quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A infância de Jesus segundo Bento XVI


Ao começar o Advento, a Igreja e a sociedade recebem o livro escrito por Bento XVI sobre a infância de Jesus.  Trata-se de uma meditação teológica.  Ninguém poderá lê-lo sem entrar no ritmo de oração que o atravessa do início ao fim e que convida a contemplar o Mistério de Jesus de Nazaré, filho de Maria e filho de Deus, salvador e redentor do mundo.
A intenção do autor não é tanto comentar, com erudição e estilo refinado, os fatos do passado, mas sim conduzir o leitor em direção a uma atualização da mensagem de salvação que os Evangelhos da infância de Cristo  trazem e revelam.  Alguns pontos são extremamente significativos no texto. 
O tema da origem de Jesus aparece como inseparável da  revelação feita a Israel, da qual Jesus é a culminância. Deste modo, o Papa demonstra com clareza a importância da Bíblia judaica e do povo de Israel, no seio do qual nasceu o Salvador. Todo o desenvolvimento do mistério da encarnação, vida, morte e ressurreição de Jesus de Nazaré acontecerá em continuidade com a revelação feita ao povo de Deus através da boca dos profetas e que se exprime na espera do Messias.  De outro lado, o texto demonstra que a genealogia de Jesus apresenta um novo início, em Maria, com a qual termina e é relativizada toda a genealogia.  
A humilde moça de Nazaré, Maria, prometida a um homem justo de nome José, é portanto aquela na qual advém um novo início para a humanidade.  Nova Eva, é nela que o fato de ser uma pessoa humana recomeça de modo novo.  A raiz última e definitiva daquilo que encarna a presença de Deus no mundo se encontra “no alto”, em Deus que está na origem de todo ser.  E também no corpo fecundo de Maria de Nazaré. 
O livro abre diante do leitor a afirmação, bela e surpreendente ao mesmo tempo, de que em Jesus a humanidade recomeça.  A genealogia descrita nos Evangelhos exprime, de fato, uma promessa que não diz respeito somente à família ou ao povo no qual Jesus nascerá, mas à humanidade inteira.  Jesus assume em si toda a humanidade, toda a história da humanidade, e “lhe dá um novo giro, decisivo, em direção a um novo ser pessoa humana”. 
A origem de Jesus se torna, então, a origem de todo homem e toda mulher que vem ao mundo.  Sua origem é nossa origem.  E Bento XVI o reafirma:  nossa verdadeira “genealogia” é a fé em Jesus, que nos faz nascer “de Deus”. 
Maria aparece ressaltando em sua pessoa as atitudes próprias do crente frente ao fato único da presença de Deus que se aproxima e se propõe.  É à sua liberdade de pessoa, de mulher, de crente, que se dirige a saudação do anjo, que a chama “cheia de graça” e a convida a alegrar-se.
 Maria dá uma resposta livre e confiante, mas não irracional.  Interpelada pelo anúncio do anjo, Maria procura compreender e permanece senhora de si.  E esta escuta honesta e obediente leva ao “sim” incondicionado daquela que se declara “a serva do Senhor”. Maria não conhece o futuro, mas conhece o seu Deus e não tem medo, crendo na palavra do anjo que lhe disse: “Não temas”. 
Parece-me extremamente importante que Bento XVI, após haver apresentado o anúncio a Maria,   dê grande relevo também ao anúncio feito a José justo, fiel, crente, que “na lei do Senhor encontra sua alegria”, para o qual a lei “se torna espontaneamente ´evangelho´, boa notícia”, e que recebe também o anúncio do anjo, mas em sonho. 
A Maria e a José o anjo diz não ter medo.  O anúncio é dom e também tarefa.  Acolhendo-o, José se fará cargo do menino que nascerá da mulher que ama e que não lhe pertence.  Ele o amará e o protegerá e o chamará Jesus. 
Graças à obediência livre de Maria, sustentada pela de José, tem então lugar na história a nova criação.  Evento universal, que, no entanto, se dá, muito concretamente como diz o Autor, em “um tempo exatamente datável” e em “um ambiente geográfico exatamente indicado: o universal e o concreto se tocam de perto.“ 

Chegando ao capítulo no qual propõe a reflexão sobre o nascimento de Jesus, o Papa chama a atenção sobre o fato de que Jesus nasce em um espaço “outro”, porque não havia espaço para ele. Por este motivo, sua mãe o acomoda em uma manjedoura.  Bento XVI, com grande sensibilidade, faz notar:  “Para o Salvador do mundo, para Aquele em vista do qual todas as coisas foram criadas (cf. Col 1,16), não há lugar”.  Deste modo, o Papa sublinha o mistério da pessoa de Jesus, portador de uma certa contradição: é o impotente, o sem lugar, e no entanto é Ele o verdadeiro poderoso; apresenta-se como um menino indefeso, mas neste menino repousa a salvação do mundo inteiro. 
Os capítulos seguintes mostram o menino crescendo em sabedoria e graça.  É obediente a seus pais, mas não hesita em colocar em primeiro lugar a obediência a Deus, a quem chama de Pai. Sua liberdade não é “a liberdade do liberal” mas a do Filho.  Em sua pessoa se  conciliam liberdade e obediência. 

O Santo Padre termina seu livro sublinhando a verdadeira humanidade de Jesus: “Enquanto homem, Ele não vive em uma abstrata onisciência, mas se radica em uma história concreta, em um lugar e um tempo, nas várias fases da vida humana, e daí recebe a forma concreta do seu saber.  Assim aparece aqui, de um modo muito claro, que Ele pensou e aprendeu de maneira humana. 
Àquele que é verdadeiro homem e verdadeiro Deus, o Papa nos convida então, através de seu livro, a abrir um espaço.  Preparando-nos para celebrar a grande festa do Natal, este livro pode ajudar em modo muito profundo a abrir em nós um espaço, a fim de que o Salvador possa nascer e manifestar-se em um mundo como o nosso, que tanto necessita de seu Evangelho. 

Fonte: Rio 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário