reafirmo, depende de você... o querer... TOME ESSA DECISÃO. DÊ UM BASTA AO SOFRIMENTO, DIGA CHEGA, AGORA VOU SER VERDADEIRAMENTE FELIZ EM CRISTO - repito, basta abrir a porta do seu coração. A não ser que esteja gostando do sofrimento, da infelicidade, da tristeza... Liberte-se de toda tua angústia, toda tua dor, tudo aquilo que dói no teu peito... tira os espinhos, cura as feridas, expulsa teus monstros... Observe que o caminhar sozinho é difícil, é dolorido, é cansativo... há muitas pessoas vivendo de "solidão" no meio de um monte de gente (olhem numa boate por exemplo... será que estáo felizes ou estão alegres?)

Resista à tentação... O diabo é competente e vai fazer tudo que puder para lhe afastar de Deus, vai lhe deixar desestimulado, sem vontade, vai tentar lhe fazer cansado, vai lhe tirar o desejo e o gosto pelas coisas da Igreja...

RESISTA! DIGA NÃO AO DIABO E SIM A DEUS... Crie ânimo, não desista de seus sonhos, de seus projetos e aspirações... Tenha força de vontade, supere a canseira, supere a dor,... Sorria e seja feliz! Diga basta ao diabo e as suas tentações... crie ânimo e seja feliz... DIGA SIM A DEUS!

Comece o dia hoje dizendo... vou fazer exatamente tudo o que Deus me pediu... supere a canseira, os medos, o desânimo... Deus lhe dará a força e o suporte necessário... DIGA! DEUS EU CONFIO EM TI! E VAI...

Sim! É tão simples... BASTA IR A ELE... Ele nos diz: "Sou manso e humilde de coração." Se observamos as Escrituras Sagradas e a história de Jesus, sua vida e sua obra vamos querer experimentar a sua brandura e a sua mansidão... Não conseguimos tirar da cabeça aquilo que está no coração, portanto, quer se livrar de alguma coisa, comece por retirá-la do coração. Se você está sofrendo é porque ainda não aderiu completamente, ainda há alguma coisa para retirar do coração... retire, e seja feliz... (isso faça aquele gesto que vocês jovens gostam de fazer... levantem-se e digam... huuuu ruuuuu.... e vão ao encontro de Deus... dêem um basta).

Se quiser parar de sofrer, basta dar um sim ao projeto de Deus e aderir incondicionalmente a sua proposta... não pela metade... mas por completo, começando pela nossa total libertação, livrando-se de tudo aquilo que por um tempo nos perturbou... Dê um basta... diga, chega de sofrimento. Mas notem bem, isso é para aqueles que querem parar de sofrer, isso não depende de mim... e sim de você... ou seja, é quando eu tomo a decisão de que aquilo não me serve mais, que devo me livrar, me libertar completamente de tudo aquilo que me perturba, não adianta guardar no armário, esconder num canto escuro... quero ter paz, quero dar paz a minha família, aos meus amigos, as pessoas que me amam.

Por causa do fardo, nossa alma fica cansada e nossas condutas fixadas em obstinação têm resistência, ficamos com medo de falar, com angustia, com receio, com vergonha de abrirmos os nossos sentimentos, etc., enfim, tudo aquilo não deixa o nosso coração em paz, tudo aquilo nos deixa intranquilos e sem liberdade... Não tenha medo, vergonha, pudor, receio... vamos entregar tudo isso para Deus... vamos rezar junto ao Santíssimo... ele acalma o mar, ele acalma todo o turbilhão de coisas que nos perturbam.

Observe que ao resistir em sua libertação, sua luta passa ser contra Deus e nossa obra passa agradar a vontade do diabo,tudo isso põe um tremendo fardo sobre o coração, à vida e a alma. Ficamos pesadamente carregados, temos raiva, ódio, ira, surtos, desejos horríveis e vivermos sob esta lida e carga que é tentar viver sob nossa própria vontade e governo. Isso nos afeta, prejudica nossa família que também vive triste e passa sofrer conosco, influi nas nossas relações de amizades, enfim todos aqueles que nos são caros são afetados pela minha decisão. Começa todo mundo que nos ama a sofrer junto com a gente. Jesus Cristo nos convida a sair debaixo desse fardo! Faça uma reflexão... essas pessoas merecem tudo isso? Então diga SIM e vá ao encontro de Deus (Vinde a Mim!).

