terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Dom Bosco: O Santo dos jovens


“Meus caros, eu vos amo de todo o coração, e basta que sejais jovens para que vos ame muitíssimo”.


 Nasceu no Colle dos Becchi, no Piemonte, Itália, uma localidade junto de Castelnuovo de Asti (agora se chama Castelnuovo Dom Bosco) a 16 de agosto de 1815. Era filho de humilde família de camponeses. Órfão de pai aos dois anos viveu sua mocidade e fez os primeiros estudos no meio de inumeráveis trabalhos e dificuldades. Desde os mais tenros anos sentiu-se impelido para o apostolado entre os companheiros. Sua mãe, que era analfabeta, mas rica de sabedoria cristã, com a palavra e com o exemplo animava-o no seu desejo de crescer virtuoso aos olhos de Deus e dos homens. Mesmo diante de todas as dificuldades, João Bosco nunca desistiu. Aos nove anos teve um sonho profético: pareceu-lhe estar no meio de uma multidão de crianças ocupadas em brincar; algumas delas, porém, proferiam blasfêmias. Joãozinho lançou-se, então, sobre os blasfemadores com socos e ponta-pés para fazê-los calar; eis, contudo, que se apresenta um Personagem dizendo-lhe: “Deverás ganhar estes teus amigos não com bastonadas, mas com a bondade e o amor... Eu te darei a Mestra sob cuja orientação podes ser sábio, e sem a qual, qualquer sabedoria torna-se estultícia”. O Personagem era Jesus e a Mestra Maria Santíssima, sob cuja orientação se abandonou por toda a vida e a quem honrou com o título de “Auxiliadora dos Cristãos”. Foi assim que João quis aprender a ser saltimbanco, prestidigitador, cantor, malabarista, para poder atrair a si os companheiros e mantê-los longe do pecado. “Se estão comigo, dizia à mãe, não falam mal”.
  
 Desejando fazer-se padre para dedicar-se totalmente à salvação das crianças, enquanto trabalhava de dia, passava as noites sobre os livros, até que, aos vinte anos, pode entrar no Seminário de Chieri e, em 1841, ser ordenado Sacerdote em Turim, aos vinte e seis anos. Turim, naqueles tempos, estava cheia de jovens pobres em busca de trabalho, órfãos ou abandonados, expostos a muitos perigos para alma e para o corpo. Dom Bosco começou a reuni-los aos domingos, às vezes numa igreja, outras num prado, ou ainda numa praça para fazê-los brincar e instruí-los no Catecismo até que, após cinco anos de grandes dificuldades, conseguiu estabelecer-se no bairro periférico de Valdocco e abrir o seu primeiro Oratório. Os garotos encontravam aí alimento e moradia, estudavam ou aprendiam uma profissão, mas, sobretudo aprendiam a amar o Senhor: São Domingos Sávio era um deles. Dom Bosco era amado incrivelmente pelos seus “molequinhos” (como os chamava). A quem lhe perguntava o segredo de tanta ascendência, respondia: “Com a bondade e o amor, eu procuro ganhar estes meus amigos para o Senhor”. Durante um tempo foi obrigado a mendigar para manter os estudos. Dizia: "Quando crescer quero ser sacerdote para tomar conta dos meninos. Os meninos são bons; se há meninos maus é porque não há quem cuide deles". A Divina Providência atendeu os seus anseios. Em 1835 entrou para o seminário de Chieri.
  
 Ordenado Sacerdote a 5 de junho de 1841, principiou logo a dar provas do seu zelo apostólico, sob a direção de São José Cafasso, seu confessor. No dia 8 de dezembro desse mesmo ano, iniciou o seu apostolado juvenil em Turim, catequizando um humilde rapaz de nome Bartolomeu Garelli. Começava assim a obra dos Oratórios Festivos, destinada, em tempos difíceis, a preservar da ignorância religiosa e da corrupção, especialmente os filhos do povo.Em 1846 estabeleceu-se definitivamente em Valdocco, bairro de Turim, onde fundou o Oratório de São Francisco de Sales. Ao Oratório juntou uma escola profissional, depois um ginásio, um internato etc. Em 1855 deu o nome de Salesianos aos seus colaboradores. Em 1859 fundou com os seus jovens salesianos a Sociedade ou Congregação Salesiana.Com a ajuda de Santa Maria Domingas Mazzarello, fundou em 1872 o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora para a educação da juventude feminina. Em 1875 enviou a primeira turma de seus missionários para a América do Sul. Foi ele quem mandou os salesianos para fundar o Colégio Santa Rosa em Niterói, primeira casa salesiana do Brasil, e o Liceu Coração de Jesus em São Paulo. Criou ainda a Associação dos Cooperadores Salesianos. Prodígio da Providência divina, a Obra de Dom Bosco é toda ela um poema de fé e caridade.
  
 Extenuado em suas forças pelo incessante trabalho, adoentou-se gravemente. Particular comovente: muitos jovens ofereceram ao Senhor a própria vida por ele. “... Aquilo que fiz, eu o fiz para o Senhor... Poder-se-ia ter feito mais... Mas os meus filhos o farão... A nossa Congregação é conduzida por Deus e protegida por Maria Auxiliadora”. Uma de suas recomendações foi esta: “Dizei aos jovens que os espero no Paraíso...”. Expirava em 31 de janeiro de 1888, em seu pobre quartinho de Valdocco, aos 72 anos de idade. Em 1º de Abril de 1934, foi proclamado santo pelo papa Pio XI, que teve a felicidade de conhecê-lo.

 Se em vida foi honrado e admirado, muito mais o foi depois da morte. O seu nome de taumaturgo, de renovador do Sistema Preventivo na educação da juventude, de defensor intrépido da Igreja Católica e de apóstolo da Virgem Auxiliadora se espalhou pelo mundo inteiro e ganhou o coração dos povos. Pio XI, que o conheceu e gozou da sua amizade, canonizou-o na Páscoa de 1934. Apesar dos anos que separam os dias de hoje do tempo em que viveu Dom Bosco, seu amor pelos jovens, sua dedicação e sua herança pedagógica vêm sendo transmitidos por homens e mulheres no mundo inteiro. Hoje Dom Bosco se destaca na história como o grande santo Mestre e Pai da Juventude. Embora tenha feito repercutir pelo mundo o seu carisma e o sistema preventivo de salesiano, que é baseado na Razão, na Religião e na Bondade, Dom Bosco permaneceu durante toda a sua vida em Turim, na Itália. Dedicou-se como ninguém pelo bem-estar de muitos jovens, na maioria órfãos, que vinham do campo para a cidade em busca deemprego e acabavam sendo explorados por empregadores interessados em mão-de-obra barata ou na rua passando fome e convivendo com o crime.Com atitudes audaciosas, pontuadas por diversas inovações, Dom Bosco revolucionou no seu tempo o modelo de ser padre, o sacerdote sempre considerou como essencial na educação dos jovens a devoção à Maria.
  
 Dom Bosco ficou muito famoso pelas frases que usava com os meninos do oratório e com os padres e irmãs que o ajudavam. Embora tenham sido criadas no século passado, essas frases, ainda hoje, são atuais e ricas de sabedoria. Elas demonstram o imenso carinho que Dom Bosco tinha pelos jovens. Entre alguns exemplos, "Basta que sejam jovens para que eu vos ame.", "Prometi a Deus que até meu último suspiro seria para os jovens.", "O que somos é presente de Deus; no que nos transformamos é o nosso presente a Ele", "Ganhai o coração dos jovens por meio do amor", "A música dos jovens se escuta com o coração, não com os ouvidos."
  
