quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

TÁ, EU ERREI! MAS TU NUNCA ERRASTE?

Por Diácono Carlinhos
Não! Que bom...
Agora em caso afirmativo, o que tu esperavas da pessoa a quem tu magoou, errou ou feriu?
Especialistas nos dizem, nunca desopile sua raiva pelos meios eletrônicos (MSN – E-MAIL – TWITTER...). Se for escrever, escreva depois que a raiva passar. A palavra escrita marca mais, se reproduz e fica. Deixe a poeira baixar, telefone, chame a pessoa com a qual está com raiva. Não se sabe o que realmente aconteceu do outro lado. Não faça pré-julgamentos.
Voltei a falar de erros cometidos dias depois de já ter escrito sobre isso (A alegria de se perdoar e ser perdoado), já presencialmente, em função do momento que estou vivenciando... Tá, eu errei! Mas tu nunca erraste? O que tu esperavas da pessoa com a qual errou? Qual procedimento?(empatia)
Já foi um aprendizado importante, penso eu. No fundo, nós temos grande dificuldade de aprender com erros. Separar o que é um erro novo de um completamente velho. Isso ocorre, na vida familiar, pessoal, profissional...
As pisadas de bola antigas, que se repetem, fazem parte daqueles nossos defeitos do fundo da gaveta, temperamento mal domado, lado oculto, que nos puxam para baixo. Afinal, somos humanos e os humanos erram.
E nós temos que aprender com os erros, com os nossos e com os do outros. Simplesmente boicotar a pessoa que errou conosco, não vai resolver o nosso problema e nem o dela...
Primeiro, porque nós vamos alimentar pelo resto da vida uma mágoa, raiva, ódio, todos os dias estaremos tomando um pouco de veneno louco de vontade que o outro morra...
Segundo, porque se não dermos possibilidade para a pessoa falar, não poderemos jamais saber que sentido tinha o erro... Creio que ninguém erra, com o firme propósito de errar, só se estivesse louco, bem aí, nesse caso é para “internação”, se for comigo, por favor, me internem, porque jamais vou errar pelo simples fato de errar e machucar alguém de quem eu gosto.
Temos que olhar para dentro do nosso coração e verificarmos como gostaríamos de sermos tratados se essa situação fosse conosco!
Essa semana respondi a um questionamento sobre um erro meu:
“Apesar de buscarmos a santidade, até mesmo os santos já erraram... pecaram... de todos os seres humanos, a única Imaculada é Nossa Senhora... TODOS OS DEMAIS erraram e pecaram... Portanto, o erro é inerente a nossa condição de ser humano... Eu pequei, pequei muitas vezes e ainda vou pecar muito... porque também sou humano... Talvez, tu também já tenhas pecado...”
E continuei minha reflexão:
“Certamente, já errei contigo, já errei com outras pessoas... Equívocos acontecem... Certamente tu também já foste condenado injustamente? Certamente alguém tinha certeza de tu que fez algo errado e te condenou? Apesar de tu saberes de que era um engano ou que a intenção era completamente outra... isso é bem dolorido, ou não? O que tu esperas quando acontece isso contigo?”
“PARE PARA PENSAR” – “PENSE ANTES DE FAZER OU FALAR”...
Só o Papa João Paulo II pediu perdão pela Igreja, várias vezes... ou seja, a igreja é feita por pessoas e as pessoas erram... Imagine se ele resolvesse abandonar o papado pelo fato das pessoas que integram a igreja errarem... Ele desistiu, não, foi lá e corrigiu... O que Jesus diz: “Vá lá e faça o mesmo!”
O CLJ não e diferente, é feito por seres humanos, pessoas que erram e acertam... Portanto, é “obrigação” do Cristão estar lá para corrigir... É obrigação minha, tua, dos jovens, dos tios, no pré, no pós, no curso, na capela, chegarem lá e dizerem... Isso tá certo, isso tá errado... ISSO É MANDAMENTO DE CRISTO! Se dentro do movimento tem coisas erradas, é obrigação tua de cristão ir lá e consertar. Caso contrário, fica muito fácil, ficar do lado de fora dando pedradas. Não! Vai lá e conserta, corrige, isso é bíblico... pois se ele está assim, tem um pouco da tua cara... tem um pouco de ti... porque ele pertence a tua Igreja. Deus te deu essa função, de teu essa missão, não fuja dela, por isso Ele te chamou pelo nome, deu a ti essa tarefa e no fim dos tempos vai te cobrar o resultado.
“ORA, SE TEU IRMÃO PECAR CONTRA TI, vai lá repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganharás a teu irmão.” (Mateus 18, 15)
E em Lucas encontramos: “Se teu irmão, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe.”
Pedro negou Jesus três vezes... E aí, Jesus o abandonou, mandou embora, o mandou desistir da Igreja, não, pelo contrário deu a ele a missão de organizar a Igreja... “tu és Pedro e sob essa pedra edificarei minha Igreja” e ainda deu a ele a chave do céu... Por isso ele é o Padroeiro do CLJ. Não culpe somente os outros, verifique se tu também não cometeste algum equivoco. Não abandone a barca na qual Jesus te colocou... porque Ele vai te cobrar isso.
Portanto, cuidado, não faça “pré-julgamentos”... Não tome decisões sob forte emoção... Acho justo ficarmos tristes, chateados, magoados, eu também fico muito triste quando erro, fico sofrendo, me remoendo ou quando erram comigo. Aquele pensamento vai e volta várias vezes, passa a ser quase recorrente, de manhã, tarde e noite... Mas podemos estar equivocados... E também não condene... “reze e perdoe”... e principalmente de espaço para a pessoa que errou poder falar e explicar ou então dizer: realmente errei... Não era essa a intenção, “ME PERDOE!”
Porque, quando é contigo... Tu esperas qual procedimento? (vá lá e faça o mesmo)
Precisamos clarear as coisas, como cristãos conversar, e se for o caso, sem nenhum constrangimento... Como já disse e já fiz muitas vezes... Do fundo do meu coração “VOU PEDIR PERDÃO!” E até antecipo, se te magoei em algum momento do fundo do meu coração “ME PERDOE!”
Assim, se errar é humano, aprender com os erros nos torna mais humanos ainda. As pessoas nascem e podem desenvolver determinados talentos e um dos fatores principais para chegar a esse potencial máximo é aprender com os próprios erros, eu tenho aprendido muito com os meus... e como disse: ainda vou errar muito e esperar que você me perdoe muitas vezes, porque será isso que vou fazer na minha condição de cristão. Te pedir perdão e se for necessário, sete vezes no dia.
Como disse John Powell, autor americano: "O único erro de verdade é aquele com o qual não aprendemos nada", portanto, eu aprendo com os meus e tento não reeditá-los.
Dom Paulo nos disse: “A misericórdia de Deus e a alegria de se perdoar e ser perdoado” - “quem sabe pedir e sabe dar perdão, tem um coração como o de Deus, misericordioso.
Um teólogo escreveu: “Atire a primeira pedra e ela cairá sobre você, porque verás que também já errou, acuse, aponte o dedo e se sentirá pequeno, mude, reformule sua vida, pense no melhor, perdoe com o coração aberto e, certamente, se sentirá melhor! Saber perdoar é próprio das pessoas sábias, inteligentes e realmente cristãs, pois exige uma compreensão além do que se possa sentir, é perceber-se no outro que comete erros, esses mesmos que também estão em mim e em ti.”
Portanto! Tá, eu errei! Mas tu nunca erraste?
E esperavas o que, daquele a quem tu magoaste?
Pois o mesmo eu espero de ti com quem errei, magoei ou feri...
Pensem nisso!
Shalom!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

OI, HOJE EU DECIDI! VOU VOLTAR AOS BRAÇOS DO PAI..

