segunda-feira, 23 de agosto de 2010

DECIDI! NÃO QUERO MAIS VIVER COM MEUS MONSTROS!

Por Diácono Carlinhos

Assim como em muitas outras madrugadas, o sono fugiu, então comecei a rezar... estava ansioso, angustiado, coração apertado, mas não conseguia entender o motivo.

Tentei dormir várias vezes, mas a angústia aumentou... voltei a rezar... pedi respostas...

Depois de um tempo, lembrei-me do que São João escreve no Apocalipse 3, 20... Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo, estava aí o “x” da questão...

Ele batia a porta, eu ouvia, mas talvez não quisesse ouvir... mas lá estava Ele, batendo... sem forçar, sem arrombar... respeitou o meu silêncio... respeitou o meu momento... até insistiu, mas o meu coração continuava fechado.

Quando finalmente entendi isso, o meu sofrimento parecia meio que insuportável, eu abri a porta do meu coração, deixei Ele entrar... “FIZ AS PERGUNTAS” e “ELE ME DEU AS RESPOSTAS”...

Vejam bem! Ele estava ali o tempo todo... certamente também ansioso comigo, como alguém que nos visita, bate, bate, bate a porta e a gente demora em abrir ou não quer abri-la... inclusive, ouvia suas batidas e ao mesmo tempo dizia... será que Deus me abandou? Ora! E, Ele ali, o tempo todo.

Pois bem, abri a porta, deixei Ele entrar... apesar do meu medo, da minha angustia, da minha vergonha, dos meus pudores... “FIZ TODAS AS PERGUNTAS” não ficou nada para trás e “ELE ME DEU TODAS AS RESPOSTAS”... sim, Ele me deu todas as respostas.

Quando Ele entrou, rezei com Ele... respeitou o meu momento, meu nervosismo, minha vergonha, meus receios, minhas dúvidas... meu choro, depois passou... e a cada pergunta, uma resposta...

Foi neste momento que eu entendi QUE EU NÃO QUERO MAIS OS MEUS MONSTROS!

Sim! Jesus me mostrou que toda a minha angustia, minhas dores, minhas ânsias, eram os meus monstros que eu teimava em carregar... (talvez, seria aquele elefante que eu havia achado ter deixado na Capela, na verdade eu o tirei das minhas costas, mas continuava puxando ele pela cordinha).

A cada pergunta, uma resposta... perguntei, perguntei, perguntei...

Vi que eu trazia comigo meus MONSTROS... no início até parecia legal, eles eram de estimação, parecia que me traziam alguma alegria, na verdade a gente os aceita tentando preencher uma lacuna, um espaço, erra achando que está acertando, mas com o passar do tempo eles começam a nos trazer problemas... na verdade, eles são problemas...

Mas o que fazer com eles?

Se até tenho algum carinho ou consideração por eles, porque afinal me trouxeram alguns momentos de alegria e felicidade, não sei bem se queria ou não queria, só que hoje me matam por dentro...

Na verdade, em suas respostas Jesus me mostrou que EU NÃO QUERO MAIS OS MEUS MONSTROS, pois eles me afastam d’Ele... e que não tinha problema em me livrar deles, ele me entendeu, tudo era passado e como estava plenamente arrependido ele me compreendia.

Eu já sabia disso... que não os queria mais... mas talvez eu não quisesse entender que, era necessário livrar-me deles, talvez, até por pena deles ou por gratidão em decorrência daqueles momentos que não me traziam problemas.

Mas como?

Então ele me mostrou que havia me dado todo o alimento necessário para que eu tivesse a força para livrar-me deles, também, que havia colocado em minha vida inúmeros servidores d’Ele para me ajudarem nesta tarefa... pessoas que me colocam junto à mesa para cear com Ele.

Entendi que eu precisava me livrar dos meus monstros e assim tomei essa decisão, que por algum instante até me gerou dúvida, mas olhando ao redor me dei conta que era necessário.