 O método de apostolado de Dom Bosco era o de partilhar em tudo a vida dos jovens; para isto no concreto abriu escolas de alfabetização, artesanato, casas de hospedagem, campos de diversão para os jovens com catequese e orientação profissional; foi por isso a Igreja reza: "Deus suscitou São João Bosco para dar à juventude um mestre e um pai".Foi, além de um homem de caridade operosa, um místico entre os maiores. Toda a sua obra foi haurida na união íntima com Deus que, desde jovem, cultivou zelosamente e desenvolveu no abandono filial e fiel ao plano que Deus tinha predisposto para ele, guiado passo a passo por Maria Santíssima, que foi a Inspiradora e a Guia de toda a sua ação. Sua perfeita união com Deus foi, talvez como em poucos Santos, unida a uma humanidade entre as mais ricas pela bondade, inteligência e equilíbrio, à qual se acrescenta o valor de um conhecimento excepcional do espírito, amadurecido nas longas horas passadas todos os dias no ministério das confissões, na adoração ao Santíssimo Sacramento e no contato contínuo com os jovens e com pessoas de todas as idades e condições. Dom Bosco formou gerações de santos porque levou os seus jovens ao amor de Deus, à realidade da morte, do julgamento de Deus, do Inferno eterno, da necessidade de rezar, de fugir do pecado e das ocasiões que levam a pecar, e de aproximar-se freqüentemente dos Sacramentos.

“Encontrareis escritores muito mais virtuosos e doutos do que eu, mas dificilmente podereis encontrar alguém que vos ame mais em Jesus Cristo, e mais do que eu deseje a vossa verdadeira felicidade”.


Fonte: www.auxiliadora.org.br  e  www.db-piracicaba.com.br

Postado por: Bruno Trindade

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Hóstia: O que a palavra lhe sugere?

Certa vez, pensando sobre o "Sacramento da Caridade", me fiz a seguinte pergunta: Por que será que costumamos associar "eucaristia" com "hóstia".

Fala-se em adorar a hóstia, ajoelhar-se diante da hóstia, levar a hóstia em procissão (na festa de Corpus Christi), guardar a hóstia... Uma criança chegou certa vez para a catequista e perguntou: "Tia, quanto tempo falta para eu tomar a hóstia?" (Referia-se à primeira comunhão).

Tive então a idéia de ir atrás da origem da palavra "hóstia". Corri para um dicionário (aliás, vários), e me dei conta que esta palavra vem do latim. Descobri que, em latim, "hóstia" é praticamente sinônimo de "vítima". Ao animal sacrificado em honra dos deuses, à vítima oferecida em sacrifício à divindade, os romanos (que falavam latim) chamavam de "hóstia". Ao soldado tombado na guerra vítima da agressão inimiga, defendendo o imperador e a pátria, chamavam de "hóstia". Ligada à palavra "hóstia" está a palavra latina "hóstis", que significa: "o inimigo". Daí vem a palavra "hostil" (agressivo, ameaçador, inimigo), "hostilizar" (agredir, provocar, ameaçar). E a vítima fatal de uma agressão, por conseguinte, é uma "hóstia".

Então, aconteceu o seguinte: O cristianismo, ao entrar em contato com a cultura latina, agregou no seu linguajar teológico e litúrgico a palavra "hóstia", exatamente para referir-se à maior "vítima" fatal da agressão humana: Cristo morto e ressuscitado.

Os cristãos adotaram a palavra "hóstia" para referir-se ao Cordeiro imolado (vitimado) e, ao mesmo tempo ressuscitado, presente no memorial eucarístico.

A palavra "hóstia" passa, pois, a significar a realidade que Cristo mesmo mostrou naquela ceia derradeira: "Isto é o meu corpo entregue... o meu sangue derramado". O pão consagrado, portanto, é uma "hóstia", aliás, a "hóstia" verdadeira, isto é, o próprio Corpo do ressuscitado, uma vez mortalmente agredido pela maldade humana, e agora vivo entre nós feito pão e vinho, entregue para ser comida e bebida: Tomai e comei..., tomai e bebei...

Infelizmente, com o correr dos tempos, perdeu-se muito este sentido profundamente teológico e espiritual que assumiu a palavra "hóstia" na liturgia do cristianismo romano primitivo, e se fixou quase que só na materialidade da "partícula circular de massa de pão ázimo que é consagrada na missa". A tal ponto de acabamos por chamar de "hóstia" até mesmo as partículas ainda não consagradas!

Hoje, quando falo em "hóstia", penso na "vítima pascal", penso na morte de Cristo e sua ressurreição, penso no mistério pascal. Hóstia para mim é isto: a morte do Senhor e sua ressurreição, sua total entrega por nós, presente no pão e no vinho consagrados. Por isso que, após a invocação do Espírito Santo sobre o pão e o vinho e a narração da última ceia do Senhor, na missa, toda a assembléia canta: "Anunciamos, Senhor, a vossa morte, proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus".

Diante desta "hóstia", isto é, diante deste mistério, a gente se inclina em profunda reverência, se ajoelha e mergulha em profunda contemplação, assumindo o compromisso de ser também assim: corpo oferecido "como hóstia viva, santa, agradável a Deus" (Rm 12,1). Adorar a "hóstia" significa render-se ao seu mistério para vivê-lo no dia-a-dia. E comungar a "hóstia" significa assimilar o seu mistério na totalidade do nosso ser para se tornar o que Cristo é: entrega de si a serviço dos irmãos, hóstia...
  
Frei José Ariovaldo da Silva, OFM
                                                                 Postado por: Douglas Monteiro
Retirado de: CANÇÃO NOVA

SHALOM

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

"Silêncio e Palavra" Mensagem para o 46º Dia Mundial das Comunicações Sociais


O papa divulgou ontem, 24, a Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais 2012. Com o título “Silêncio e palavra: caminho de evangelização”, Bento XVI explica que as relações entre o silêncio e palavra são “dois momentos da comunicação que se devem equilibrar, alternar e integrar entre si para se obter um diálogo autêntico e uma união profunda entre as pessoas”.



Silêncio e palavra: caminho de evangelização

Amados irmãos e irmãs,

Ao aproximar-se o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2012, desejo partilhar convosco algumas reflexões sobre um aspecto do processo humano da comunicação que, apesar de ser muito importante, às vezes fica esquecido, sendo hoje particularmente necessário lembrá-lo. Trata-se da relação entre silêncio e palavra: dois momentos da comunicação que se devem equilibrar, alternar e integrar entre si para se obter um diálogo autêntico e uma união profunda entre as pessoas. Quando palavra e silêncio se excluem mutuamente, a comunicação deteriora-se, porque provoca um certo aturdimento ou, no caso contrário, cria um clima de indiferença; quando, porém se integram reciprocamente, a comunicação ganha valor e significado.

O silêncio é parte integrante da comunicação e, sem ele, não há palavras densas de conteúdo. No silêncio, escutamo-nos e conhecemo-nos melhor a nós mesmos, nasce e aprofunda-se o pensamento, compreendemos com maior clareza o que queremos dizer ou aquilo que ouvimos do outro, discernimos como exprimir-nos. Calando, permite-se à outra pessoa que fale e se exprima a si mesma, e permite-nos a nós não ficarmos presos, por falta da adequada confrontação, às nossas palavras e ideias. Deste modo abre-se um espaço de escuta recíproca e torna-se possível uma relação humana mais plena. É no silêncio, por exemplo, que se identificam os momentos mais autênticos da comunicação entre aqueles que se amam: o gesto, a expressão do rosto, o corpo enquanto sinais que manifestam a pessoa. No silêncio, falam a alegria, as preocupações, o sofrimento, que encontram, precisamente nele, uma forma particularmente intensa de expressão. Por isso, do silêncio, deriva uma comunicação ainda mais exigente, que faz apelo à sensibilidade e àquela capacidade de escuta que frequentemente revela a medida e a natureza dos laços. Quando as mensagens e a informação são abundantes, torna-se essencial o silêncio para discernir o que é importante daquilo que é inútil ou acessório. Uma reflexão profunda ajuda-nos a descobrir a relação existente entre acontecimentos que, à primeira vista, pareciam não ter ligação entre si, a avaliar e analisar as mensagens; e isto faz com que se possam compartilhar opiniões ponderadas e pertinentes, gerando um conhecimento comum autêntico. Por isso é necessário criar um ambiente propício, quase uma espécie de «ecossistema» capaz de equilibrar silêncio, palavra, imagens e sons.

