quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Nicolaus Steno, um homem que não se deixou vencer pela dúvida

Nicolaus Steno era dinamarquês, nasceu em Copenhague a 11 de janeiro de 1638. Foi um bispo católico e cientista pioneiro nos campos da Anatomia e da Geologia.
Conta a história que, em 1659, Steno decidiu que não mais aceitaria uma afirmação como verdadeira simplesmente porque estava escrito em um livro, mas ao invés disso ele teria que comprovar com as próprias pesquisas antes de acreditar.
Na época em que ele viveu a difusão da informação se dava basicamente através de livros e, tanto a escrita como leitura dos mesmos era reservada apenas uma parcela pequena da população.
Muitos neste tempo tinham em mente a crença de que os fósseis eram apenas parte das rochas e que cresciam naturalmente ali. Nicolas não acreditava nisto e em seus estudos constatou grande semelhança entre artefatos enterrados e dentes de tubarões.
Estas pesquisas levantaram muitas dúvidas sobre como objetos sólidos poderiam aparecer dentro de rochas ou de outros materiais. Cristais, minerais, e principalmente os fósseis foram alvo destas dúvidas e levaram Nicolas Steno a realizar várias pesquisas.
Ele é considerado o pai da geologia e mais especificamente da estratigrafia, ramo da geologia que estuda as camadas de rochas ou estrados com o objetivo de determinar os processos geológicos e eventos que os formaram.
Esse seu modo de pensar influenciou também no modo como via a religião. Foi criado na doutrina luterana, ainda assim não deixou de questionar os ensinamentos que recebeu, algo que se tornou importante quando teve contato mais direto com o catolicismo enquanto estudava em Florença.
Após estudos teológicos, converteu-se ao catolicismo. A sua conversão fez com que, gradualmente, Nicolaus Steno pusesse de lado os seus estudos científicos. Foi ordenado padre e, mais tarde, bispo e enviado em trabalho de missão para o norte da Alemanha. Trabalhou inicialmente na cidade de Hannover. Após vários anos preenchidos com tarefas difíceis, morreu após muito sofrimento em Schwerin em 1686.
A sua vida e trabalho têm sido intensamente estudados, em particular desde finais do século XIX. Especialmente, a sua piedade e virtude têm sido avaliadas com vista a uma eventual canonização. Em 1988, foi beatificado pelo papa João Paulo II.

Fonte: Canção Nova 

Postado por : Maurilia

Nenhum comentário:

Postar um comentário