A inquietação e a indecisão psicológica e espiritual é uma das grandes características do mundo moderno. Percebemos as vezes que estamos com tanta pressa que não sabemos mais onde estamos. Não sabemos para onde estamos indo. Nos sentimos perdidos no meio de tudo isso. Observe que não basta cantar o hino do CLJ, mas principalmente vivê-lo: “Unidos estamos aqui, unidos queremos ficar... Seguiremos sempre em frente pela vida a cantar Semeando o bem, alegria e paz em cada coração. É bela vida que se dá... E um mundo novo faz surgir ... Deus quis do homem precisar... Pro Seu reino de amor construir... Sabemos o rumo a seguir, o Cristo que é nosso ideal...” façam disso uma filosofia de vida e sejam felizes.

Não esqueçam que o fracasso, o desapontamento e a negligência estão de olho em nós, só para nos apontar os aspectos negativos, um mundo cruel que a cada dia nos faz uma oferta de um pseudo mundo legal, cheio de prazeres... Observe que são ofertas do mundo mundano... que não traz felicidades, pelo contrário, olhem o sofrimento de quanta gente (faça uma análise das pessoas te cercam com estes convites, se são verdadeiramente felizes, se a família delas está feliz, se possuem verdadeiros amigos...).

CUIDADO! As vezes confundimos momentos de "alegria" com "felicidade"... nao troque sua felicidade por momentos "alegres"... o preço é muito alto...

Às vezes parece difícil admitir que o descanso esteja somente em Cristo: descanso de consciência; descanso de esperança; descanso de conforto e paz; em contraste com a agitada natureza do pecado (sexo, homossexualismo, droga, promiscuidade, prostituição,...) - Repito, temos que acreditar n’Ele e tomar a decisão pessoal de vir a Ele com obediência.

Finalmente, ele disse: "Meu jugo é suave, e o meu fardo é leve". Isto não significa que nenhum esforço seja exigido. Isto não significa que tudo sobre ser um cristão é suave e sem sofrimento, também, porque Ele nos diz: “pega a tua cruz e me segue”. Essa semana eu vi uma comunidade no ORKUT que diz: “Vida de CLJ é difícil – Mas é maravilhoso porque servir a Deus é muito bom... Cristo não prometeu facilidade e sim felicidade!” – Creio que se um jovem do CLJ entendeu isso, compreendeu e sintetizou tudo que escrevi sobre superação do sofrimento.

Então, se você não quer mais o sofrimento, supere-o, vamos fazer um momento de capela, vamos conversar com o Cristo (Vinde a Mim!). Se necessitarem conversar ou se apenas precisarem de um momento de oração silenciosa, me procurem, do fundo do coraçao vou respeitar o desejo de vocês (seja oração ou de conversa).

Só há uma maneira de você ser feliz!

Faça aquilo que agrada a Deus. Faça uma meditação, lembre de todas as palestras e depoimentos que vocês ouviram no retiro. Aceite Cristo de todo o teu coração e não tenha medo de ser verdadeiramente feliz (só nos pés e mãos do Cristo da Galiléia há felicidade constante)... Porque fora d’Ele não há felicidade... Pode haver outros sentimentos, como momentos "alegres"... Felicidade não!

Pense nisso! Tu és muito importante para mim, e tu és eternamente responsável por aquele que cativas.

Shalom!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Porta estreita mas aberta a todos



Por Cardeal Geraldo Majella Agnelo

Alguém dos ouvintes da multidão pôs uma questão a Jesus: “São poucos os que se salvam?” (Lucas 13, 22-30). Problema antigo, problema também nosso. As pessoas andavam preocupadas. Viviam como hoje ocupadas com tantas coisas materiais: o dinheiro, a casa, as férias, a carreira. De vez em quando vem à tona alguma questão do outro mundo.

Nos tempos de Jesus, havia os otimistas, seguros que Israel teria em bloco um lugar no banquete do futuro messias; os pessimistas: “Deus fez este mundo para muitos, mas o futuro para poucos”.

O tema da leitura evangélica de hoje é a salvação escatológica entendida como admissão ao banquete de Deus e do seu reino. O ouvinte de Jesus põe-se o problema olhando-o de fora. Pergunta normal no ambiente farisaico daquele tempo e se repetiu de diversos modos nos tempo da Igreja.

Entre nós, são numerosos os que querem ter resposta precisa e definitiva sobre o número dos que entrarão no céu; e por isso se discute sobre a sorte das crianças que morrem antes de ser batizadas, dos infiéis, dos heréticos e dos malvados.

Jesus não queria dar resposta a esta pergunta: não era sua missão apagar a curiosidade da gente. Além do mais, a plenitude do homem não é questão de estatísticas, de normas gerais ou de sondagens. Ele responde a seu ouvinte apresentando-lhe a existência do reino e a sua exigência; “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita”. Esta é a verdade; todos os outros problemas são inúteis.

Havia sempre tanta gente em torno do Senhor, e tantos curiosos. A pergunta feita a Jesus podia nascer da curiosidade, mas também de interesse religioso sincero. Jesus era a pessoa justa para responder. Tinha fama de profeta. Diziam que era o messias. Jesus responde com o discurso sobre a pertença ao Reino de Deus. Como fazia muitas vezes, vai além dos limites da pergunta e revela verdades mais profundas. Também desta vez recorre a imagens fantasiosas e a breves parábolas.

Fala do reino de Deus como de uma grande casa que tem uma porta: uma só e estreita. Diz que a casa tem dono, e que ele à certa hora fecha a porta. Assim, quem está dentro, está dentro; quem está fora, fica fora. Diz da gente que se ilude, que se acha de casa na casa do dono, e ao invés não entrará, mas ficará fora. Diz ainda que em compensação entrarão outros, vindo também de muito longe.

Aqueles que comeram com Jesus, que o chamam seu Senhor e que todavia lhe são estranhos, são em primeiro lugar os judeus que se converteram ouvindo a sua palavra; mas são também os cristãos que comeram com Jesus, a eucaristia, escutaram a sua palavra e o chamaram Senhor na oração. Praticaram a injustiça, não puseram em prática a palavra de Jesus, não receberam a mensagem de seu reino, e portanto ficam fora.

Somente à luz desta exigência, à luz da condenação que ameaça os que fazem parte da comunidade externa de salvação, adquire sentido a palavra sobre aqueles que estão fora: “Virão do oriente e do ocidente”.

Vejamos expressões usadas pelo Senhor: “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita”, como uma luta esportiva, é necessário o esforço máximo para conseguir a vitória. Para entrar pela porta estreita , é preciso empenhar-se ao máximo, até à morte.

O dono da casa fecha a porta. Se alguém durante a vida não fez nada para entrar, não lhe resta senão ficar fora. E o dono dirá: “Não vos conheço, não sei de onde sois”. Entrar ou não, é ato de livre escolha. Quando o dono fecha a entrada, isto é chega a morte, os jogos foram feitos. Jesus insiste sobretudo sobre a conversão do coração, mas é claro que quem exclui Deus da sua vida, se exclui sozinho.

A novidade está dentro dessa casa singular: nela segundo Jesus resulta surpreendente a assinalação de postos: alguns daqueles que a instituição oficial era levada a considerar os últimos, ficarão nos primeiros postos, e alguns dos primeiros serão os últimos. Parece entender que Deus não aprova que alguém possa ter o monopólio. Deus atende todos aqueles que se esforçam por entrar pela porta estreita, e os acolhe segundo a sua boa vontade.

UMA AMIZADE É UM TESOURO SEM PREÇO - NÃO PODE SER TROCADA POR NADA!

Por Diácono Carlinhos


Caríssimos jovens, considerando que vocês estão numa fase de crescimento pessoal, espiritual, funcional, intelectual,... Hoje lhes proponho uma reflexão para que possamos verificar se realmente estamos valorizando aquelas pessoas que nos valorizam. É normal logo após um Retiro, sairmos cheios de planos, com vontade de dar e pedir perdão, com vontade de mostrar às pessoas a gratidão pelo quanto elas são importantes para nós... Mas não raras vezes, esse sentimento passa e começamos a proceder da mesma maneira anterior ao retiro (egoístas – rebeldes – insatisfeitos – infelizes...).

Vocês já notaram que às vezes acabamos dando valor e atenção a pessoas que não nos merecem, pessoas que apenas convivem conosco por interesse ou que nos usam dentro de seus desejos e necessidades especiais?

Será que não chegou à hora de olhar com maior carinho, respeito e compreensão as pessoas que realmente nos valorizam, que nos tratam com respeito, com amor e consideração, pois esses são nossos verdadeiros amigos. Cuidado! Usar as pessoas, também pode ser uma forma de egoísmo e se constitui em um pecado grave, do qual não nos damos conta.

Olhe para trás e reveja teus momentos de dificuldades... Durante teus problemas, tuas incertezas, tuas quedas, tuas dúvidas, tuas indecisões...

Quem estava lá? Foi importante aquela presença?

Soubestes reconhecer, ou apenas ignorou depois que passou toda a tormenta e irá só lembrar-se dessa pessoa quando outra tempestade se aproximar?

Olha! Eu acredito que Deus escolhe as pessoas certas no momento certo em toda nossa vida, embora às vezes não enxergamos isso ou não damos o devido valor, são justamente essas pessoas que estão lá, nos momentos mais difíceis de nossa vida. Por isso, temos que valorizar quem nos valoriza! Observem que às vezes a gente costuma perder tempo com quem não está nem aí para nós e esquecemos-nos das pessoas que realmente se importam conosco.

Eu os convido a meditar se estamos realmente valorizando e sendo justos com aqueles que nos valorizam... Nossa família, nossos verdadeiros amigos,... Aqueles que largam tudo ou às vezes se esvaziam de si (ao exemplo de Jesus = kenosis), para nos deixarem bem, abrem mão de tudo que teriam direito para nos darem as mãos, os pés, os ouvidos e o ombro.

Vamos analisar se porventura nós não estamos na verdade usando as pessoas, se elas não estão sendo meros objetos para nós, as chamamos, as usamos, as abandonamos, chamamos novamente, usamos, descartamos...

Observar se não raras vezes ficamos extremamente chateado com essas pessoas porque nos dizem a verdade, mas saiba que a Bíblia nos explica que alguns dos amigos mais perigosos são aqueles que sempre concordam conosco, apoiando-nos mesmo nas coisas erradas."Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato" (Eclesiastes 7, 5). Atente que o amigo verdadeiro nos corrige, e a pessoa sábia procura ter amigos com coragem e convicção para repreendê-la quando for necessário.

Agora, por outro lado, o insensato evita pessoas que os corrige e critica, querem que as pessoas sempre digam que está certo, procurando aprovação acima de sabedoria. "O escarnecedor não ama àquele que o repreende, nem se chegará para os sábios... O coração sábio procura o conhecimento, mas a boca dos insensatos se apascenta de estultícia" (Provérbios 15, 12-14).

E você, jovem líder cristão, prefere que tipo de amigo?

O que te corrige ou o que se apascenta com a tua estultícia?

Sabemos que ninguém gosta de ser corrigido, mas todos nós precisamos de amigos que nos amam tanto que mostrem os erros:"Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos" (Provérbios 27, 5-6).

O jovem líder cristão deve se lembrar de que Deus o ensina através da Bíblia, nela encontramos muitas lições sobre nossa conduta e nossas amizades vejam a síntese de algumas:

· Escolher cuidadosamente os nossos amigos, evitando amizades que nos levariam ao pecado.

· Valorizar amigos que nos corrigem quando erramos.

· Cortar amizades que prejudicam a nossa vida espiritual, especialmente quando os "amigos" incentivam o pecado e estimulam os falsos valores.