Grande parte da dinâmica atual da comunicação é feita por perguntas à procura de respostas. Os motores de pesquisa e as redes sociais são o ponto de partida da comunicação para muitas pessoas, que procuram conselhos, sugestões, informações, respostas. Nos nossos dias, a Rede vai-se tornando cada vez mais o lugar das perguntas e das respostas; mais, o homem de hoje vê-se, frequentemente, bombardeado por respostas a questões que nunca se pôs e a necessidades que não sente. O silêncio é precioso para favorecer o necessário discernimento entre os inúmeros estímulos e as muitas respostas que recebemos, justamente para identificar e focalizar as perguntas verdadeiramente importantes. Entretanto, neste mundo complexo e diversificado da comunicação, aflora a preocupação de muitos pelas questões últimas da existência humana: Quem sou eu? Que posso saber? Que devo fazer? Que posso esperar? É importante acolher as pessoas que se põem estas questões, criando a possibilidade de um diálogo profundo, feito não só de palavra e confrontação, mas também de convite à reflexão e ao silêncio, que às vezes pode ser mais eloquente do que uma resposta apressada, permitindo a quem se interroga descer até ao mais fundo de si mesmo e abrir-se para aquele caminho de resposta que Deus inscreveu no coração do homem.

No fundo, este fluxo incessante de perguntas manifesta a inquietação do ser humano, sempre à procura de verdades, pequenas ou grandes, que dêem sentido e esperança à existência. O homem não se pode contentar com uma simples e tolerante troca de cépticas opiniões e experiências de vida: todos somos perscrutadores da verdade e compartilhamos este profundo anseio, sobretudo neste nosso tempo em que, «quando as pessoas trocam informações, estão já a partilhar-se a si mesmas, a sua visão do mundo, as suas esperanças, os seus ideais» (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2011).

Devemos olhar com interesse para as várias formas de sítios, aplicações e redes sociais que possam ajudar o homem atual não só a viver momentos de reflexão e de busca verdadeira, mas também a encontrar espaços de silêncio, ocasiões de oração, meditação ou partilha da Palavra de Deus. Na sua essencialidade, breves mensagens – muitas vezes limitadas a um só versículo bíblico – podem exprimir pensamentos profundos, se cada um não descuidar o cultivo da sua própria interioridade. Não há que surpreender-se se, nas diversas tradições religiosas, a solidão e o silêncio constituem espaços privilegiados para ajudar as pessoas a encontrar-se a si mesmas e àquela Verdade que dá sentido a todas as coisas. O Deus da revelação bíblica fala também sem palavras: «Como mostra a cruz de Cristo, Deus fala também por meio do seu silêncio. O silêncio de Deus, a experiência da distância do Onipotente e Pai é etapa decisiva no caminho terreno do Filho de Deus, Palavra Encarnada. (...) O silêncio de Deus prolonga as suas palavras anteriores. Nestes momentos obscuros, Ele fala no mistério do seu silêncio» (Exort.  ap. pós-sinodal Verbum Domini, 30 de Setembro de 2010, n. 21). No silêncio da Cruz, fala a eloquência do amor de Deus vivido até ao dom supremo. Depois da morte de Cristo, a terra permanece em silêncio e, no Sábado Santo – quando «o Rei dorme (…), e Deus adormeceu segundo a carne e despertou os que dormiam há séculos» (cfr Ofício de Leitura, de Sábado Santo) –, ressoa a voz de Deus cheia de amor pela humanidade.

Se Deus fala ao homem mesmo no silêncio, também o homem descobre no silêncio a possibilidade de falar com Deus e de Deus. «Temos necessidade daquele silêncio que se torna contemplação, que nos faz entrar no silêncio de Deus e assim chegar ao ponto onde nasce a Palavra, a Palavra redentora» (Homilia durante a Concelebração Eucarística com os Membros da Comissão Teológica Internacional, 6 de Outubro de 2006). Quando falamos da grandeza de Deus, a nossa linguagem revela-se sempre inadequada e, deste modo, abre-se o espaço da contemplação silenciosa. Desta contemplação nasce, em toda a sua força interior, a urgência da missão, a necessidade imperiosa de «anunciar o que vimos e ouvimos», a fim de que todos estejam em comunhão com Deus (cf. 1 Jo 1, 3). A contemplação silenciosa faz-nos mergulhar na fonte do Amor, que nos guia ao encontro do nosso próximo, para sentirmos o seu sofrimento e lhe oferecermos a luz de Cristo, a sua Mensagem de vida, o seu dom de amor total que salva.

Depois, na contemplação silenciosa, surge ainda mais forte aquela Palavra eterna pela qual o mundo foi feito, e identifica-se aquele desígnio de salvação que Deus realiza, por palavras e gestos, em toda a história da humanidade. Como recorda o Concílio Vaticano II, a Revelação divina realiza-se por meio de «ações e palavras intimamente relacionadas entre si, de tal modo que as obras, realizadas por Deus na história da salvação, manifestam e confirmam a doutrina e as realidades significadas pelas palavras; e as palavras, por sua vez, declaram as obras e esclarecem o mistério nelas contido» (Const. dogm. Dei Verbum, 2). E tal desígnio de salvação culmina na pessoa de Jesus de Nazaré, mediador e plenitude da toda a Revelação. Foi Ele que nos deu a conhecer o verdadeiro Rosto de Deus Pai e, com a sua Cruz e Ressurreição, nos fez passar da escravidão do pecado e da morte para a liberdade dos filhos de Deus. A questão fundamental sobre o sentido do homem encontra a resposta capaz de pacificar a inquietação do coração humano no Mistério de Cristo. É deste Mistério que nasce a missão da Igreja, e é este Mistério que impele os cristãos a tornarem-se anunciadores de esperança e salvação, testemunhas daquele amor que promove a dignidade do homem e constrói a justiça e a paz.

Palavra e silêncio. Educar-se em comunicação quer dizer aprender a escutar, a contemplar, para além de falar; e isto é particularmente importante paras os agentes da evangelização: silêncio e palavra são ambos elementos essenciais e integrantes da ação comunicativa da Igreja para um renovado anúncio de Jesus Cristo no mundo contemporâneo. A Maria, cujo silêncio «escuta e faz florescer a Palavra» (Oração pela Ágora dos Jovens Italianos em Loreto, 1-2 de Setembro de 2007), confio toda a obra de evangelização que a Igreja realiza através dos meios de comunicação social.

Vaticano, 24 de Janeiro – Dia de São Francisco de Sales – de 2012.

BENEDICTUS PP XVI

Texto extraído do site da CNBB
Postado por Felipe Drews

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Esclarecimentos: católicos e espíritas

Ou sou Católico… Ou sou Católico!