Por Diácono Carlinhos

Então vamos VOLTAR cantando, porque essa é uma decisão bíblica e ensinada pelo próprio Cristo:

♪♪♪Tem anjos voando neste lugar

No meio do povo em cima do altar

Subindo e descendo em todas as direções

Não sei, se a igreja subiu ou o céu desceu

Só sei que está cheio de anjos de Deus

Pois o próprio Deus, Ele está aqui♪♪♪

Sim, o próprio Deus está aqui!

Sempre há festa no céu quando uma pessoa volta para Deus, mas fique sabendo que o inferno se revolta com o nosso retorno. Que o demônio fará todo o esforço necessário para te manter longe do projeto que o Pai preparou para ti. Pois o nosso afastamento de Deus nos aproxima do demônio, o qual nos leva à tristeza, a angústia, a depressão, a discórdia, entre tantos outros fatores negativos para nossa família, nosso grupo social e até mesmo para nossa igreja. Quanto mais distante das obras de Deus, mais próximo das obras do demônio. Por isso o céu se alegra quando retornamos ao convívio do Pai.

A parábola do "Filho Pródigo" ou do “Pai Misericordioso” como também é conhecida, nos diz:“Vou voltar para meu pai.” (Lucas 15,18).

Sim, sempre é tempo de voltar para a casa do Pai. Nunca é tarde para refazer o caminho...

Os valores que Cristo nos mostra são contrários aos valores que o mundo nos propõe e nos apresenta. São justamente os valores do mundo os que desestruturam a minha família, meu grupo social e minha igreja... não é o que a Igreja me propõe que mata o diálogo dentro de casa, que acaba com os relacionamentos, são os valores do mundo que fazem isso (é a vaidade, o orgulho, a raiva, a mesquinharia, ...).

É exatamente isso que consta nessa canção que eu faço muitas vezes e não me dou conta:

♪♪♪ Quantas vezes eu falei como não devia.

Quantas vezes eu calei quando não podia.

Quantas vezes desprezei o amor que eu sentia.

Eu nunca imaginei ver meu pai chorar, um dia.

Hoje eu quero voltar aos teus braços e encontrar o abraço que eu deixei pra trás. Hoje eu quero voltar aos teus braços e encontrar o abraço que eu deixei pra trás. ♪♪♪

Sim, o filho pródigo ao pedir para o pai a sua parte da herança deve tê-lo entristecido muito. Deve tê-lo feito chorar, assim como muitos filhos fazem seus pais chorarem ao optarem pela herança do mundo. Assim, nós também fazemos com nossos pais quando optamos por aquilo que contraria a doutrina de Deus e os princípios da família Cristã.

O filho pródigo se encheu da família, da igreja, dos amigos, dos grupos sociais e foi conhecer o mundo mundano, gastar a herança que acreditava ser dele, optou pela falsa liberdade, pelo mundo do TER/PODER/PRAZER. Mas após algum tempo ele ficou no caos, perdeu até a dignidade de pessoa, e decidiu: “Vou voltar”.

Ao optar pelo mundo, perdeu a companhia, a paz, a harmonia e a segurança que a família lhe dava. Perdeu os verdadeiros amigos, optou pelas parcerias ou pelos conhecidos. Perdeu o contato com a Igreja. Perdeu a referência dos projetos que lhe haviam sido entregues por Deus. Assim, ele foi, mas chegou um exato momento, depois de ter feito tantas coisas que se deu conta de que havia se equivocado, pois todos nós nos equivocamos, nos enganamos, erramos isso é da natureza humana, com isso, decidiu voltar.

A canção VOCÊ nos diz:

♪♪♪ É pra você que eu canto essa, que eu canto com vontade de te ver aqui e voltar...

Você que esqueceu do que é a tal perseverança e da esperança de algo mudar

Você que insiste em me dizer que basta ser homem comum para poder testemunhar

Testemunhar o quê, já que fazer meio caminho está tão longe da chegada?

Você, você não saberá se não seguir pra ver o que há no fim da estrada...

Você, você não saberá da festa que Deus Pai prepara pra essa volta

É pra você que eu canto essa, que eu canto com vontade de te ver aqui e voltar

Você que esqueceu do que é a tal perseverança e a esperança de algo mudar

Você que insiste em me dizer que o seu tempo já passou e agora tem visão melhor

Me diga: que visão terá aquele que evitou chegar ao topo da montanha?

Você que mora ao meu lado, do lado do coração, você na frente do espelho, eu sou você, meu irmão...

Você que fica acordado imaginando o futuro, deixando Deus do seu lado, e Ele chamando você... Você!, Você! ♪♪♪

Sim, Deus chama você pelo nome... (Ele diz teu nome..., faz um sinal com a mão e diz: Vem!)

Deus sorri para ti e te diz... Deixa de sofrer e vem... Vem comigo!

Saiba que ir é muito bom, mas voltar é bom demais!

Não há problema em "dar um tempo". Não se constranja se você "deu um tempo". O próprio Cristo "dava um tempo" quando se recolhia para suas meditações, orações... mas nunca se afastou do projeto do Pai, portanto, se você já deu o seu tempo... volte!

Quando saímos de férias, passeamos e é muito bom, mas quando voltamos para nossa casa, por mais simples que seja, é bom demais. É lindo quando a pessoa decide voltar, principalmente, quando ela faz parte de uma família, é amada, reconhecida, tem seu lugar e grau de importância dentro do grupo. Jesus nos diz que o céu fica alegre, em festa. Sim, imagine o Pai na porta de braços abertos aguardando pelo seu retorno, pois é isso que a Bíblia nos assegura.

Ora, o futuro do mundo e da Igreja passa pela SUA FAMÍLIA, fala João Paulo II. Quando as pessoas aceitam o resgate, quando elas aceitam voltar, elas se tornam o futuro do mundo e o céu fica em festa.

Tu tens a tua família biológica e quem é cristão, tem o privilégio de ter a família espiritual... e essa família se alegra com a tua volta:

♪♪♪ E se por acaso a dor chegar / Ao teu lado vão estar

Pra te acolher e te amparar / Pois não há nada como um lar

Tua família volta pra ela / Tua família te ama e te espera

Para ao teu lado sempre estar ♪♪♪

Qualquer que tenha sido o motivo que te levou a “sair tua família, da tua igreja” (da sua comunidade, do seu grupo,...), qualquer que tenha sido o motivo pelo qual na verdade você tenha optado por deixar de fazer parte do Corpo de Cristo, volte. Não tenha medo, volte.

Simplesmente, diga, “Vou voltar para o meu pai” e retorne, você não precisa dar explicações, não precisa dar justificativas, apenas, volte. E Deus estará lá de braços abertos para te acolher, te dar roupas novas, um anel e fazer uma festa. Volte!

E lá estarão além de Deus teus irmãos, teus amigos e todos aqueles que te são caros, dizendo:

♪♪♪ Às vezes em certos momentos difíceis da vida

Em que precisamos de alguém prá ajudar na saída

A sua palavra de força, de fé e de carinho

Me dá a certeza de que eu nunca estive sozinho

Você meu amigo de fé / Meu irmão camarada

Sorriso e abraço festivo na minha chegada

Você que me diz as verdades com frases abertas

Amigo, você é o mais certo nas horas incertas

Não preciso nem dizer / Tudo isso que eu lhe digo

Mas é muito bom saber / Que eu tenho um grande amigo

Não preciso nem dizer / Tudo isso que eu lhe digo

Mas é muito bom saber / Que você é meu amigo♪♪♪

Sim, volte, não desanime, não desista... Vá lá e de um abraço bem forte no seu amigo... Depois juntos vão à Capela e agradeçam a Jesus por tudo que aprenderam. Isso é ser cristão. Isso é exercício de igreja. Isso é realmente saber o que se quer e tomar-se a decisão mais sábia e inteligente. Por que essa lição não é ensinada pelos homens, mas é ensinada pelo próprio Cristo como nos atesta a Bíblia Sagrada.

sábado, 25 de dezembro de 2010

E ai: Deus... Perdoa quem não perdoa?