· Seja amigo fiel e de confiança, especialmente nos momentos difíceis quando os amigos mais precisam de você.

· Sempre manter nossa relação com Deus acima de qualquer amizade humana, até porque, se nos afasta de Deus, não é nosso amigo.

Observem que as Sagradas Escrituras nos orientam sobre a escolha e o tratamento dos nossos amigos. Amigos têm muita influência em nossas vidas: "O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar" (Provérbios 12, 26). Por este motivo, a escolha de companheiros é um assunto de grande importância: "Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau" (Provérbios 13, 20). No final de contas, nossas escolhas não envolvem apenas pessoas, mas decidem a nossa direção na vida e na eternidade e disso depende também a alegria e a felicidade de nossa família.

Observem o que São Tiago 4, 4 - frisou quando perguntou: "Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (o mundo no sentido mundano conforme nos mostra o Papa).

É fácil escolher mal. Muitas pessoas que não amam a Deus e não respeitam a Palavra d’Ele nos oferecem a sua amizade. Às vezes, podemos influenciar tais pessoas pela nossa fé e o exemplo de uma vida reta. É por este motivo que estamos sempre lhes dizendo, fortaleçam suas amizades aqui (no CLJ) e os seus verdadeiros amigos que ainda não estão aqui, tragam-os para cá. Algumas pessoas querem nos induzir a pecar contra Deus. "Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas." (Provérbios 1, 10).

Quantos jovens são induzidos a usar drogas, ou até de se tornar traficantes, pela influência de "amigos"?

Quantos outros integram a gangues e acabam cometendo vários tipos de crime?

Quantos são induzidos ao mundo da orgia, do homossexualismo, da promiscuidade e da prostituição?

A Bíblia nos ensina ainda que algumas amizades precisam ser totalmente evitadas: "Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores" (Salmo 1, 1). Assim, por este motivo é que devemos evitar certos lugares e circunstancias que vão nos conduzir ao erro, dessas precisamos sair correndo: "Foge da presença do homem insensato, porque nele não divisarás lábios de conhecimento. A sabedoria do prudente é entender o seu próprio caminho, mas a estultícia dos insensatos é enganadora. Os loucos zombam do pecado, mas entre os retos há boa vontade"(Provérbios 14, 7-9).

Agora, uma vez que escolhemos bons amigos, também nós devemos ser bons amigos! As Sagradas Escrituras nos aconselham sobre as responsabilidades de companheiros fiéis. Ensina ainda que amigos verdadeiros não são interesseiros, mas aqueles companheiros fiéis que ficam nos bons tempos e nos maus tempos: "Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão" (Provérbios 17, 17). A amizade verdadeira traz benefícios mútuos, tem gente que é amiga só na hora da necessidade ou da satisfação, na hora da dor e da aflição, nos deixa na mão... Esse tenha certeza, não é um bom cristão.

Concluindo, TU REALMENTE VALORIZAS AQUELE QUE TE AMA?

Se por ventura ouviu algo a respeito dessa amizade, vindo de terceiros, teve a maturidade de sentar-se com esse amigo e dizer-lhe tudo o que soube e ouviu e lhe dado o direito de defender-se? Não esqueça que o diabo não tem e não gosta de amigos, então faz um esforço danado para acabar com as amizades verdadeiras, porque ele vê nelas a presença de Deus.

Caso tenha ouvido qualquer coisa a respeito de seu amigo que o tenha magoado, não espere mais, o tempo é agora: “sente-se com ele”... Deus estará presente neste momento. Lembre-se: UMA AMIZADE É UM TESOURO SEM PREÇO - NÃO PODE SER TROCADA POR NADA!

Em algum momento tu já agradeceste e reconheceste o esforço do outro em te fazer feliz? Alguma vez já demonstrou isso? Já disse muito obrigado por ser tão importante e por tudo que faz por mim?

Já escreveu um depoimento, já declarou isso em público, já escreveu uma carta, já o abraçou com vontade e declarou toda essa gratidão?

Se já fez isso... Parabéns! Caso ainda não o tenha feito, aproveite e faça, porque desconhecemos o amanhã e se deixarmos para depois o amanhã pode ser tarde demais.