  O Brasil é o País com o maior número de batizados. Muitos são os batizados na Igreja Católica, porém, poucos são os “CATÓLICOS”. É comum ouvirmos: sou católico, mas não praticante! Na verdade, não é nada! Não existe meio termo! São João, no Livro do Apocalipse, assim diz: “… não és nem frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente; mas, visto que és morno, nem frio nem quente, vou te vomitar da minha boca” (Apocalipse 3, 15-16). Além disso, não podemos servir a dois senhores, ou ainda, ter uma fé-religião de conveniência, interesse, utilidade… A nossa opção é uma decisão de fé!

Catolicismo versus Espiritismo

  O Espiritismo é amplamente difundindo nos dias de hoje. Infelizmente, alguns “católicos” declaram-se “espíritas” (ou adeptos da doutrina espírita) e vice-versa. Isto tudo, no entanto, revela, ao mesmo tempo, um desconhecimento total da teologia católica e da doutrina espírita. Total ignorância!Em breve síntese comparativa, é possível demonstrar – a partir de alguns aspectos – o abismo e a contradição existentes entre a Teologia Católica e o Espiritismo (Kardecista).
  A) Importante ter presente que o Espiritismo não é uma religião, mas uma doutrina.
  B) Para nós cristãos-católicos a vida humana é irrepetível e única: “Está decretado que o homem morra uma só vez, e depois disto é o julgamento” (Carta aos Hebreus 9, 27). Assim, a morte é o fim da peregrinação terrestre. Quando tiver terminado “o único curso da nossa vida terrestre” (Lumen Gentium, 48), não voltaremos mais a outras vidas terrestres. Cremos na vida eterna! (cf. João 6, 27.51; Mateus 10, 28). A doutrina Espírita crê na pluralidade das existências terrestres. Assim, nossa vida atual não é a primeira nem será a última existência corporal (doutrina da reencarnação).

Ressurreição versus Reencarnação

C) Nós cristãos-católicos acreditamos firmemente na Ressurreição da carne. Como Cristo ressuscitou dos mortos e vive para sempre, assim também, depois da morte, os justos viverão para sempre com Cristo ressuscitado e Ele os ressuscitará no último dia (João 6, 39-40). A ressurreição dos mortos é um elemento essencial da fé cristã (cf. 1ª Carta aos Coríntios 15, 12-14.20). Deus na sua onipotência restituirá definitivamente a vida incorruptível aos nossos corpos unindo-os às nossas almas. O Espiritismo centraliza a sua doutrina na reencarnação. A alma humana, separada do corpo pela morte, irá, durante certo tempo, alojar-se em outro corpo humano para purificar-se. Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar: eis a lei! A reencarnação traz consigo duas leis: a lei do progresso e a lei de causa-e-efeito. Na lei do progresso, é afirmado que a cada reencarnação o espírito avança no estágio da perfeição, sem regresso. À alma evoluída totalmente dá-se o nome de “espírito de luz”. Na lei de causa-e-efeito ou “lei do karma” acontece a purificação. O “karma” aparece como um sistema de purificação e progresso do espírito, onde todas as más ações devem ser purificadas, nesta ou em vidas seguintes. Decorre desta concepção, uma visão essencialmente dualista e negativa do corpo humano!

Misericórdia versus “Karma”


  D) Nós cristãos-católicos acreditamos na Misericórdia de Deus, na remissão dos pecados. Cremos na cruz redentora de Jesus, no seu amor que tudo renova, recria… O Espiritismo, baseado na “lei do karma”, crê que tudo o que se faz de errado deve ser pago. A conquista da meta final, para o espírita, se obtém por méritos próprios: em cada nova existência a alma avança e progride na proporção de seus esforços. A alma deve se reencarnar para expiar (remir) seus pecados e para progredir sem cessar.
Jesus, nosso Deus e Salvador versus Auto-redenção
  E) Nós cristãos-católicos temos em Deus, a fonte de toda a vida, de toda a graça. A salvação vem de Deus. “É pelo sangue de Jesus Cristo que temos a redenção, a remissão dos pecados, segundo a riqueza de sua graça que Ele derramou profusamente sobre nós” (Carta aos Efésios 1, 7). O Mistério da Páscoa de Jesus (o sacrifício na Cruz e sua ressurreição – por AMOR) é a essência da fé cristã. Negá-lo é rejeitar o próprio Cristo! A Salvação consiste na comunicação da vida divina! Cristo nos concede a graça da participação da natureza divina (cf. 1ª Carta de Pedro 1, 4). Ninguém por si só e com as próprias forças se liberta do pecado e se eleva acima de si próprio. Todos necessitam de Cristo! O Espiritismo crê na auto-redenção. O perdão, a graça, a misericórdia não têm lugar na doutrina espírita. Aliás, não crê em Jesus Cristo como Deus! Para o Espiritismo, Cristo é um espírito avançado, “espírito de luz”, um modelo a ser seguido… mas não é Deus, não é Salvador! Desta forma, nega, também, a Santíssima Trindade! Assim sendo, o Espiritismo é essencialmente contraditório ao Cristianismo!

Fonte:jovemcatolico.emdeus.com.br

Postado por: Bruno Trindade

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Quarta-feira tem reunião sobre as aulas de espanhol

Em 2013, se Deus quiser iremos todos à Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro. Para estarmos bem preparados para receber jovens de todo mundo no evento,  o CLJ São José terá aulas de espanhol gratuitas.

Após a serenata desta quarta-feira, 25, por volta das 20 horas, ocorre uma reunião em que a professora vai dividir as turmas e apresentar a didática do curso que inicia em março.

Os encontros serão uma vez por semana., provavelmente na quarta ou quinta-feira. Todos interessados devem participar.

"TIO, EU SOU UM DESGRAÇADO!"