Por Diácono Carlinhos

E ai, Deus perdoa quem não perdoa? Não!
Na verdade, Deus é pura bondade e pura misericórdia. Quem se condena somos nós mesmos, quando cometemos faltas contra Ele (outros) ou nós próprios.
Assim, a opção pelo mal ou pela condenação é totalmente nossa.
Isso é uma verdade bíblica incontestável.
"E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;... Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas." Mateus 6, 12 e 15.
O ódio, o orgulho, a raiva, entre tantos sentimentos ruins, são forças como o amor. Se fores impulsionado pelos sentimentos ruis e do mal, então apenas escolheste o outro lado da moeda.
Faça o que veio fazer, mas lembre-se que para cada ação há uma reação e essa condenação ou salvação, cabe somente a ti mesmo.
A Bíblia nos diz que a fé sem boas obras é como morta. Nós devemos fazer boas obras e amar ao próximo como a nós mesmos. Não adianta ir todos os dias na missa, estar sempre no templo e não participar da Igreja. Não existe “meio cristão” ou “cristão morno”, ou somos, ou não somos e ponto final.
Portanto, se não há perdão, o "espinho" continua doendo indefinidamente! Cada vez que a lembrança surgir, vai haver uma renovação na sequencia de pensamentos que levou aquela dor e aquele sofrimento. E outra vez, e de novo, e mais uma vez, numa roda girante de sentimentos negativos que acabarão por detonar com o nosso sistema psicológico, espiritual e físico.
O ato de não perdoar se fundamenta em nossa prepotência e falta de amor, como se nós também não errássemos. Perdoar, antes de tudo, é uma opção de inteligência. A vida cobra de cada um conforme seu plantio. Plante mal e colha o mal, plante o bem e colha o bem. Lembre-se do que a Bíblia nos indica: "O plantio é opcional mas a colheita é obrigatória".
Alguém em determinado momento escreveu que o perdão é a ponte de reconciliação das relações quebradas, é o remédio divino para os relacionamentos enfermos, que é o bálsamo do céu para aqueles que andam machucados e feridos pela mágoa.
Seja rápido! Não espere mais, pois 2010 está terminando, chegou o tempo de fazermos reflexões, balanços, projetos para o próximo ano - então hoje é tempo de perdoar e de pedir perdão, hoje é o tempo de restaurar relacionamentos dentro da nossa casa, dos nossos grupos e da nossa igreja, a fim de vivermos uma vida plena com Jesus Cristo em nosso coração, essa é a forma de nos mantermos na fila da comunhão.
Foi no perdão que Jesus encontrou forças para vencer o sistema de violência que o cercava. Ninguém soube perdoar como Jesus, ele era o Mestre na arte de perdoar. Até mesmo na hora mais angustiante na Cruz, Ele disse: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem..." (Lc 23, 34). Onde o perdão é liberado o amor volta, a harmonia é restaurada e a amizade é fortalecida.
“Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. (Mt 11, 28-30)

Faça uma oração, uma reflexão e verifique qual é a sua opção!

Como será a sua passagem de Ano Novo?

Pense nisso e tenha um feliz e abençoado 2011!

Aja! A hora é agora, o dia é hoje e o momento é esse!

Seja feliz e faça feliz todos àqueles que te são caros...







Shalom!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

E aí: Belém ou Jerusalém?

Por Diácono Carlinhos
É época de Natal e onde foi mesmo que Jesus nasceu?
Ora, Jesus nasceu em Belém!
Tens certeza?
Mas por que essa pergunta?
É que chegou o Natal e essa pergunta é recorrente.
Tá, mas isso significa o que mesmo?

Agora pensemos um pouquinho:
Pra ti, especificamente, onde e quando Jesus nasceu?
Pense mais um pouquinho:
E se descobrires que Ele não nasceu?
Então, procuremos urgentemente fazer com que ele nasça um dia destes, porque, quando isto acontecer, teremos finalmente entendido o verdadeiro sentido Natal e teremos realmente encontrado a luz. Nesse dia sim, tu poderás dizer que Ele nasceu em Belém, na tua Belém:

♪♪♪Vamos Jesus passear, na minha vida...
Quero voltar aos lugares em que fiquei só...
Quero voltar lá contigo, vendo que estavas comigo...
Quero sentir teu amor, a me embalar... ♪♪♪

Mas se te deres conta que Ele nao nasceu, então faça com que Ele nasça, pois isso é verdadeiramente Natal...
Agora, o pior, é se Ele nasceu e tu matou Ele dentro do teu peito, se tu com teus atos ou atitudes, gestos ou omissôes O matou... esse é momento de tirar a “pedra” (mágoa, raiva, rancor, orgulho,...) e fazer-Lhe um convite:

♪♪♪ Entra Na Minha Casa
Entra Na Minha Vida
Mexe Com Minha Estrutura
Sara Todas As Feridas
Me Ensina A Ter Santidade
Quero Amar Somente A Ti
Porque O Senhor É O Meu Bem Maior
Faz Um Milagre Em Mim. ♪♪♪

Que Jesus nasça em nossos corações e que seja sempre Natal em nossas vidas, para que nunca nos falte a Esperança, a Fé e a Caridade, assim a alegria e a verdadeira felicidade de sermos cristãos, lembrando que Ele nos diz:

♪♪♪Eis que faço novas todas as coisas...
É vida que brota da vida,
É fruto que cresce do amor,
É vida que vence a morte,
É vida que vem do Senhor. ♪♪♪

O Filosofo já dizia: “Se queres prever o futuro, olha para o passado.” - (Confúcio)
Então, cuidado! Teu presente hoje, será passado amanhã e, portanto, estará diretamente ligado ao teu futuro!
Traduzindo: tudo que plantares hoje, colheras amanhã!
Pense nisso é Natal e tu tens plantado o que?
Ele pode transformar completamente tua vida, basta semearmos por aqui:

♪♪♪Amar como Jesus amou
Sonhar como Jesus sonhou
Pensar como Jesus pensou
Viver como Jesus viveu
Sentir o que Jesus sentia
Sorrir como Jesus sorria
E ao chegar ao fim do dia
Eu sei que dormiria muito mais feliz♪♪♪

O Natal é isso, é Jesus que vem de novo, falar contigo, vai depender somente de ti... se tu dormes mais feliz, em paz, com a certeza de que Deus está bem vivo no teu coração!
Por isso a pergunta: Belém ou Jerusalém?
Se o teu coraçao está em BELÉM (com um Cristo bem vivo) ou se neste Natal teu peito está sendo o calvário onde Ele foi crucificado, morto e sepultado, ou seja, teu coração está em JERUSALÉM.

Faça uma oração, uma reflexão e verifique qual é a sua situação!
Hoje, assim como ontem, é dia de ir para BELÉM!
Pense nisso e tenha um feliz e abençoado Natal!

Shalom!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

SIMPLESMENTE! É IMPOSSÍVEL APAGAR O PASSADO...