Então! Começa por mim...

Muito obrigado por tudo que vocês fizeram e fazem por mim... E lembre-se que você é eternamente responsável por aquele que cativa.

Pense nisso! Tome uma atitude e que Deus os abençoe, hoje e sempre! Mais uma vez, muito obrigado por você ser tão importante para mim.

Shalom!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

DECIDI! NÃO QUERO MAIS VIVER COM MEUS MONSTROS!

Por Diácono Carlinhos

Assim como em muitas outras madrugadas, o sono fugiu, então comecei a rezar... estava ansioso, angustiado, coração apertado, mas não conseguia entender o motivo.

Tentei dormir várias vezes, mas a angústia aumentou... voltei a rezar... pedi respostas...

Depois de um tempo, lembrei-me do que São João escreve no Apocalipse 3, 20... Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo, estava aí o “x” da questão...

Ele batia a porta, eu ouvia, mas talvez não quisesse ouvir... mas lá estava Ele, batendo... sem forçar, sem arrombar... respeitou o meu silêncio... respeitou o meu momento... até insistiu, mas o meu coração continuava fechado.

Quando finalmente entendi isso, o meu sofrimento parecia meio que insuportável, eu abri a porta do meu coração, deixei Ele entrar... “FIZ AS PERGUNTAS” e “ELE ME DEU AS RESPOSTAS”...

Vejam bem! Ele estava ali o tempo todo... certamente também ansioso comigo, como alguém que nos visita, bate, bate, bate a porta e a gente demora em abrir ou não quer abri-la... inclusive, ouvia suas batidas e ao mesmo tempo dizia... será que Deus me abandou? Ora! E, Ele ali, o tempo todo.

Pois bem, abri a porta, deixei Ele entrar... apesar do meu medo, da minha angustia, da minha vergonha, dos meus pudores... “FIZ TODAS AS PERGUNTAS” não ficou nada para trás e “ELE ME DEU TODAS AS RESPOSTAS”... sim, Ele me deu todas as respostas.

Quando Ele entrou, rezei com Ele... respeitou o meu momento, meu nervosismo, minha vergonha, meus receios, minhas dúvidas... meu choro, depois passou... e a cada pergunta, uma resposta...

Foi neste momento que eu entendi QUE EU NÃO QUERO MAIS OS MEUS MONSTROS!

Sim! Jesus me mostrou que toda a minha angustia, minhas dores, minhas ânsias, eram os meus monstros que eu teimava em carregar... (talvez, seria aquele elefante que eu havia achado ter deixado na Capela, na verdade eu o tirei das minhas costas, mas continuava puxando ele pela cordinha).

A cada pergunta, uma resposta... perguntei, perguntei, perguntei...

Vi que eu trazia comigo meus MONSTROS... no início até parecia legal, eles eram de estimação, parecia que me traziam alguma alegria, na verdade a gente os aceita tentando preencher uma lacuna, um espaço, erra achando que está acertando, mas com o passar do tempo eles começam a nos trazer problemas... na verdade, eles são problemas...

Mas o que fazer com eles?

Se até tenho algum carinho ou consideração por eles, porque afinal me trouxeram alguns momentos de alegria e felicidade, não sei bem se queria ou não queria, só que hoje me matam por dentro...

Na verdade, em suas respostas Jesus me mostrou que EU NÃO QUERO MAIS OS MEUS MONSTROS, pois eles me afastam d’Ele... e que não tinha problema em me livrar deles, ele me entendeu, tudo era passado e como estava plenamente arrependido ele me compreendia.

Eu já sabia disso... que não os queria mais... mas talvez eu não quisesse entender que, era necessário livrar-me deles, talvez, até por pena deles ou por gratidão em decorrência daqueles momentos que não me traziam problemas.

Mas como?

Então ele me mostrou que havia me dado todo o alimento necessário para que eu tivesse a força para livrar-me deles, também, que havia colocado em minha vida inúmeros servidores d’Ele para me ajudarem nesta tarefa... pessoas que me colocam junto à mesa para cear com Ele.