 
Essa foi uma das frases que encontrei no meu MSN hoje de manhã: “tio, eu sou um desgraçado”, enquanto que outro deixou: “tio, hoje é o meu primeiro dia de trabalho, estou muito feliz, obrigado por tudo, és um PAI, reza por mim...
Sentimentos e resultados antagônicos, mas ambos frutos de decisões. A jovem que começa a trabalhar hoje eu sei realmente da sua alegria e da sua felicidade, é merecedora disso mesmo.
Agora vou abordar sobre a situação do “jovem desgraçado”. Eu sabia dos planos e projetos dele para o final de semana e no fim não aconteceu nada do que planejara, não conseguiu concluir um só dos seus projetos... Fiquei pensando, quantos outros não devem estar com o mesmo sentimento desse jovem em virtude de planos ou projetos frustrados no final de semana... E tu, como foi teu final de semana? Bom ou ruim? Os dias que se passaram foram péssimos? Parece que tudo que planejou, sonhou, decidiu, pensou, programou está dando errado?
Esse jovem eu tenho certeza que me respondeu: “tio, minha vida hoje é um conjunto de frustrações e desilusões...”
Mas sejas justo, pense se não foram as palavras ditas ou não ditas que deram um rumo totalmente diferente para o que planejastes, sonhastes ou pensastes... As palavras têm esse poder, de concretizar ou arruinar completamente nossos sonhos e projetos...
Pois bem, hoje é segunda-feira...
É o dia de recomeçar no trabalho, é dia de voltar das férias, dia internacional de recomeçar o regime, dia de se estabelecer muitas expectativas ou metas... Agora, o resultado disso tudo vai depender da gente...
O meu caminhar me leva sempre na direção que estou caminhando, nunca ao contrário, ou seja, quem opta pelo caminho da direita ou esquerda chegara à esquerda ou direita, a não ser que troque o caminho... Então, repense... repense... repense... O que deu errado na minha vida nos últimos dias?
Tudo saiu como planejei? A partir de que fato ou fatos, momento, palavra dita ou não dita, começou a dar tudo contrário do que eu havia pensado? Culpa dos outros? Talvez...
Ah tá, então como sempre tu vais dizer que a culpa é minha?
Talvez não totalmente, existe uma boa parcela de participação dos outros, mas certamente a grande parcela do rumo das coisas são frutos das tuas decisões e tu em sã consciência e calma também sabes muito bem disso... Tudo começou a mudar a partir das palavras, gestos, atos ou omissões... da falta de perdão, de compreensão, de fé, de oração, da falta de silenciar por alguns momentos, de empatia (colocar-se no lugar do outro)... de humildade, de caridade, de respirar fundo e não dizer nada...
Tá, tá, tá... Que raiva! Que ódio! Que desgraça! Que praga! Sou mesmo um desgraçado! Nada dá certo! Sou bom, sou correto... Faço tudo certo e dá tudo errado! Para! Não diz nada, estou enfurecido... Vontade de matar meio mundo e castigar a outra metade... Poxa, olha só, ninguém olha para mim; ninguém lembra de mim; não gostam de mim, ... Ninguém me ama? Não sou importante para ninguém?
Pensamentos e sentimentos assim?
Estas sendo injusto... sabes que estás sendo injusto... quantos convites, quantas palavras te orientando para um outro caminho, mensagens, ligações, oportunidades,... Agora está indo para fundo do poço e sabes disso e queres que as pessoas vão contigo! Não, te seguras nas paredes, ergue teu braço, sejas humilde... deixa aqueles que estão se machucando e se expondo nas bordas do poço tentando te segurar te ajudar... não precisas ir no fundo do poço para saberes como é lá... por mais de uma vez já me disseram: “cara, o fulano é ruim, deixar cair no fundo do poço para aprender... vais te machucar também”, não me arrependo de ter me esfolado para auxiliar, machucado os braços nas bordas para trazê-lo de volta... Valeu a pena! Faria tudo de novo...
Concordo que talvez algumas oportunidades ou algo que programastes não tenha dado certo, mas isso faz parte da vida, porém, quantas outras oportunidades surgiram e tu não quisestes aproveitar, para quantas dissestes não, não quisestes abrir mão das tuas vaidades, teus princípios e valores equivocados... em sã consciência sabes que falo a verdade.
Achas que a revolta vai mudar alguma coisa?
Ei, toma consciência do mundo... Estás errado... Todo mundo erra, eu já errei dezenas de vezes e vou errar outras centenas... Então reconheças que teu temperamento, sentimento, valores, talvez tenham te cegado, te privado de alguma coisa...
Tudo bem, que pena ter acontecido, mas já passou... Já sofreu, talvez até já estejas arrependido de alguma palavra, de alguma decisão... então corriges... retoma teus planos e projetos... Corre atrás, refaz aquilo que ainda pode ser refeito (amizade; trabalho; estudo; projeto...)
Lembra, hoje é segunda-feira, dia de recomeçar...
Agora se continuar insistindo no caminho da esquerda, do confronto, da raiva, do ódio, da vingança... Mais coisas vão continuar dando errado, outros planos serão frustrados, mais tristeza se avizinha, mais raiva, mais sentimentos ruins, dor e sofrimento...
Mas por quê? Por que tudo isso? Eu sou uma pessoa boa, não sou ruim, faço as coisas certas... Simplesmente por um fato: NÃO SOUBE DEFINIR A HORA DE PARAR E RECOMEÇAR!
Faltou o “timer” para saber a hora de rever teus pensamentos, sentimentos e palavras... Faltou a grandeza do arrepender-se, do silenciar... Do dizer, tudo bem, isso aqui não deu certo, mas Deus está me dando outras oportunidades... faltou humildade para dizer sim à segunda opção.
Sim, a cada instante ele te dá à oportunidade de RECOMEÇAR...
Então recomeças... hoje é segunda, vai para o teu quarto, vai na Capela do Santíssimo e fala com Deus... procura teu Orientador Espiritual, conversa, ri, chora, xinga, se deu errado não precisa continuar dando errado... agora para isso precisas parar de ir na direção contrária, da raiva, do ódio, da ira, do confronto... isso não vai te levar a nada, não vai te levar a lugar algum...
Nesse momento, mesmo sem perceberes quantos anjos e sirineus (amigo/irmãos) estão aí na tua volta intercedendo por ti e tu não te dá contas... vejas bem, o caminho da esquerda vai te levar cada vez mais para longe dos teus sonhos e projetos.
Não tenhas vergonha, passa por cima de certos sentimentos e RECOMEÇA. Sim, busca orientação de pessoas que te amam, querem o teu bem, pessoas que podem interceder por ti, que querem o teu melhor e jamais vão te orientar ou indicar um caminho para o mal...
Começas pedindo perdão, desculpas, sai por ai, corrigindo e recolhendo os cacos que deixastes esparramados pelo chão... tu vais e tens direito de ser muito feliz, mas isso vai depender das tuas escolhas... Lembra: “A VIDA É FEITA DE ESCOLHAS” e se tantas coisas deram errado, muitas foram frutos das tuas escolhas...
Não, tu não és um desgraçado!
Tu és importante e tens grande valor aos olhos de Deus, daqueles que te amam e também não esqueças tu és muito importante para mim... e se de alguma forma puder ajudar, sabes que podes contar comigo e que eu sempre estarei aqui.
Pensa com carinho nisso e RECOMEÇA!
Pensa, pensa, pensa... reza, reza, reza... decide nesse momento: hoje é segunda-feira e eu vou RECOMEÇAR a reconstruir aquilo que perdi, sim, ainda há tempo... eu te asseguro do fundo do meu coração que tudo pode mudar... CONTA COMIGO!
SHALOM!
 