TIO QUERO APAGAR MEU PASSADO! ISSO É POSSÍVEL?
Esta semana durante uma conversa com uma jovem ela me perguntou: TIO quero apagar meu passado! Isso é possível? No que lhe respondi: que não! Sinceramente, para mim é impossível à gente apagar o passado... e quanto mais insistirmos... mais ele se torna presente, inclusive, na psiquiatria chamam isso de “fixação” (uma tentativa desesperada de apagar tudo – só que isso diariamente me perturba, me afeta e me deixa doente).
A culpa ou a insatisfação instaurada leva o indivíduo a se fixar no ato, tornando uma compulsão e repeti-lo constantemente como uma autocondenação. Vamos pagar a culpa desse sentimento e nos chicotear com o próprio comportamento indesejável a vida toda. Por isto vira uma compulsão, repetição e um circulo vicioso, posteriormente nos causa mais frustração e depressão.
Fugimos, fugimos, fugimos, andamos em círculos, tentamos construir novas situações, mas o fato nos acompanha no nosso íntimo, a sensação de culpa fica instalada no interior de nosso coração e ressurge a qualquer instante. Quando menos esperamos, estamos lá, lembrando de um fato, uma pessoa, um grupo ou uma situação. Nesse momento a título de vingança, vamos às nossas recordações e tentamos sufocar esse sentimento materialmente (queimando algo; jogando no lixo; difamando alguém;...) Assim, podemos até mentir para os outros que não, mas para o nosso inconsciente não podemos mentir: sabemos sim que tudo está tão vivo, tão presente, nos pedindo por uma solução.
Por isso não é possível apagar o passado! Creio até que esse passado será presente e também será futuro, porque lá na frente vou continuar lembrando esse momento. Posso tentar me afastar dos fatos, das pessoas, me livrar de tudo que materialmente me relaciona a essas pessoas ou a esses fatos ou grupos (objetos, fotos, lembranças...), mas não consigo tirar o que está cravado dentro do meu coração. Não adianta, ao fechar meus olhos, minha consciência ou inconsciência me leva a essa lembrança. Seja por causa de uma notícia, seja por causa de uma pessoa, uma data, um evento, enfim, posso fazer todo o esforço material necessário para sepultar isso, mas dentro do meu coração, ao contrário tudo permanece muito vivo e muito presente. Embora externamente tente ostentar que não... Demonstrar com minhas palavras, gestos ou atitudes, não adianta dentro do peito aquilo continua a falar... falar e falar...
E isso é cientifico, portanto, a frase “comigo vai ser diferente”... não vai funcionar, pois somos humanos e na condição de humanos, somos semelhantes ao demais humanos. O próprio Sigmund Freud (Pai da Psicanálise) classificou as defesas conforme a severidade da psicopatologia. Ele nos diz que nesse caso, conforme se pensa, age, se tenta, teremos: negação, distorção e projeção, que são mecanismos associados à psicoses. E que isso vai nos gerar mecanismos de defesa, teremos neuróses, onde nesse quadro se incluem a repressão, isolamento, anulação, deslocamento e formação reativa (revolta com tudo e com todos), sentimento de injustiça, abandono... fica aquilo: “onde está meu passado? O que está fazendo? Por que? Por que? Por que?”
E quanto a essa fixação, esse desejo de sepultar coisas, pessoas, situações, vemos que Jesus já orientava aos seus discípulos ao deslocamento de raciocínio através de abandono de um pensamento fixo e rígido quando disse – “observai os lírios dos campos” e, nesse desvio do campo visual o cérebro era impulsionado ao estado de vigília relaxada. Ou seja, o paraíso que tanto buscamos não está distante de nós, mas também não está na rua, no mundo ou em outros locais que passamos a procurar, mas está dentro da nossa mente, do nosso coração, poderemos redescobrir a tranquilidade, a estabilidade emocional quando nos desapegamos à vida material, com um coração de gratidão, por inteiro, em saber melhor viver.
Conseguimos nossa cura a partir do momento com começamos a ver situação com os olhos cristãos e com os ensinamentos de Jesus, na fé, na esperança e na caridade (amor). Com a prática da oração e do perdão. Portanto, nós cristãos temos um exercício e uma terapia fundamental de cura chamada - prática do perdão (que é o ato de perdoar e ser perdoado). A cura passa fundamentalmente por aqui, alem de ser bíblico é também científico, é o exercício do filho que volta aos braços do Pai.
Vivemos apegados demais as nossas fixações e tomamos decisões com base nas nossas verdades, entretanto, ao conhecermos a Bíblia e o que Jesus nos propõe, o certo para nós poderá ser errado, bem como, o errado para nós poderá ser certo. Posso realmente acreditar que estou certo. Mas antes de mais nada devo, buscar a orientação sobre essa situação, primeiro vendo o que Jesus me diz sobre isso. Depois, meu psiquiatra; meus pais; meu orientador; meu professor e se todos esses me disserem que estou equivocado, minha atitude será a de repensar meus atos, gestos e atitudes, porque realmente posso estar errado. Não podemos mudar o passado, nem apagar o histórico dos acontecimentos do que nos fizeram ou fizemos ontem, mas resta, ainda, o poder de escrever uma nova história, pois sempre é possível recomeçar.
Nesta semana estive com um psiquiatra e ele me disse ainda mais, há pessoas “narcisas demais” ou traduzindo, simplesmente “teimosas”, “birrentas”... que não conseguem fazer o caminho de volta... tem medo de fazer o caminho de retorno, por vergonha, por orgulho ou porque não aprenderam que na vida não são o centro das atenções, não se dão conta que acertam, mas que também erram... Estão muito doentes, mas não se dão conta disso. Assim, preferem morrer um pouco a cada dia, sofrem muito a cada ano, sofrem muito a vida inteira, simplesmente pelo fato de não terem a humildade de dizerem: “Oi! Desculpa, eu vi que errei... pisei na bola contigo... me perdoe... ou algo parecido”. Acreditam serem vítimas de complôs, de armadilhas, de falsos amigos, são eternos incompreendidos, desprezados, rejeitados... etc, etc, etc.
O psiquiatra me dizia: “são pessoas que simplesmente não se satisfazem em saberem que são amadas, precisam testar esse amor, só que às vezes o teste é feito de forma equivocada ou aplicado em momento inoportuno e as consequências são desastrosas demais, para ambos os lados.” Acrescentou ainda: “essas pessoas depois se perdem não sabendo como fazer o caminho de volta e ficam se machucando, machucando seus familiares e todos aqueles que fazem parte do seu ciclo de vida. Quanto mais se afastam, mais convencidas externamente de estarem certas, ficam a cada dia mais doentes internamente e com isso vem às crises, as culpas, as frustrações, e dia a dia se aproximam de surtos, doenças patológicas graves, pelo simples fato de não aceitaram que erraram”...
E isso acontece entre casais, entre amigos, colegas de trabalho...
Apagar o passado não é possível. Não quero com isso dizer que o passado seja repleto apenas de fatos agradáveis. Muitas vezes, há mais momentos de provação que propriamente de alegrias. A vida é a soma de bons e maus momentos. Mas acredito que os maus momentos são importantes para o crescimento, pois eles nos tornam mais fortes. Há alguns dias li um texto que falava: “saiba tirar partido dos reveses” e “se existe fator que possa concorrer só por si para o triunfo na vida, esse é por certo a habilidade para saber aproveitar as lições que a adversidade nos dá…”. O texto diz que “há pessoas que se esforçam por esquecer os seus reveses, mas que isso não é possível. O que acontece é que a pessoa reprime as emoções e tenta sepulta-las, porém, transformar-se-ão em pensamentos venenosos, receios, ódios, depressões, sentimentos de várias ordens contra a família, os amigos, os grupos sociais e a sociedade”.
Diante disso, podemos afirmar que não há como apagar o passado. Temos sim, é que tirar lições dele para os futuros desafios, o encarando com otimismo e como oportunidade de sermos melhores e, por que não dizer, vencedores. Ninguém se aprimora se não passar por experiências dolorosas. Não podemos, portanto, ignorá-lo por pior que ele tenha sido.
Essa pessoa com quem eu conversava me dizia: “Queimei tudo que eu havia escrito, queimei os objetos, as cartas que recebi, tudo foi para a fogueira. Não tenho mais nada que me lembre o passado”. Fixei os olhos nela e falei: “ Caríssima! Que pena! Isso é impossível ao ser humano. Me preocupo porque sei que ficarás ou já estás muito doente”. Ela disse que havia muito sofrimento em tudo aquilo, que havia conseguido tudo aquilo com muito sacrifício e que ela não ia mais precisar deles, uma vez que estava se afastando de tudo. Estranho! Se foram assim tão difíceis de serem obtidos, deveriam ser troféus para serem admirados e não lixo para ser eliminado. Carinhosamente a alertei que ela estará a vida toda sempre à procura de algo que não vai encontrar. Ou muda ou será uma eterna frustrada (como pessoa; como esposa; como profissional). Nunca vai se fixar em nada. Relatou-me inúmeras atividades que tentou fazer, mas não persistiu em nenhuma delas, está sempre insatisfeita. Foi quando a disse que precisa fazer as pazes com o passado, pois essa fuga precisa terminar um dia para que ela possa finalmente se encontrar e ser feliz. Por este motivo não acredito que seja possível apagar o passado e isso é o que toda a literatura nos diz. Posso me livrar das coisas externas, mas não domino o meu coração, é impossível apagar o passado que estará lá à vida toda, se fazendo presente e me avisando que estará no futuro. Pedi carinhosamente a ela, joga fora o chicote que tu estás usando neste momento. Teu coração sabe onde está esse chicote. Para de te punir! A própria Bíblia nos diz que é impossível nos livrarmos do passado. (Salmo 78, 2-4).
E o que é mais importante: é preciso crer e confessar que o Deus do Cuidado caminha do nosso lado e nos ajuda a carregar as dores das amargas recordações. A Bíblia nos ensina a vermos de forma positiva o nosso passado, mesmo que dele façam parte as tristes recordações. O povo de Deus não se lembra apenas das grandes vitórias alcançadas, mas também das derrotas sofridas. No Novo Testamento não são lembrados apenas os grandes milagres e a ressurreição de Jesus, mas também a traição, as lágrimas, o Getsêmani e a morte do Filho de Deus na cruz do Calvário. Assim, o nosso passado é uma espécie de pote onde está guardado um precioso tesouro. A cada novo dia vivemos novas experiências e sempre temos decisões a tomar. Em razão dessas escolhas podemos acertar ou errar. E se acertamos ótimo, se erramos, basta corrigirmos, pronto, acabou o sofrimento!
Vejam que aceitamos e justificamos os nossos erros, mas não suportamos os deslizes do outro. Com memória curta ou anestesiada pela soberba, pelo narcisismo como me disse o psiquiatra, pelo orgulho,... deixamos perder em nossas lembranças o fato de que não somos irrepreensíveis. Esquecemos que também temos um “telhado de vidro” e por outras inúmeras vezes fomos objeto da misericórdia e da complacência de outras pessoas, quando nos víamos numa situação parecida.
Temos de entender que as pessoas em nossas vidas, as pessoas com quem nos relacionamos é muito mais que um simples produto que – uma vez “arranhado” por causa de um fato ou com “data de validade vencida”- perde seu valor e sua integridade. A beleza de cada ser humano está na sua capacidade infinita de desejar viver uma nova história. Mesmo que ele tenha vivido um passado maculado pelas dificuldades, contingências, nenhum de nós é íntegro o bastante para julgá-lo e condená-lo, devemos sim, é perdoar... e fazermos disso um eterno recomeçar!
Por isso tudo que reafirmo o que a Bíblia nos diz, a ciência nos diz e a experiência de vida nos mostra. É impossível apagar o passado! Se quiseres curar teu coração... não tentas matar ou sepultar teu passado... isso só vai gerar mais dor, insatisfação e sofrimento!
O passado tem relação direta com o teu presente e terá muito com o teu futuro. O dia é hoje e a hora é agora! Fazes as pazes com o teu passado e sejas feliz... errar, todos erram... e perdoar é uma ordem divina.
É NATAL tempo de conversão! Tempo de vida e não de morte e sofrimento... é o momento de se renascer para o amor...
Pense nisso!
Shalom!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Angústia e Frustração