Entendi que eu precisava me livrar dos meus monstros e assim tomei essa decisão, que por algum instante até me gerou dúvida, mas olhando ao redor me dei conta que era necessário.

Afinal se os mantivesse comigo, faria muita gente infeliz, e gente que realmente me ama, que se importa comigo, que caminha comigo e que está e sempre estará com a mão estendida para me segurar, “evitar que eu caia no fundo do poço”... GENTE QUE TAMBÉM SOFRE COM OS MEUS MONSTROS, que inclusive, não se importa em se machucar para evitar que eu caia.

Assim, após essa conversa com Jesus, de “perguntas” e “respostas”, eu aprendi como me livrar deles e adquirir minha cura e libertação... coisa que realmente eu queria, mas tinha receio, tinha vergonha, mas tudo isso passou tão logo eu ter aberto a porta do meu coração.

Após esta conversa... ocorreu minha total conversão... minha saúde voltou, minha alegria, minha felicidade, meu brilho no olho...

Após esta conversa, Jesus me mostrou que é possível eu me livrar dos meus monstros... mas como?

Primeiro, tendo consciência que não os quero mais... que me fazem mal...

Segundo, tomando a decisão de mandá-los embora... veja bem, não se tornaram meus inimigos, pelo contrário, quero que eles sejam felizes... mas que eles vivam felizes com aqueles que também aceitam viver com eles sem problemas... até para não deixá-los enraivecidos, tristes,... não falei para eles que estava me despedindo deles... apenas deixei eles irem... foram se afastando, se afastando... até que encontraram o que buscavam... que bom, tomara que vivam e sejam felizes, assim como eu tenho certeza de que serei a partir de agora.

Terceiro, comecei a retirar, deletar, jogar fora, tudo que me lembrava deles... eles nem precisam se dar conta disso, será melhor assim, para mim e para eles, é como as fotos e as lembranças do ex-namorado, não me servem mais, não me trazem mais alegrias...

Sei que posso encontrá-los por aí, nas esquinas da vida, mas já não me pertencem mais... possuem outros donos... talvez até acene pra eles, faça um afago em sinal de respeito, na verdade, até quero que sejam muito felizes.

Concluindo, foi assim, depois que abri meu coração para Jesus, que fiz as “perguntas” e Ele me deu as “respostas” que percebi que não quero mais os meus monstros!

Analisando agora neste momento, foi até bom que fosse assim, que eu tivesse sofrido tanto antes desta decisão de livrar-me deles, para que futuramente eu não fique na dúvida que tivesse de permanecer com eles.

Hoje com toda essa angústia, este sofrimento, eu tenho certeza... não os quero mais... eu quero é a vida que Jesus preparou para mim... quero essa alegria, o amor d’Ele através das outras pessoas, que eu amo, que me amam, que são importantes pra mim e eu para elas...

Mas veja bem, para que todas essas decisões fossem tomadas, primeiro eu tive que abrir a porta do meu coração, fazer as perguntas e me decidir que não queria mais sofrer com isso.

Agora, livre dos meus monstros eu estou feliz... sei que não adiantava mantê-los, bem como, nada mais podia fazer pelo fato de tê-los adotado no passado, que pena, achei que seria bom, mas o próprio Jesus caiu três vezes, o que sobra para mim... sim, finalmente tomei minha decisão, é que estou mudando para outro imóvel e lá não tem lugar para eles... vou morar perto daqueles que me amam e amam a Deus, minha família, meus amigos... quero a verdadeira alegria e felicidade, quero estar perto das pessoas que cativei, vou aceitar o convite que Jesus me fez... quero cativar e ser cativado (E SE TU ME CATIVASTE, TU ÉS RESPONSÁVEL POR MIM).

Pense nisso!

Se também quiser ajuda para se livrar dos seus monstros e fazer as “perguntas” e “obter as respostas” procurem-me na Capela... Porque TU ÉS MUITO IMPORTANTE PARA MIM!

· Hoje há algum monstro me perturbando?

· Como posso me livrar dele (s)?

· Já pensou em buscar “orientação espiritual”?