Retirei do blog do tio carlinhos

sábado, 21 de janeiro de 2012

Namoro Cristão



Namoro é a demonstração pura do amor e carinho para com o outro.
Namoro é tempo de crescer a dois.
Amar é dar-se ao outro integralmente, gratuitamente para completá-lo e construí-lo. E para isto é preciso que você se renuncie, se esqueça.
A felicidade verdadeira se constrói quando fazemos o outro feliz; quando amamos. E a virtude que gera o verdadeiro amor é a renúncia a si mesmo.
"O amor é paciente, o amor é bondoso. Não tem inveja. O amor não é orgulhoso. Não é arrogante. Nem escandaloso. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa. Tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acabará" (I Cor 13, 4-7)
O amor não guarda rancor... Saiba que o feio não é brigar, mas não se reconciliar, não saber perdoar.
"Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento" (Ef 4, 26b).
Namorar é dialogar. O diálogo é mais do que uma conversa; é um encontro de almas em busca do conhecimento e do crescimento mútuo. É pelo diálogo que o casal aprende a se conhecer, ajudam-se mutuamente a corrigir as suas falhas, vencem as dificuldades, cultivam o amor e se unem cada vez mais.
"Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós e o seu amor em nós é perfeito" (I Jo 4,12).
O amor tem muitas faces: a compreensão, a aceitação do outro, o perdão, a busca da verdade, a paciência, a sinceridade, a fidelidade, a bondade, e tudo o que faz o outro crescer.
A primeira exigência do amor é aceitar o outro como ele é, com todas as suas qualidades e defeitos. Só assim você poderá ajudá-lo a crescer, amando-o como ele é, pois "amar não é querer alguém construído, mas construir alguém querido".
O amor para ser forte e vivo, deve ser renovado a cada dia com expressões e gestos sinceros.
Você deve conquistar o outro a cada dia!
Ser fiel ao outro não quer dizer apenas não ter outro parceiro; é muito mais do que isto, é ser verdadeiro em tudo. Não ser fingido, mascarado, mas autêntico, sincero. Totalmente transparente!
Lembre-se do que dizia Saint Exupéry: "o essencial é invisível aos olhos. Só se vê bem com o coração".
São Paulo nos lembra que o que é material é terreno e passageiro, mas o que é espiritual é eterno. Tudo o que você vê e toca pode ser destruído pelo tempo, mas o que é invisível aos olhos está apegado ao ser da pessoa e nada pode destruir. Esse é o verdadeiro valor. A beleza do corpo dela(e) hoje, amanhã não existirá mais quando o tempo passar, os filhos crescerem... mas aquilo que está no "ser" dele ou dela, ficará sempre, e é isto que dará estabilidade ao casamento e garantirá a felicidade duradoura de você, da família e dos filhos.
"O jovem não foi feito para o prazer, mas para o desafio!" Paul Marcel, filósofo cristão francês
O namoro é o tempo de conhecer o coração do outro, e não o seu corpo; é o momento de explorar a sua alma, e não o seu físico.
A castidade é a melhor preparação para o casamento!
Sem dúvida, o casal de namorados (ou noivos) que souber aguardar a hora do casamento para viver a vida sexual, é um casal que exercitou o autocontrole das paixões e saberá ser fiel um ao outro na vida conjugal.
Um namoro puro só será possível com a graça de Deus, com a oração, com a vigilância e, sobretudo quando os dois querem se preservar um para o outro. Será preciso então, evitar todas as ocasiões que possam facilitar um relacionamento mais íntimo.
A sua liberdade não depende só do seu corpo, mas do seu espírito, acima de tudo. Ser homem, é exatamente vencer os instintos que nos querem roubar o dom precioso da liberdade, que custou até o sangue de Jesus. Para você ser livre é preciso 'conquistar' a sua liberdade, lutando contra você mesmo, para não ceder aos instintos cegos que o escravizam. Portanto, ser livre é ser desapegado e despojado: dos egoísmos, dos vícios e dos prazeres.

Postado por: Vitória Lopes

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Certo dia ... (Testemunho de Douglas Monteiro)


Certo dia eu via de longe um garoto vivendo, trancado em seu mundinho, ele ia e voltava casa-escola, era um garoto de poucos amigos, tímido, pouco comunicativo. Era uma vez um garoto sonhador, sonhava de que um dia pudesse mudar, pudesse mostrar o seu verdadeiro eu, pois a cada lugar que ia este achava uma nova máscara a vestir, pois não se sentia seguro sendo você mesmo, não confiava em seu  potencial,que era enorme, tanto que as outras pessoas ao seu redor viam e admiravam, mas ele de maneira alguma tinha auto-confiança de mostrá-lo, acho que isto se devia a ausência de Deus no coração desta pessoa, que era ateu.

Este, sempre gostou de estar ao lado de seus amigos e até que um dia qualquer, surge-lhe a oportunidade de fazer um curso, logo perto da Paróquia São José e  a partir de então surge um amigo, digo, um sirineu que Deus lhe coloca em seu caminho e este garoto recebe um convite deste sirineu a ir à uma serenata (nome estranho,dado a um encontro de jovens, mas que hoje já virou rotina em sua vida e não consegue ficar uma mera semana longe desse encontro realizado todas as quartas-feiras após as missas) mas ele foi com o pretexto de não magoar o amigo, pois afinal, ele não acreditava em Deus;  Foi, gostou e continuou indo, nasceu nele a Fé, começou a ser cativado por um movimento chamado CLJ, até então desconhecido por ele. No começo foi muito difícil para ele, pois teria que ali se adaptar a um modo diferente de ver e viver a vida (com Deus no coração), teria que ali fazer amizades, algo difícil para aquele menino tímido da época. Mas isso acabou sendo fácil, pois logo explodiu sua Fé, até então nunca cultivada.

Sabes quem é este menino?

Este mesmo que vos escreves.

Sabe como estas dificuldades foram superadas?

Todas estas dificuldades foram superadas facilmente com Jesus Cristo, no meu coração, pois ele é o amigo certo das horas incertas.  A partir dele aquele menino tímido, amadureceu, deixou cair às máscaras, confesso que é difícil se despir de todas, mas a cada dia tento melhorar, ele, ou, melhor dizendo eu ,comecei a ter auto-confiança, graças a outros vários anjos/sirineus que Deus colocou em meu caminho durante esta caminhada curta, mas bela ao lado da igreja, senti em meu peito a Flama do Espírito Santo ardendo em mim, com isso saltei obstáculos, destruí barreiras e hoje, aquele menino  que não conhecia o CLJ e nem Jesus, está saindo por aí evangelizando, sendo um jovem apóstolo de jovem, quem sabe hoje já não estou servindo de sirineu para outros jovens, que antes estavam presos, na prisão mais cruel de todas, aquela que se manifesta em nosso interior, a prisão do coração, pois este só pode ser aberto pelo lado de dentro, deixando assim, nós mesmos sermos detentores da chave dessa prisão que muitas vezes deixamos trancafiada até o fim de nossa existência.

É quase impossível dizer o que o CLJ representa pra mim hoje,pois foi ele que me proporcionou momentos que me fizeram mudar.  Basicamente ele representa: a paz, o amor, a fé enfim; Deus. Representa a minha nova vida adquirida através deste movimento; Aqueles amigos, aqueles sirineus que Deus colocou em meu caminho, só tenho a agradecer, pois com eles aprendi o valor de um abraço, de um sorriso, de uma lágrima, por que antes essas mínimas coisas, importância alguma tinha a mim, carinho com os demais era algo fora de cogitação em minha vida. Obrigado por tudo meu Deus e lhe peço que abençoes os sirineus que aos poucos foram passando por minha caminhada e faça com que eles continuem ao meu lado durante o tempo.

MUITO OBRIGADO POR TUDO CLJ...
SHALOM

Postado por: Douglas Monteiro

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

O mundo não quer que falemos de Deus

Nós jovens temos pressa. Se vamos acessar um vídeo no YouTube, mas demora mais de dois minutos para carregar, nós o fechamos. Temos também muita pressa de achar a pessoa certa para casar. Há muitos jovens que correm, correm, se cansam, mas nem mesmo sabem por que estavam correndo.

O jovem do Evangelho precisa ser eu e ser você; precisamos um ter meta para correr [atrás de algo] e precisamos correr para encontrar o Cristo. Você tem corrido atrás de quê? Atrás de quem? Você tem corrido pelo que o mundo diz, tem corrido para as drogas? Você tem corrido atrás do sexo por que você ama?
Jesus olha para mim e para você. Ele olha para as nossas corridas.
Hoje, quero convidar você a deixar passar o que passa e buscar as coisas do Alto. Tome posse do seu lugar, que é o céu. Abrace o que permanece.
Quais têm sido os frutos das suas escolhas aqui nesta terra? Quero que você saiba: Deus lhe deu uma vida inteira para curtir e para ser feliz.
Precisamos ser uma geração de têmpera! Como várias vezes o monsenhor Jonas disse: aguente firme! E se você nunca escutou esta frase, eu repito: "Aguente firme, meu filho!" Aguente firme naquilo que não deu certo, aguente firme nos seus pecados, nas suas lutas!
Jovem, corra, lute para que, neste país, não aconteçam abortos. Seja cristão e assuma essa postura, divulgue na sua rede social que você é contra o aborto.O mundo não quer que falemos de céu e de eternidade, mas nós o faremos com nossa vida.