Por Diácono Carlinhos


Há alguns dias eu havia escrito sobre “frustração” (http://cljparoquiasaojose.blogspot.com/), até brinquei que já andava frustrado pelas inúmeras vezes que começava a escrever sobre esse tema e terminava escrevendo sobre outro, mas dei-me conta que me esqueci de abordar a “ANGÚSTIA”, sentimento que na maioria das vezes é a fonte da frustração.

Pois quantas vezes nos parece que o peito vai estourar de tanta dor, a garganta se fecha e a ansiedade ataca, vem a tristeza, a solidão, a sensação de estarmos sozinhos mesmo no meio de uma multidão, vontade de abandonar tudo, jogar tudo para o alto... Isso tudo são sintomas da angústia, geralmente provocada por frustrações, sentimentos de ingratidão, sentimentos de culpa e também por inseguranças. Uma traição, por exemplo, nos leva a um sentimento de frustração que provoca angústia. Outro exemplo: uma pessoa que fala algo na hora sob o efeito de forte emoção (sem pensar) ou faz algo sob essa mesma emoção e se arrepende depois, isso provoca angústia, pela dificuldade que fica em resolver todo o quadro. Não esquecendo que conforme uma Lei da Física - para cada ação há uma reação. Assim, nem sempre a reação das pessoas ocorre como planejamos e as coisas parecem que escorregar pelos nossos dedos e isso termina em angústia e frustrações, pois as vezes, parece que não conseguiremos mais retornar ao caminho. Não tenha medo – “não percas de vista o ponto de partida e qual é o nosso ideal”.

Os especialistas nos dizem que para tratarmos isso, precisamos encontrar a causa (analisarmos onde está o começo de tudo) e assim eliminarmos a angústia e com isso superarmos a frustração. Caso contrário, essa inquietude vai nos deixar mais ansiosos, mais frustrados e a cada dia mais doentes. Vamos aos poucos nos afastando da vida, das pessoas, do convívio, dos grupos sociais e o reestabelecimento dessa rede torna-se dia-a-dia mais penoso e doloroso. É preciso nos damos conta que se faz necessário percorrermos o caminho de volta urgentemente. O dia é hoje e o momento é agora!

Caso isto não seja feito, corrigirmos aquilo que motivou o começo de nosso problema, vamos sofrer com a angústia pelo resto da vida. Os exemplos estão ai ao nosso alcance, basta analisarmos pessoas com quem convivemos, as quais são eternamente frustradas ou tristes, porque deixaram passar o seu momento de corrigir um fato ou uma situação.

Veja bem! Ou nós buscamos logo a solução para esta angústia ou teremos sentimentos de culpa, conflitos familiares, conflitos amorosos, conflitos conjugais, inseguranças, tristezas, entre tantas outras perdas, pelo resto de nossas vidas.

Será triste e frustrante lá no futuro lembrarmos-nos de algo que fizemos ou deixamos de fazer, simplesmente por termos deixado de corrigir apenas um aspecto em nossa trajetória de vida. Pelo simples fato de não corrigirmos um momento em nossas vidas, nos privamos da verdadeira felicidade, da verdadeira alegria e do que realmente é viver a vida. Isso tudo, seja motivado pelo medo, orgulho, vergonha, vaidade ou outros sentimentos que nos impedem de corrigirmos apenas um gesto ou atitude. Aceitar que erramos ou que erraram conosco, que devemos perdoar ou pedir perdão, isto é o começo de toda a solução.