Afinal se os mantivesse comigo, faria muita gente infeliz, e gente que realmente me ama, que se importa comigo, que caminha comigo e que está e sempre estará com a mão estendida para me segurar, “evitar que eu caia no fundo do poço”... GENTE QUE TAMBÉM SOFRE COM OS MEUS MONSTROS, que inclusive, não se importa em se machucar para evitar que eu caia.

Assim, após essa conversa com Jesus, de “perguntas” e “respostas”, eu aprendi como me livrar deles e adquirir minha cura e libertação... coisa que realmente eu queria, mas tinha receio, tinha vergonha, mas tudo isso passou tão logo eu ter aberto a porta do meu coração.

Após esta conversa... ocorreu minha total conversão... minha saúde voltou, minha alegria, minha felicidade, meu brilho no olho...

Após esta conversa, Jesus me mostrou que é possível eu me livrar dos meus monstros... mas como?

Primeiro, tendo consciência que não os quero mais... que me fazem mal...

Segundo, tomando a decisão de mandá-los embora... veja bem, não se tornaram meus inimigos, pelo contrário, quero que eles sejam felizes... mas que eles vivam felizes com aqueles que também aceitam viver com eles sem problemas... até para não deixá-los enraivecidos, tristes,... não falei para eles que estava me despedindo deles... apenas deixei eles irem... foram se afastando, se afastando... até que encontraram o que buscavam... que bom, tomara que vivam e sejam felizes, assim como eu tenho certeza de que serei a partir de agora.

Terceiro, comecei a retirar, deletar, jogar fora, tudo que me lembrava deles... eles nem precisam se dar conta disso, será melhor assim, para mim e para eles, é como as fotos e as lembranças do ex-namorado, não me servem mais, não me trazem mais alegrias...

Sei que posso encontrá-los por aí, nas esquinas da vida, mas já não me pertencem mais... possuem outros donos... talvez até acene pra eles, faça um afago em sinal de respeito, na verdade, até quero que sejam muito felizes.

Concluindo, foi assim, depois que abri meu coração para Jesus, que fiz as “perguntas” e Ele me deu as “respostas” que percebi que não quero mais os meus monstros!

Analisando agora neste momento, foi até bom que fosse assim, que eu tivesse sofrido tanto antes desta decisão de livrar-me deles, para que futuramente eu não fique na dúvida que tivesse de permanecer com eles.

Hoje com toda essa angústia, este sofrimento, eu tenho certeza... não os quero mais... eu quero é a vida que Jesus preparou para mim... quero essa alegria, o amor d’Ele através das outras pessoas, que eu amo, que me amam, que são importantes pra mim e eu para elas...

Mas veja bem, para que todas essas decisões fossem tomadas, primeiro eu tive que abrir a porta do meu coração, fazer as perguntas e me decidir que não queria mais sofrer com isso.

Agora, livre dos meus monstros eu estou feliz... sei que não adiantava mantê-los, bem como, nada mais podia fazer pelo fato de tê-los adotado no passado, que pena, achei que seria bom, mas o próprio Jesus caiu três vezes, o que sobra para mim... sim, finalmente tomei minha decisão, é que estou mudando para outro imóvel e lá não tem lugar para eles... vou morar perto daqueles que me amam e amam a Deus, minha família, meus amigos... quero a verdadeira alegria e felicidade, quero estar perto das pessoas que cativei, vou aceitar o convite que Jesus me fez... quero cativar e ser cativado (E SE TU ME CATIVASTE, TU ÉS RESPONSÁVEL POR MIM).

Pense nisso!

Se também quiser ajuda para se livrar dos seus monstros e fazer as “perguntas” e “obter as respostas” procurem-me na Capela... Porque TU ÉS MUITO IMPORTANTE PARA MIM!

· Hoje há algum monstro me perturbando?

· Como posso me livrar dele (s)?

· Já pensou em buscar “orientação espiritual”?

Nenhum comentário:

Postar um comentário