Jovens que participaram do Aprofundamento Radical, de nada adianta a lama, a superação, se vocês não saírem com a vontade de ser santos. É preciso ser santo custe o que custar.
Verso L'alto. Pier Giorgio Frassati. Busque o Alto, olhe para o Alto.
O Cristianismo é para os corajosos, mas também para os fracos; fracos, porque precisamos da graça de Deus.
Segundo o Catecismo da Igreja Católica, "o céu o fim do último, é o estado de felicidade suprema e definitiva". Isso é o que nos espera.
O que nos espera é o céu, mas enquanto ele não chega, temos um grande vazio. Muitas vezes, sentimos um vazio em nosso coração e queremos preenchê-lo com o nosso “príncipe encantado”, mas percebemos que essa pessoa não preenche nosso vazio. Descontentes com essa pessoa, colocamos outros amigos no lugar delas, mas o vazio continua. O nosso vazio só é saciado em Deus.
Não estou dizendo que só é para você viver na capela adorando [Jesus Eucarístico], mas é preciso organizar as coisas e cada uma delas têm o seu lugar. Você tem os seus amigos, seu namorado, mas o vazio só é preenchido com a graça de Deus.
O mundo não quer que falemos de céu e de eternidade, mas nós o faremos com nossa vida.

Jovens que participaram do Aprofundamento Radical, de nada adianta a lama, a superação, se vocês não saírem com a vontade de ser santos. É preciso ser santo custe o que custar.
Verso L'alto. Pier Giorgio Frassati. Busque o Alto, olhe para o Alto.
O Cristianismo é para os corajosos, mas também para os fracos; fracos, porque precisamos da graça de Deus.
Segundo o Catecismo da Igreja Católica, "o céu o fim do último, é o estado de felicidade suprema e definitiva". Isso é o que nos espera.


fonte:Canção Nova

Postado por: Maurilia

CLJ EM QUATRO RODAS


O Curso de Liderança Juvenil da Paróquia São José está em férias, mas está repleto de atividades que proporcionam a integração do nosso grupo.

Neste domingo, dia 22, vamos conhecer Vale Veneto.  Sairemos às 07:00 horas da frente da Igreja, e retornaremos às 20:00 horas. O valor da viagem será R$ 20,00 (almoço e lanche), mas levem um prato para ser partilhado. No local tem piscina, os interessados devem levar roupas de banho e toalhas. Aqueles que vão deverão providenciar a autorização abaixo, impreterivelmente até o dia 18 de fevereiro, na Serenata, e não esquecer de levar um documento pessoal no dia.
As confirmações de lugares serão feitas SOMENTE até o dia de hoje, na Serenata.



CURSO DE LIDERANÇA JUVENIL – CLJ
DIOCESE DE CACHOEIRA DO SUL
PARÓQUIA SÃO JOSÉ


A U T O R I Z A Ç Ã O

Autorizo meu (minha) filho (a): _______________________________
                            (nome do (a) jovem)
A viajar para a região da 4ª Colônia e Casa de Retiros Nossa Senhora de Lourdes (Vale Vêneto), no dia 22 de janeiro de 2012 (Domingo), juntamente com os tios e os jovens do Curso de Liderança Juvenil (CLJ). Saída em frente à Paróquia São José – às 07h e retorno às 20h (início do deslocamento em Vale Vêneto).
Será cobrado apenas o valor do almoço e do lanche da tarde R$ 20,00 (vinte reais), não será cobrada passagem. Se possível, levar algum lanche para partilharem entre os integrantes da viagem. No local há piscina, os interessados deverão levar roupa adequada e toalha de banho.
Cachoeira do Sul, RS, 18 de janeiro de 2012.

NOME e TELEFONE DO (A) RESPONSÁVEL PELO (A) JOVEM:
___________________________________________________


ASSINATURA:
___________________________________________________

O SINAL DA CRUZ



(†) Pelo sinal da Santa Cruz, (†) livrai-nos Deus, Nosso Senhor, (†) dos nossos inimigos, (†) Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém. 

O Sinal da Cruz é uma oração importante que deve ser rezada logo que acordamos, como a nossa primeira oração, para que Deus, pelos méritos da Cruz de Seu Divino Filho, nos proteja durante todo o dia. Com este Sinal, que é o sinal do cristão, nós pedimos proteção contra os nossos inimigos. Que inimigos?

† Pelo sinal da Santa Cruz: ao traçarmos a primeira cruz em nossa testa, nós estamos pedindo a Deus que proteja a nossa mente dos maus pensamentos, das ideologias malsãs e das heresias, que tanto nos tentam nos dias de hoje e mantendo a nossa inteligência alerta contra todos os embustes e ciladas do demônio;

† Livrai-nos Deus, Nosso Senhor: com esta segunda cruz sobre os lábios, estamos pedindo para que de nossa boca só saiam palavras de louvor: louvor a Deus, louvor aos Seus Santos e aos Seus Anjos; de agradecimento a Deus, pois tudo o que somos e temos são frutos da Sua misericórdia e do Seu amor e não dos nossos méritos; que as nossas palavras jamais sejam ditas para ofender o nosso irmão.

† Dos nossos inimigos: esta terceira cruz tem como objetivo proteger o nosso coração contra os maus sentimentos: contra o ódio, a vaidade, a inveja, a luxúria e outros vícios; fazer dele uma fonte inesgotável de amor a Deus, a nós mesmos e ao nosso próximo; um coração doce, como o de Maria e manso e humilde como o de Jesus. [...]

O SIGNIFICADO DO SINAL DA CRUZ:
O Sinal da Cruz bem feito é riquíssimo em significado. Por Ele expressamos três verdades ou dogmas fundamentais da nossa fé: o Dogma da Santíssima Trindade, da Encarnação e da Morte de Jesus Cristo. Quando se diz: "em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo", você está proclamando o Mistério da Santíssima Trindade. Quando você leva à testa a mão direita aberta, dizendo: "Em nome do Pai" e desce com a mão na vertical e toca na altura do estômago continuando: "e do Filho", você está indicando o mistério da Encarnação: o Filho de Deus desceu ao seio da virgem Maria. Depois, levando a mão direita para o ombro esquerdo completando a cruz tocando o ombro direito, está se indicando a morte de Jesus na Cruz. 


A cruz é formada de duas partes: uma vertical e outra horizontal. A vertical nos orienta para o céu: é o nosso amor para com Deus. A horizontal se volta para os que estão ao nosso lado: é o amor para com o próximo. Aquele que está mais perto de nós. Os dois amores se entrelaçam um no outro, como as duas hastes da cruz. Um não pode existir sem o outro. Não existe o pedestal da cruz sem os braços e nem os braços sem o pedestal. Os dois se completam. Assim acontece com o amor cristão. Não se pode amar a Deus sem amar o próximo e nem se pode amar o próximo sem o amor a Deus.

Fonte: aprendendoasercatequista.blogspot.com

Postado por: Bruno Trindade

sábado, 14 de janeiro de 2012

MEU TESTEMUNHO!


VOCÊS JOVENS DO CLJ (EM ESPECIAL AOS OITO VETERANOS QUE FORAM A GRAVATAI) SAIBAM QUE MUDARAM MINHA VIDA E MINHA FORMA DE VER A VIDA... VOCÊS TRANSFORMARAM O MEU CORAÇÃO!

Bem gente, considerando as férias, a distância, a saudade e principalmente durante momentos de reflexão que tive, olhando para nossas fotos, resolvi falar um pouco da minha vida no CLJ e de certa forma mostrar minha gratidão a esse movimento.

Desde o meu ingresso, foram tantas alegrias e coisas boas que me aconteceram. Saibam que cada uma dessas coisas e desses momentos únicos que eu vivi com vocês, só vieram a acrescentar na minha vida e também no meu jeito de ser humano, para melhor.