Devemos lembrar que durante toda nossa vida vamos ter problemas, mas nem por isto devemos viver a vida toda angustiados. Assim, devemos aprender com eles. Quantas pessoas têm problemas e não são angustiadas, porque sabem lidar com toda essa situação e corrigem o curso tão logo se afastam do caminho (dar um passo para o lado).

Temos que aliviar esta pressão interna equilibrando o corpo e reprogramando a mente. Sem trabalhar a causa (fazer o caminho de volta) para eliminarmos de forma definitiva a ANGÚSTIA, vamos estar sempre expostos a este problema. Não adianta tentarmos o contrario, um dia ele volta por sentimento de frustração, outro por sentimento de culpa, outro por insegurança, outro por raiva, outro por indignação, outro por sensação de abandono e assim sucessivamente estaremos expostos a pressões que vai aos poucos nos contaminando, matando sentimentos e causando cada vez mais angústia, afastamento, dor e sofrimento. É no peito que todas essas emoções se manifestam. O peito funciona como uma caixa de ressonância de nossas emoções.

Quer saber se você está bem emocionalmente? Perceba o que sente no peito!

Veja bem! A proposta é olha para dentro do teu peito (coração) e veja o que está sentindo... Não o que demonstras externamente para os outros (alegria – euforia – falsos risos – falsa felicidade, etc)... Vai para dentro do teu quarto, te recolhe depois de uma oração... faz uma reflexão e verificas o que realmente está sentindo. A partir dessa análise. Não tenhas medo! Não tenhas vergonha! Ora, se a causa da angústia são emoções mal resolvidas ou mal compreendidas, palavras ditas ou não ditas, gestos feitos ou não feitos, tenta solucioná-los agora e não mais sofrer deste mal, tendo consciência que este sentimento não afeta apenas a gente, mas também nossa família, nossos círculos sociais e todos os demais que nos rodeiam, começam um a um ficar doentes também.

Porque os especialistas nos afirmam que se isto não for feito (resolvermos a causa de nossa angústia) vamos sofrer deste mal até a morte, e ninguém em sã consciência vai querer sofrer por toda uma vida, simplesmente pelo fato de não querer dar um passo ao lado. Não te prives das melhores coisas que Deus te proporciona, apenas para não reparar um sentimento ou uma situação equivocada. Ora, se sabemos a causa do que está nos provocando a angústia – por que não resolvê-la logo? Seja ela por sentimento de culpa, seja por sentimento de injustiça, de ingratidão, seja por desconfiança, seja pelo motivo que for, a cura só vai acontecer quando te deres conta do que está te causando isso tudo e o quanto tu estás perdendo com tais sentimentos.

Concluindo, é possível resumir tudo em: busque a causa da tua angústia e superarás as tuas frustrações. O melhor remédio para a angústia é o amor. Afinal, o amor é uma alegria no peito e angústia e uma dor no peito. Assim quem quer alegria e não dor no peito, perdoa. Quem ama volta atrás de uma decisão precipitada ou impensada, quem ama cuida, zela, sente-se responsável. Não podemos combater a angústia só atuando na mente. Com relaxamentos, meditações ou atuando só no físico com alimentação e exercícios, a solução passa necessariamente pelo conhecimento da causa e pelas AÇÕES (ou seja, na IMITAÇÃO DE CRISTO), percorrendo, ser for o caso, o caminho de volta, onde o Pai nos espera de braços abertos, assim como esperou o Filho Pródigo, dando-lhe roupas novas, um anel e fazendo uma festa.

Nunca esquecendo - A OVELHA SOU EU! http://www.youtube.com/watch?v=_kseoTNbI_A&feature=related

Pense nisso!

Aja! A hora é hoje e o momento é agora!

Seja feliz e faça feliz todos aqueles que te são caros... Shalom!

LEVANTA-TE E VEM PARA O MEIO!

É O QUE DEUS FALA AO TEU CORAÇÃO NESSE MOMENTO

Toda espiritualidade cristã é busca de santidade. O grande apelo de Jesus é "sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito" (Mt 5, 48). Ser cristão é, pois, buscar viver este apelo, cuja prática Jesus sintetiza no seu mandamento novo: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei" (Jo 15, 12).

NÃO BASTA DIZER SIM! É PRECISO QUERER e IR...”

Disse Jesus aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo: “Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: ‘Filho, vai trabalhar hoje na vinha!’ O Filho respondeu: ‘Não quero’. Mas depois mudou de opinião e foi. O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: ‘Sim, senhor, eu vou’. Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?”Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “O primeiro”. (Mt 21, 28-32)

Mais uma vez Jesus nos revela a metodologia do Pai, diferente da do mundo. Ele é muito claro quando nos adverte que não são as palavras nem as promessas, mas as NOSSAS ações que têm valor diante de Deus. VALE AQUILO QUE ESTAMOS FAZENDO!

Mesmo que por algum momento tenha dito não para o PROJETO que Deus me pediu, o homem pode arrepender-se e fazer a vontade de Deus. Se tu tiveres dito NÃO a vontade de Deus, não te envergonhes, volte atrás, muda tua opinião, não tens que justificar nada, basta QUERER e IR. E os teus irmãos que te aguardam deverão te esperar de braços abertos, assim como o Pai Misericordioso esperou ao filho.

Mudar de opinião, mudar de mentalidade, dar um passo para o lado e voltar para o caminho isto é conversão!

A misericórdia de Deus se manifesta quando a pessoa, arrependida porque crê e confia no perdão de Deus, volta atrás e retoma o caminho que Deus lhe propôs. Principalmente porque devemos ter a consciência que a todos nós Deus confia outras pessoas a quem devemos dar Testemunho e trazermos para perto d’Ele.

Portanto, nem sempre as nossas palavras nos levam à ação, mas o desejo que temos no coração de fazermos a vontade de Deus, para isso precisamos apenas QUERER e IR ao encontro do Pai. Dar um passo para o lado e voltarmos ao caminho que Ele nos convidou.

Conforme nos diz os Evangelhos não podemos ser "como um caniço agitado pelo vento", que se inclina de um lado para o outro ao sabor das pressões ou dos nossos interesses pessoais. Não podemos hoje sermos cristãos e darmos testemunho d’Ele e amanhã não sermos mais e darmos contratestemunho. Isso nos tira da Fila da Comunhão.

Deus quis vir ao mundo do mesmo jeito que cada um de nós nasceu. Assim Jesus pode sentir na sua carne os mesmos sentimentos, aflições, alegrias e dores que nós sentimos. Por isso não é errado ou feio, sentirmos dores, aflições, angustia... Às vezes chorarmos, ficarmos tristes... não é feio dizermos que fraquejamos, pedirmos ajuda, reconhecermos que nos equivocamos, que não era aquela nossa intenção, que talvez tenhamos sido mal interpretados. O seguidor de Jesus antes de mais nada deve ser humilde como Ele foi. Mesmo tendo sido tentado, tendo fraquejado, nem por isso precisamos abandonar o PROJETO que Ele nos propõe e se por ventura em algum momento dissemos não, basta retornarmos ao caminho que Ele nos indicou e nos chamou para EVANGELIZAR.

As ordens de Deus também nos chegam através das pessoas que nos orientam, da Palavra (Bíblia) que nos instruem, através dos pensamentos que veem após a nossa oração ou meditação, dos convites que Deus nos faz através dos outros irmãos. Por isso não podemos nos justificar afirmando que não sabemos qual é o Plano de Deus para nós.

Tudo nos fala de Deus, portanto, precisamos com muita atenção, sondarmos os pensamentos que o Espírito Santo nos revela para pôr em prática a vontade do Pai para a nossa vida, e assim nos tornarmos justos.

Deus tem plano e PROJETOS para cada um de nós.

Ele vai nos indicando e colocando esses planos e projetos a medida que nos colocamos ao Seu serviço. Ele nos pede que cuidemos do outro (do nu, do doente, do preso...).

Na meditação do começo da semana falamos sobre Como se há de resistir às tentações E AO DEMÔNIO? Da imitação de Cristo e desprezo de todas as vaidades do mundo! Extraído da obra de Tomás Kempis, onde nos foi mostrado que as nossas ações não afetam apenas a nós, mas afetam diretamente a nossa família.

Deus fala conosco diariamente através das pessoas, dos fatos que acontecem em nossa volta, Ele nos dá avisos, Ele nos alerta, Ele nos mostra que as “tentações e o demônio” nos ronda, nos cerca. Temos que reconhecer esses avisos, temos que reconhecer esses fatos e superarmos todas as formas de tentações (orgulho – raiva – ódio – cegueira espiritual...);

Lembrando que muitas vezes é de grande proveito ao servo de Deus passar por tais provações, porque o demônio não tenta aos infiéis e pecadores, que já tem seguros: aos fiéis devotos, porém, ele tenta e molesta de vários modos.

Agora! Vai depender de ti se aceitares as tentações e condenares a ti e a muitos outros que dependem dos teus ensinamentos e do teu testemunho. Se não queres a tua condenação e daqueles que te foram confiados imita a Cristo e fica sempre com Deus no teu coração. Muitos que sucumbem às tentações não condenam apenas a si próprio, mas a ele e a muitos de sua família e a muitos que lhe foram confiados evangelizar.

No Evangelho acima aquele filho que disse que não ia, mas foi, é quem terá vez no reino dos céus Valerá, então, o tempo do arrependimento e esse tempo é agora, neste momento, neste instante, durante essa oração... DEUS FALA AO TEU CORAÇÃO NESSE MOMENTO: VOLTA E CUMPRE O TRABALHO PARA O QUAL TE CONVIDEI! ESQUECE O QUE O MUNDO TE DISSE E OUVE AQUILO QUE DEUS TE DIZ...

OUVE O QUE ELE FALA DIRETAMENTE PARA TI AGORA! POIS NÃO BASTA DIZER SIM! É PRECISO QUERER e IR. ENTÃO VÁ, O DIA E A HORA É AGORA! LEVANTA-TE E VEM PARA O MEIO, FOI O QUE JESUS DISSE AO QUE SOFRIA E É O QUE ELE ME DIZ AGORA... E ASSEGURA A TUA SALVAÇÃO E A DE TODOS AQUELES QUE ELE TE CONFIOU.

REZEM, MEDITEM, VEJAM OS AVISOS QUE DEUS TEM NOS DADO E AJA... O MOMENTO E A HORA É AGORA... NÃO PERCA TEMPO, PORQUE DEPOIS NOSSA CONSCIÊNCIA IRÁ NOS COBRAR PELO RESTO DA VIDA... "EIS QUE FAÇO NOVA TODAS AS COISAS" - BASTA QUERER E IR!

REZARAM?

AGORA FECHE OS OLHOS E ANALISA TUA VIDA E OS FATOS QUE ESTÃO ACONTECENDO NELA... OLHA DENTRO DO TEU CORAÇÃO AGORA E OUVE O QUE DEUS ESTÁ TE DIZENDO AGORA? E CUMPRE O QUE JESUS DETERMINOU - "VÁ E FAÇA O MESMO!" (OU SEJA, RETOME O PROJETO DE DEUS, FAÇA O BEM, PREGUE O AMOR, O PERDÃO, A UNIÃO, A COMPAIXÃO E TE AFASTE DAS TENTAÇÕES DE DO DEMÔNIO QUE O MUNDO TE INDICA).

Por Diácono Carlinhos

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

COMO SE HÁ DE RESISTIR ÀS TENTAÇÕES E AO DEMÔNIO?

(Extrato da obra – A Imitação de Cristo! de Tomás Kempis)

Da imitação de Cristo e desprezo de todas as vaidades do mundo!

Quem me segue não anda nas trevas, diz o Senhor (Jo 8,12). São estas as palavras de Cristo, pelas quais somos advertidos que imitemos sua vida e seus costumes, se verdadeiramente queremos ser iluminados e livres de toda cegueira de coração. Seja, pois, o nosso principal empenho meditar sobre a vida de Jesus Cristo.

Que te aproveita discutires sabiamente sobre a Santíssima Trindade, se não és humilde, desagradando, assim, a essa mesma Trindade? Na verdade, não são palavras elevadas que fazem o homem justo; mas é a vida virtuosa que o torna agradável a Deus.

Para seguires a imitação de Cristo, precisas olhar de como está tua vida hoje? Tens te sentido tentado? Quais são teus propósitos espirituais? Tens te sentido cansado? Fraco? Perseguido? Abandonado? Enquanto vivemos neste mundo, não podemos estar sem trabalhos e tentações, fazem parte da nossa vida, não é possível fugir delas, se tentarmos ficamos doentes no plano físico e no espiritual. Por isso lemos no livro de Jó (7,1): É um combate a vida do homem sobre a terra. Cada qual, pois, deve estar acautelado contra as tentações, mediante a vigilância e a oração, para não dar azo às ilusões do demônio, que nunca dorme, mas anda por toda parte em busca de quem possa devorar (1 Pd 5,8). Ninguém há tão perfeito e santo, que não tenha, às vezes, tentações, e não podemos ser delas totalmente isentos. O demônio se aproxima de um para tentá-lo, enfraquecer sua família, sua vida, seus ambientes e sua igreja. Para superá-lo, imite a Cristo.

São, todavia, utilíssimas ao homem às tentações, posto que sejam modestas e graves, porque nos humilham, purificam e instruem. Todos os santos passaram por muitas tribulações e tentações, e com elas aproveitaram; aqueles, porém, que não as puderam suportar foram reprovados e pereceram. Não há Ordem tão santa nem lugar tão retirado, em que não haja tentações e adversidades. Supere a tentação com a imitação a Cristo.

Nenhum homem está totalmente livre das tentações, enquanto vive, porque em nós mesmos está a causa donde procedem: a concupiscência em que nascemos. Mal acaba uma tentação ou tribulação, outra sobrevém, e sempre teremos que sofrer, porque perdemos o dom da primitiva felicidade. Muitos procuram fugir às tentações, e outras piores encontram. Não basta a fuga para vencê-las; é pela paciência e verdadeira humildade que nos tornamos mais fortes que todos os nossos inimigos. Para vencermos a dor das tentações temos que descer do pedestal que o demônio nos propõe – o pedestal da vaidade, do orgulho, do ciúme, da avareza, da falta de amor, da falta de perdão... Quem fica em cima destes pedestais está afastado de Deus. Supere imitando a Cristo.

Pouco adianta quem somente evita as ocasiões exteriores, sem arrancar as raízes; antes lhe voltarão mais depressa às tentações, e se achará pior. Vencê-las-á melhor com o auxílio de Deus, a pouco e pouco com paciência e resignação, que com importuna violência e esforço próprio. Toma a miúdo conselho na tentação e não sejas desabrido e áspero para o que é tentado, trata antes de o consolar, como desejas ser consolado. Deus conhece o teu coração, sabe das tentações que está sofrendo, da dor física, psíquica e espiritual, mas ao mesmo tempo te dá a oportunidade de vencê-la, imitando a Cristo.