São momentos únicos, inesquecíveis, inexplicáveis. Tomo por exemplo: O SORRISO GRÁTIS. Vejo em cada atividade proposta aqui no movimento, não somente mais uma atividade qualquer, mas sim um complemento a mais, no que tu vens buscando, no nosso caso, Evangelizar, e nessa tua forma de evangelização, tu também tem um pagamento, uma recompensa por isso, que não é o dinheiro, mas sim, o sorriso de outras pessoas, por aquilo que tu ta fazendo a elas, isso pra mim, é o maior pagamento que eu posso ter. Citaria também tantas outras atividades, destacaria as viagens, onde a união do grupo é fortalecida, a confraternização, a brincadeira, o momento que tu estas vivendo. Sinto ali o verdadeiro sentido da “felicidade”... e tenho certeza “com vocês eu posso dizer que sou feliz...” muito obrigado, por favor fiquem sempre perto de mim.

Outro ponto a destacar, as AMIZADES construídas no CLJ, amigos que tu sabes que vai poder contar pra toda tua vida, amigos inseparáveis, e uniões que mesmo com o pior problema do mundo, jamais irão te abandonar. Podemos até nos afastarmos fisicamente, mas jamais no coração e na comunhão. Já vi gente esquecendo alguém do CLJ durante uma festa, mas nunca durante um momento de precisão.

“Sabemos o rumo a seguir, o Cristo é o nosso ideal... ”. Cristo, o nosso fundamento, aqui tu aprendes de uma forma “jovem” de como mostrar o rosto desse Cristo.

Cada serenata, cada reunião aos sábados, tu sai com um aprendizado a mais, e cheio do Espírito Santo, e tendo cada vez mais um motivo para continuar renovando essa tu espiritualidade, e mantendo sempre teu foco, em Cristo e na Evangelização.

É claro, confesso, que já bateu aquele pensamento, vamos dizer estimulado pelo Anjo do mau, em querer me afastar, ou querer tomar alguma outra atitude, que não seria legal, mas eu no caso penso em todos os momentos bons que eu já vivi aqui dentro, tudo o que eu já consegui construir e todo esse pensamento vai se embora e principalmente me preocupo em nunca magoar ou machucar um de vocês.

Bom gente, com esse breve testemunho, eu gostaria de mostrar um pouco da minha gratidão e de quanto melhorou minha vida, do que eu penso e o que eu sinto pelo CLJ. Gostaria também poder mostrar nosso movimento a mais pessoas, mesmo fora do grupo, gostaria de incentivar a conhecerem e se interessarem pelo CLJ.

Aos que me mostraram e me apresentaram o CLJ muito obrigado.

Aos jovens que trouxeram o CLJ para nossa diocese só posso dizer, muito obrigado, obrigado, obrigado... Vocês são anjos em nossas vidas... vocês são aquelas referências positivas, aqueles exemplos a serem seguidos, aqueles que nos servem de guias, de mestres, de apoio...  eu tenho um orgulho danado em poder dizer... “vocês sãos os caras!” obrigado pelo que fizeram a mim e a tantos outros jovens de nosso movimento... vocês estarão sempre perto da gente, porque estão guardados bem fundo dentro do peito... estão dentro do nosso coração... que Deus proteja vocês hoje e sempre...

Com carinho: Matheus Bica
SHALOM!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Amar não é fácil

Se amar fosse fácil, não haveria tanta gente amando mal, nem tanta gente mal-amada.
Se amar fosse fácil, não haveria tanta fome, nem tantas guerras, nem gente sem sobrenome.
Se amar fosse fácil, não haveria crianças nas ruas sem ter ninguém, nem haveria orfanatos, porque as famílias serenas adotariam mais filhos, nem filhos mal concebidos, nem esposas mal-amadas, nem mixês, nem prostitutas. E nunca ninguém negaria o que jurou num altar, nem haveria divórcio, nem desquite, jamais...
Se amar fosse tão fácil, não haveria assaltantes e as mulheres gestantes não tirariam seu feto, nem haveria assassinos, nem preços exorbitantes, nem os que ganham demais, nem os que ganham de menos.

Se amar fosse tão fácil nem soldados haveria, pois ninguém agrediria, no máximo ajudariam no combate ao cão feroz. Mas o amor é sentimento que depende de um 'eu quero', seguido de um 'eu espero'; e a vontade é rebelde, o homem, um egoísta que maximiza seu 'eu' por isso, o amor é difícil.

Jesus Cristo não brincava quando nos mandou amar. E quando morreu, amando, deu a suprema lição. Não se ama por ser fácil, ama-se porque é preciso!
Pe. José Fernandes de Oliveira

Retirado de: Canção Nova


SHALOM


Postado por: Douglas Monteiro

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Onde está o equilíbrio que eu tanto procuro?


Um primeiro passo é buscar ter sempre claro o caminho onde você está, sabendo de onde veio e para onde se destina. Quem não segue seu próprio caminho, costuma perder-se rapidamente ou confundir sua história com as dos outros, o que é um dos maiores desastres existenciais.

Portanto, antes de fazer a sua trilha, tenha sempre em mãos hoje, amanhã e depois qual o caminho que você quer seguir e, melhor ainda, tente ter em mente a pessoa que você decide ser.

É apenas um primeiro passo, porém, decisivo. O melhor caminho é o interior!

Texto extraído do site da Canção Nova

Nicolaus Steno, um homem que não se deixou vencer pela dúvida

Nicolaus Steno era dinamarquês, nasceu em Copenhague a 11 de janeiro de 1638. Foi um bispo católico e cientista pioneiro nos campos da Anatomia e da Geologia.
Conta a história que, em 1659, Steno decidiu que não mais aceitaria uma afirmação como verdadeira simplesmente porque estava escrito em um livro, mas ao invés disso ele teria que comprovar com as próprias pesquisas antes de acreditar.
Na época em que ele viveu a difusão da informação se dava basicamente através de livros e, tanto a escrita como leitura dos mesmos era reservada apenas uma parcela pequena da população.
Muitos neste tempo tinham em mente a crença de que os fósseis eram apenas parte das rochas e que cresciam naturalmente ali. Nicolas não acreditava nisto e em seus estudos constatou grande semelhança entre artefatos enterrados e dentes de tubarões.
Estas pesquisas levantaram muitas dúvidas sobre como objetos sólidos poderiam aparecer dentro de rochas ou de outros materiais. Cristais, minerais, e principalmente os fósseis foram alvo destas dúvidas e levaram Nicolas Steno a realizar várias pesquisas.
Ele é considerado o pai da geologia e mais especificamente da estratigrafia, ramo da geologia que estuda as camadas de rochas ou estrados com o objetivo de determinar os processos geológicos e eventos que os formaram.
Esse seu modo de pensar influenciou também no modo como via a religião. Foi criado na doutrina luterana, ainda assim não deixou de questionar os ensinamentos que recebeu, algo que se tornou importante quando teve contato mais direto com o catolicismo enquanto estudava em Florença.
Após estudos teológicos, converteu-se ao catolicismo. A sua conversão fez com que, gradualmente, Nicolaus Steno pusesse de lado os seus estudos científicos. Foi ordenado padre e, mais tarde, bispo e enviado em trabalho de missão para o norte da Alemanha. Trabalhou inicialmente na cidade de Hannover. Após vários anos preenchidos com tarefas difíceis, morreu após muito sofrimento em Schwerin em 1686.
A sua vida e trabalho têm sido intensamente estudados, em particular desde finais do século XIX. Especialmente, a sua piedade e virtude têm sido avaliadas com vista a uma eventual canonização. Em 1988, foi beatificado pelo papa João Paulo II.

Fonte: Canção Nova 

Postado por : Maurilia