Assim como o ferro é provado pelo fogo, o justo é pela tentação. Ignoramos muitas vezes o que podemos, mas a tentação manifesta o que somos. Todavia, devemos vigiar, principalmente no princípio da tentação; porque mais fácil nos será vencer o inimigo, quando não o deixarmos entrar na alma, enfrentando-o logo que bater no limiar. Então a partir de hoje, não te deixes mais tentar, sozinho jamais conseguirá vencer ao maligno. Imite a Cristo.

Por isso disse alguém: Resiste desde o princípio, que vem tarde o remédio, quando cresceu o mal com a muita demora (Ovídio). Porque primeiro ocorre à mente um simples pensamento, donde nasce à importuna imaginação, depois o deleite, o movimento; a raiva; a ira; o orgulho; a vaidade; e assim, pouco a pouco, entra de todo na alma o malvado inimigo. E quanto mais alguém for indolente em lhe resistir, tanto mais fraco se tornará cada dia, e mais forte o seu adversário. Para superar cada momento de tentar é preciso fazer as pazes com Deus. Imite a Cristo.

Uns padecem maiores tentações no começo de sua conversão, outros, no fim; outros por quase toda a vida são molestados por elas. Alguns são tentados levemente, segundo a sabedoria da divina Providência, que pondera as circunstâncias e o merecimento dos homens, e tudo predispõe para a salvação de seus eleitos. Portanto, o maligno busca a discórdia e tenta entre os justos. Se te sentes tentado agora, imite a Cristo.

Por isso não devemos desesperar, quando somos tentados; mas até, com maior fervor, pedir a Deus que se digne ajudar-nos em toda provação, pois que, no dizer de São Paulo, nos dará graça suficiente na tentação para que a possamos vencer (1 Cor 10,13). Humilhemos, portanto, nossas almas, debaixo da mão de Deus, em qualquer tentação e tribulação porque ele há de salvar e engrandecer os que são humildes de coração. Durante tuas tentações imite a Cristo.

Nas tentações e adversidades se vê quanto cada um tem aproveitado; nelas consiste o maior merecimento e se patenteia melhor a virtude. Não é lá grande coisa ser o homem devoto e fervoroso quando tudo lhe corre bem; mas, se no tempo da adversidade conserva a paciência, o amor, a união e a oração. O justo cuida do tentado e juntos buscam a salvação na imitação de Cristo.

Tem alguns que sofrem muito com os defeitos dos outros, porém, se alguém, com uma ou duas advertências, não se corrigir, não te irrites com ele; mas encomenda tudo a Deus para que seja feita a sua vontade, e seja ele honrado em todos os seus servos, pois Ele sabe tirar bem do mal. Não compete a ti julgá-lo. Procura sofrer com paciência os defeitos e quaisquer imperfeições dos outros, pois tens também muitos defeitos e imperfeições que os outros têm de aturar. Se não te podes modificar como desejas, como pretendes ajeitar os outros à medida de teus desejos? Muito desejamos que os outros sejam perfeitos, e nem por isso reparamos ou corrigimos as nossas faltas. Queremos que os outros sejam corrigidos com rigor, e nós não queremos ser repreendidos. Estranhamos a larga liberdade dos outros, e não queremos sofrer recusa alguma. Queremos que os outros sejam apertados por estatutos e não toleramos nenhum constrangimento que nos coíba. Falamos que queremos ser livres, que queremos ser felizes, que nos sentimos sufocados e presos aos preceitos morais e doutrinários, porém, não nos damos conta o quanto somos ricos justamente por termos estes preceitos e estes valores. Eles nos tornam seres especiais, nos santificam e nos colocam próximos de Deus, através da imitação a Cristo.

Ora, Deus assim o dispôs para que aprendamos a carregar uns o fardo dos outros; porque ninguém há sem defeito; ninguém sem carga; ninguém com força e juízo bastante para si; mas cumpre que uns aos outros nos suportemos, consolemos, auxiliemos, instruamos e aconselhemos. Quanta virtude cada um possui, que melhor se manifesta na ocasião da adversidade; pois as ocasiões não fazem o homem fraco, mas revelam o que ele é. Justamente aqui vemos quem segue os ensinamentos e preceitos de Deus ou apenas os conhece é durante a tentação do justo que vemos quem reconhece a presença de Cristo.

Procura tempo oportuno para cuidar de ti – fazendo tua meditação - e relembra a miúdo os benefícios de Deus em tua vida pessoal e familiar. Faz um recolhimento interior. Olha com carinho as oportunidades que Deus te deu e as situações que colocou na tua vida. Renuncia às curiosidades do mundo. Não pode haver alegria e felicidade segura, sem o testemunho de boa consciência. No silêncio de teu quarto verificas quantas vezes Deus te visitou nos últimos tempos; quantas vezes Ele bateu na tua porta; quantas foram às vezes em que Ele te chamou pelo nome e te propôs mudanças.

Se queres fazer algum progresso, conserva-te no temor de Deus e não busques demasiada liberdade; refreia, antes, todos os teus sentidos com a disciplina e não te entregues à vã alegria. Procura a compunção do coração e acharás a devoção (= ação de não cometer ação má ou pecado). Longe da igreja não há salvação. Imite a Cristo. Pela leviandade do coração e pelo descuido dos nossos defeitos não percebemos os males de nossa alma; e muitas vezes, rimo-nos frivolamente, quando, com razão, devíamos chorar. Não nos damos conta que condenamos nossa alma e trazemos a tentação para dentro de nossa casa. Não há verdadeira liberdade nem perfeita alegria, sem o temor de Deus e Boa consciência. Ditoso aquele que pode apartar de si todo estorvo das distrações e recolher-se com santa compunção (tendo a certeza de não ter cometido ação má ou pecado). Ditoso aquele que rejeita tudo que lhe possa manchar, agravar ou machucar a consciência. Feliz aquele que quando tentado imita a Cristo.

Toda a perfeição, nesta vida, é mesclada de alguma imperfeição, não acertamos sempre e todas as nossas luzes são misturadas de sombras. Não te envergonhes das tuas tentações. Se errou, corrijas. Se te afastou da doutrina de Deus, volte. O humilde conhecimento de ti mesmo é caminho mais certo para Deus. Se estiveres sendo tentado agora, imite a Cristo e terás a tua cura assegurada. Grande sabedoria é não ser precipitado nas ações, nem aferrado obstinadamente à sua própria opinião. Quanto mais humilde for cada um em si e mais sujeito a Deus, tanto mais prudente será e calmo em tudo, agora, se algo ocorreu que te encolerizou, não persista no erro, corrijas, imites a Cristo. Não te esqueças de que errar é humano e reconhecê-lo é uma atitude madura e louvável a Deus.

Bem-aventurada a simplicidade, que deixa os caminhos dificultosos das discussões, para andar no caminho plano e firme dos mandamentos de Deus! Não te importes, nem disputes com teus próprios pensamentos, nem respondas às dúvidas que o demônio te sugere, mas crê nas palavras de Deus, crê nos seus santos e profetas, e fugirá de ti o malvado inimigo. Muitas vezes é de grande proveito ao servo de Deus passar por tais provações, porque o demônio não tenta aos infiéis e pecadores, que já tem seguros: aos fiéis devotos, porém, ele tenta e molesta de vários modos. Agora! Vai depender de ti se aceitares as tentações e condenares a ti e a muitos outros que dependem dos teus ensinamentos e do teu testemunho. Se não queres a tua condenação e daqueles que te foram confiados imita a Cristo e fica sempre com Deus em teu coração.

Uma feliz e abençoada semana! Shalom!